Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

sexta-feira, 18 de maio de 2012

AQUI SE FAZ... MAS ONDE SE PAGA?


“Aqui se faz, aqui se paga”. Esse é um dos ditados populares mais utilizados, sempre referindo-se às conseqüências negativas a serem imputadas sobre uma pessoa em razão de seu comportamento, entendido como negativo segundo os padrões individuais de conduta, segundo a justiça própria de cada pessoa. Em geral, quem utiliza esse tipo de expressão não crê num julgamento divino ou destino eterno, preferindo acreditar que Deus – ou o destino, ou Força Maior - julga “aqui e agora” todos segundo suas ações, fazendo da vida terrena uma espécie de “purgatório dos vivos”, onde cada pessoa sofre as conseqüências de suas atitudes e é assim purificada por estes sofrimentos, estando então apta, após a morte, para entrar no descanso eterno.

Inicialmente, é importante deixar claro que, de fato, todas as ações que praticamos em vida trazem conseqüências sobre nós mesmos, ou até sobre as pessoas que estão próximas a nós, as quais serão experimentadas ainda nesta vida. Um pai que não ama seu filho terá sobre si mesmo as conseqüências do seu desamor, mas seu filho também experimentará os frutos amargos dessa atitude de seu pai. As conseqüências são diferentes é claro, mas as conseqüências inevitavelmente virão sobre todo ser humano a seu tempo. Deste modo, encontramos uma lei universal: a Lei da Semeadura e da Ceifa. 

Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos. (Gl 6.7-9) A Lei da Semeadura e da Ceifa é uma lei universal; ela abrange todas as ações de todos os seres existentes no mundo, tanto visível quanto invisível, tanto material quanto imaterial (espiritual). O apóstolo Paulo, escrevendo aos Gálatas, nos mostra que essa Lei deriva-se da Justiça e da Santidade de Deus – “de Deus não se zomba”, é o que o apóstolo afirma. Isto é, ninguém jamais cometerá alguma ação impunemente, sem colher as justas conseqüências sobre seus atos; isso seria o mesmo que zombar de Deus! Ninguém jamais poderá debochar de Deus, dizendo: “fiz o que bem quis, e saí impune; nem Deus foi capaz de me julgar!” Para toda ação, sempre haverá uma reação!

Assim, o homem até hoje colhe as terríveis conseqüências de sua escolha maliciosa e auto-suficiente no Éden. Ao homem, Deus disse: “E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: [...] Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás (Gn 2.16a,17). O homem não quis dar ouvidos à solene ordem de Deus e assim desobedeceu, comendo o fruto proibido. Essa foi a ação do homem. Essa ação não passou impune, pois as conseqüências logo surgiram: a terra tornou-se maldita, a concepção e desejo da mulher foram afetados e a morte entrou no mundo. O homem morreu como disse Deus? Sim, morreu espiritualmente e passou a um estado mortal do ponto de vista físico. 

Abre parênteses: O domínio do homem sobre sua mulher é conseqüência do pecado cometido, como facilmente se lê em Gn 2.16. A conclusão lógica é que antes do pecado, antes da queda, a relação homem-mulher não era uma relação de domínio, mas de co-igualdade. O domínio do homem estendia-se à criação física, aos animais do campo, as aves do céu, mas não à sua companheira. Hoje, há muitos pastores e mestres ensinando que a mulher convertida deve estar “submissa” ao marido cristão, o que é correto; porém esta submissão, tal qual ensinam, não é submissão, mas sim dominação. Com isso, acabam estes mestres invertendo a Palavra de Deus, fazendo com que as relações marido-mulher retrocedam ao Éden pós-queda, ao invés de ensinarem que em Cristo estas relações voltam-se à Cruz, exatamente como Paulo ensina em Efésios. Fecha parênteses.
 
Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.” (Rm 5.12) Novamente, nos ensina o apóstolo Paulo que as consequencias da atitude de Adão no Éden não ficaram restritas apenas àquele primeiro homem. Elas se estenderam a todos os homens, pecado e a morte. Toda raça humana tornou-se pecadora, assim como toda raça humana possui sobre si mesma a terrível consequencia por seus pecados: a morte, tanto física, quanto espiritual e, dependendo, até mesmo eterna. 

Abre parênteses: A morte física é a separação da alma e do espírito do corpo; a morte espiritual é a separação do homem de Deus e a morte eterna é a separação eterna do homem de Deus. Fecha parênteses.
 
Note que isso não exclui o fato de que a Terra, moradia do homem, está ainda debaixo de maldição. O pecado cometido a amaldiçoou, e esse estado permanece até hoje e permanecerá até a redenção final da criação ao Seu Supremo Criador. Por causa disso, vivemos num mundo repleto de perigos mortais, de vírus e bactérias e outros agentes microscópicos perigosíssimos, capazes de matar o homem ou de causar-lhe sérias deformidades. Haja vista, por exemplo, o vírus da poliomielite, podendo ocasionar a destruição de neurônios motores gerando a paralisia flácida dos músculos por eles inervados (“paralisia infantil”). Isso pode ser chamado de morte em certo sentido, uma vez que separa a vida da plena saúde. É preciso entender aqui que a morte, por habitar em nós, causa-nos uma série de degenerações físicas e biológicas, afetando os mecanismos mais básicos do nosso corpo e assim a nossa existência. Infertilidade (por alterações na morfologia e mobilidade dos espermatozóides ou mesmo por dificuldades na ovulação), o câncer, a diabetes, o glaucoma e outras doenças são, em última análise, conseqüência direta da atitude rebelde do homem no Éden. Do mesmo modo, figuram as más-formações congênitas, com os mais variados defeitos físicos. 

Abre parênteses: o espiritismo postula que os defeitos físicos são o resultado de erros em vidas passadas por parte daquela pessoa. Assim, se alguém sofre com um aleijão em seu corpo isso se deve, segundo o espiritismo kardecista, em crimes ou maldades cometidas por aquela pessoa noutra encarnação. Daí, segundo postulam, aquela pessoa estaria recebendo as conseqüências por seus erros noutra encarnação, a fim de se purificar e poder tornar-se mais evoluído. Contudo, a Bíblia Sagrada, Palavra de Deus para os homens, nos ensina que (1) não existe reencarnação ou pluralidade de vidas; (2) os erros cometidos por alguém ou são perdoados por Cristo ou então acompanham a pessoa até o julgamento da mesma por Seu Criador (Hb 9.27; Ap 20, etc). Crer como ensina Kardec é crer contrário ao que ensina a Bíblia, é crer de forma contrária a fé cristã bíblica e genuína, é crer em heresia. Fecha parênteses.  

Porém, se as conseqüências dos nossos pecados nos acompanham enquanto ainda estamos vivos – e isso se dá desde o Éden, como já foi dito – é preciso considerar, ainda, o resultado desses pecados quando o homem morre. A morte não é o fim da existência humana; tampouco é um estado de bem-aventurança eterna independente daquilo que o homem tenha feito em vida. A morte física é apenas uma passagem para um novo estado: ou para um estado de vida eterna ou para um estado de morte eterna. O que acontece quando alguém morre fisicamente? A Bíblia nos ensina que há uma separação da parte material da espiritual, das quais é composto homem. A parte material – o corpo – fica nesta Terra, aguardando o dia em que será ressuscitado (corpo reunido novamente a parte espiritual) por Deus (ou na ressurreição dos justos – I Ts 4.16 ou na ressurreição dos ímpios – Ap 20.13). Já a parte espiritual – alma e espírito – tem destino diverso, dependendo daquilo que foi feito enquanto na vida terrena. 

O espírito, que é a parte imaterial do homem responsável pela comunicação deste com o Seu Criador e com o mundo espiritual volta para Deus, quem o criou. Já a alma, que é a parte imaterial do homem onde reside sua vontade, intelecto, emoções, etc., ou o homem em si mesmo, pode ou ir para um lugar de descanso eterno ou para um lugar de tormento, onde ficará aguardando a ressurreição para condenação final. Esse é o ensino de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento”. (Lucas 16:22-28)

Dois homens – o rico e Lázaro; duas vidas vividas de forma diferente; uma mesma morte física, mas dois destinos eternos diferentes. Um, teve acesso ao Céu; já o outro, não pode ir para esse bendito lugar, mas foi condenado ao inferno, lugar de tormento. Sobre este lugar, Jesus disse que o seu bicho não morre, e o fogo nunca se apaga. (Mc 9.44) É um lugar de sofrimento, de dor, de tristeza, de angústia; um lugar criado para o diabo e seus anjos, mas que acaba sendo o destino de muitos e muitos que insistem em não permitir que Deus os salve, preferindo acreditar em ditados populares ou em mentiras. Prefere viver a vida ao seu próprio jeito, de acordo com sua própria justiça, do que sujeitar-se à Vontade de Deus e Justiça de Deus. Gente que prefere justificar-se em obras, achando que boas obras tem o poder de anular as más obras cometidas e de justificar sua vida e assim ser salvo ao final de sua vida. Ora, está escrito: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2:8-9) As boas obras para nada adiantam, espiritualmente falando, se a vida da pessoa não for salva pela bondade, pela Graça de Deus. Esmolas, caridade, missas, cultos, louvores, ofertas, sacrifícios pessoais, etc. para nada servem sem estar o homem reconciliado primeiramente com Deus. 

Como alguém pode escapar da condenação ao inferno? Vejamos o que Jesus nos diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (João 3:16-18) A resposta é simples: é necessário crer em Cristo! Crer, aqui, não é uma fé passiva, superficial; é ter um relacionamento com Ele! É entregar a vida Àquele que entregou a própria vida por cada um de nós. Note que se houvesse qualquer outra forma diferente de salvação a morte de Jesus na cruz teria sido perda de tempo, um horror desnecessário. Ao contrário, Cristo morreu na Cruz por Sua Vontade e Vontade de Seu Pai, a fim de ser O Salvador de todo aquele que nele crer! Não há, assim, uma variedade de caminhos a se escolher; ou um punhado de verdades que ao fim dizem a mesma coisa. NÃO! Há só Um Caminho, Uma Só Verdade e Uma Só Vida, a saber Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus. 

Quem Nele crer e como resultado disso a Ele se entrega, confessando seus pecados, recebe Dele a purificação dos pecados, por Seu Sangue derramado na Cruz. Noutras palavras, Jesus morreu por nós a fim de que nossos pecados sejam perdoados, de forma que as conseqüências espirituais dos mesmos recaiam irremediavelmente sobre Nosso Senhor, que morreu na Cruz. Por isso dizemos que Sua morte foi vicária, isto é, substituta. Já vimos que a conseqüência do pecado é a morte; assim, o Senhor Jesus foi morto por causa dos nossos pecados. Ao crermos no Senhor e arrependidos confessarmos nossas culpas e pecados, automaticamente Deus julga nossos pecados em Nosso Senhor, o qual pagou as conseqüências por cada um deles, nos perdoando por causa do sacrifício do Seu Filho. Por isso, quem Nele crê não perece, não experimenta a morte espiritual, mas recebe de Deus a vida eterna como favor imerecido! Isso é Graça! 

Note que Deus não “passa a mão sobre nossos pecados”, nos tratando como “coitadinhos” ou “fazendo vista grossa” para nossos pecados. Não! Ele trata os nossos pecados com muita seriedade; daí dar o Seu Filho para morrer por nós. Portanto, Seu Filho é o Único capaz de nos salvar. Sem crer Nele, continuamos em nossos pecados, aguardando a justa condenação eterna – conseqüência última dos mesmos – da qual nenhum homem poderá escapar. Como dissemos anteriormente, haverá um dia em que os mortos sem Cristo ressuscitarão de onde estiverem, sendo os corpos reunidos novamente às respectivas almas que no inferno estão hoje, aguardando esse dia; a fim de que todos compareçam perante o Juiz de Toda Terra, o Juiz de Vivos e de Mortos, naquilo que a Bíblia chama de Juízo do Grande Trono Branco: “E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.” (Ap 20.11-15) Ninguém escapará! Nenhum homem! Nem mesmo a morte e o inferno escaparão nesse dia! Perceba que cada um, presente nesse julgamento, será julgado de acordo com as suas obras! Sem Cristo, as obras nos perseguirão até esse último dia!

Concluindo: aqui se faz, aqui se paga, mas lá se paga também! O inferno não é sua morada aqui, mas pode vir a ser lá, quando você morrer. Não pense que haverá qualquer tipo de alternativa a isso. Você quer ir para o inferno? Após ter sofrido tanto em vida, quer viver nesse lugar onde o sofrimento é infinitamente pior do que aqui, aguardando sem escape o julgamento final já ciente do veredicto - condenado? O sofrimento humano em vida é pequeno se comparado à esse sofrimento; o corpo vivo pode adormecer, ser anestesiado, ser curado; sempre é possível experimentar algum alívio estando vivo; mas naquele lugar, no inferno, não há alívio de forma alguma! Sofrimento dia-a-dia, 24h por dia, sem descanso, sem escape, sem sossego, sem socorro; não adiantará gritar, nem se enraivecer ali, nem clamar por perdão ou misericórdia, não adiantará coisa nenhuma! Você verá seus entes queridos vivos que se encontram perdidos, sem Cristo, sendo seduzidos e influenciados pelo diabo, e não poderá fazer nada, até que por fim eles sejam arrastados para o inferno para sofrer com você! Você os verá sofrer ao seu lado nesse lugar, e não poderá fazer nada para salvá-los ou aliviar sua dor! Você verá todas as oportunidades que teve para ser salvo, e não poderá voltar atrás no tempo! É isso que você quer para si? 

Querido(a), você não está lendo esta matéria à-toa. Deus te ama e deseja muito salvar você! Ele deu Jesus por você, para salvá-lo(a) do pecado e do inferno! Há um lugar maravilhoso, preparado por Deus, especialmente para você; um lugar de felicidade eterna, onde não haverá mais dor, mais sofrimento, tristeza, angústia, fome; um lugar onde Deus mesmo limpará de seus olhos todas as lágrimas! Toda dor que você experimentou em vida, serão plenamente removidas naquele dia, e nunca mais você voltará a sofrer novamente! Venha para Jesus, hoje mesmo; venha como você estiver! Não importa o que você tenha feito, qual seja a sua vida até hoje, quais sejam os seus pecados, não importa! Não importa se até hoje você viveu no mais profundo abismo de trevas e de maldades, Deus te chama assim mesmo! Venha até Cristo, Ele lhe receberá! Confesse seus pecados, mesmo que sejam grandes ou muitos, a Ele; e receba Dele o perdão para cada um dos seus pecados! Não há um só pecado seu que Ele não possa perdoar! Receba o Senhor hoje mesmo em seu coração. Confesse os seus pecados, aí onde está. Quero propor-lhe a seguinte oração:

Senhor Jesus, reconheço que sou pecador, reconheço que não há nenhuma justiça em minha vida. Reconheço que estou longe de Ti, reconheço que estou condenado sem o Senhor. Eu venho nesta hora confessar os meus pecados ao Senhor [diga quais são, daqueles que você se lembrar], por favor peço que perdoe-me por cada um deles. Eu estou arrependido e preciso de Ti como meu Senhor e Salvador. Sei que o Senhor morreu por meus pecados, assim eu renuncio a minha vida de pecado, de auto-suficiência e de rebelião contra Ti. Senhor Jesus, eu hoje te recebo como meu único e suficiente Salvador e Senhor. Peço-lhe que o Senhor entre na vida, no meu coração e faça morada permanente. Eu me entrego completamente a ti, meu Senhor e Salvador. Em nome de Jesus, amém!

Se você fez esta oração, crendo verdadeiramente em cada palavra, você está salvo. Agora, lhe aconselho a procurar uma igreja evangélica perto da sua casa, onde existam pessoas que amem a Deus e que estudem a Bíblia com seriedade, para que eles possam ensinar-lhe como viver para Cristo. Se você desejar conhecer-me pessoalmente e a Igreja onde me reúno com outros irmãos, me escreva. Será um prazer conhecê-lo(a) e ser seu amigo!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

PARE O MUNDO GOSPEL, EU QUERO DESCER!


O mundo, como um todo, está cada vez mais louco, mais estranho! O que era antigamente não é mais nos dias de hoje, está tudo mudado! A distinção entre o “certo” e o “errado” quase não existe mais, o que é certo virou errado e o que é errado tornou-se certo. Cada vez entendo menos o que vai pela cabeça de algumas pessoas.

E eu não estou falando apenas do mundo, o qual o apóstolo João disse que está morto, em elevado estado de decomposição no maligno. Desse mundo não dá para esperar nada de bom dele. Está podre mesmo, só resta exalar mau cheiro enquanto vai apodrecendo cada vez mais, aguardando o dia de ser comida de verme, “que não morre nunca”! Não, estou falando do mundo daqueles que se dizem de Deus, daqueles que se dizem “salvos”, ”iluminados pelo Espírito Santo”, “que vão morar no céu”. Estou me referindo a um mundo dentro do mundo, uma espécie de subconjunto do mundo, que deveria, por definição, não ser subconjunto mas sim um conjunto diferente. Matematicamente falando, trata-se da mesma relação que há entre o conjunto de números reais, R, e o conjunto de números naturais, N: N está contido em R! R contém N! A interseção entre os dois conjuntos é diferente do conjunto vazio!!!!!
Em tempos antigos... “a long time ago, in a far, a far away world”, ambos os mundos eram bem diferentes, com limites bem demarcados. Não havia confusão, mistura. Os habitantes do mundo que jaz no maligno tinham o mesmo caráter de hoje em dia: amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus. Porém, o caráter do mundo “gospel” era bem demarcado. Ou andavam como crentes verdadeiramente, manifestando a nova natureza oriunda do encontro com Cristo, ou não eram reputados por “gospel”, mas por “falsos crentes”. Ser crente era algo muito difícil naquela época, pois era preciso renunciar o mundo dia após dia, debaixo de inúmeras perseguições que se levantavam para provar a fé daqueles que se diziam “filhos de Deus”. Eram perseguições na escola, na faculdade, no trabalho, na rua... onde quer que fossemos, éramos reputados como “escória”, como “personas non gratas”.
Havia testemunho de vida! A vida do crente era um livro aberto. Havia muita preocupação com o testemunho pessoal, algo mais do que contar uma história fantástica e mirabolante de conversão numa Igreja. Testemunho pessoal! Qualquer coisa que pudesse vir a prejudicar esse testemunho era logo rechaçada; afinal, o comportamento precisava refletir obrigatoriamente a fé professada. Nenhum crente verdadeiro queria tornar-se fonte de escândalo ou de vergonha para o Evangelho de Cristo. Havia preocupação até com a linguagem usada: palavrões e piadinhas sujas? Nem pensar! Chocarrices não eram, definitivamente, o costume dos crentes em Cristo. Havia mais temor ao Senhor, que se refletia em tudo o que era feito cotidianamente. Por isso, havia a manifestação do sobrenatural, da atuação do Espírito Santo na vida dos crentes, que se refletia na vida da Igreja, ressaltando ainda mais a diferença entre estes e o mundo.
E hoje? Hoje, ninguém quer mais saber de nada! Palavrão é o mínimo de mundano que os gospels praticam (e compartilham abertamente no facebook e twitter). Pecados sexuais já se tornaram “drops de menta”. Orgulho? Caramba! O que mais se vê são gospels orgulhosos: quando há o “milagre” de pedirem perdão (porque hoje todo mundo acha que é certo, independente da lambança que faça), fazem isso não com um coração quebrantado e contrito, mas com um coração cheio de orgulho, inutilizando o pedido de perdão! Sim, porque pedir perdão sem reconhecer-se errado de nada adianta, já que perdão é mais do que uma atitude exterior. Assim, vão deixando brechas e mais brechas abertas em sua vida. Será que as orações deles são ouvidas por Deus e as ofertas aceitas? “Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta” (Mt 5.23,24). Está tudo errado! Estão apresentando ofertas, sendo que as mãos do ofertante estão cheias de sangue e violência, achando que o Senhor está recebendo as ofertas das mãos deles!
Ingratidão! Por mais que você faça, por mais que Deus faça, por mais que a Igreja faça em prol do benefício da pessoa, nunca há o reconhecimento, a gratidão. Na hora do problema, você serve para ajudar, para estender à mão; quando o problema é resolvido não há o devido reconhecimento pela ajuda. Ninguém reconhece o bem que lhes é feito; talvez porque pensam que não passa da obrigação dos outros ajudarem. “Não fez mais que sua obrigação, não espere gratidão de mim” ou o famoso “Jesus lhe abençoe” (porque eu não abençôo). Tem uns que você faz tudo por eles: consagra, ordena, faz casamento... e, ao final, o que recebe de volta? Nem um obrigado! Os anos passam e você acaba virando inimigo dos tais, que "inexplicavelmente" passam do amor ao ódio...Inexplicavelmente? Talvez haja um exagero aqui. Há sempre uma explicação: em alguns casos, isso acontece por causa da Síndrome "viúva Porcina, a santinha" (Roque Santeiro), que mandava e desmandava no "Sinhozinho Malta" (personagem do ator Lima Duarte). Bananice pura! Honra? Você honra a pessoa e ela irá um dia se voltar contra você, de forma que suas costas ficam parecendo uma peça de lagarto redondo para ser assado no forno: cheia de furos de faca para rechear a peça de carne com bacon e cenoura! Aconselhamento? Esteja certo: aconselhe hoje, amanhã os ingratos voltar-se-ão contra você por causa do aconselhamento que insistentemente lhe pediram. Traidores! Ingratidão e desonra andam de mãos dadas...

Atrevidos! Abusados! Não ponderam mais com que estão falando. Não respeitam idade, maturidade ou posição, mas levantam a voz com ousadia do espírito da rebeldia gerada no inferno! Ser pastor hoje, após o advento desse movimento neo-gospel-penteca, é tarefa inglória, principalmente se você quiser ser um pastor sério, preocupado com o ensino da Bíblia e com o crescimento espiritual e secular dos crentes. Qualquer dia vão levantar a mão para bater em pastor dentro de Igreja, quando discordarem de qualquer coisa que ele diga ou faça. Espero já estar no céu quando isso se tornar realidade arraigada...

Ganância? Está aí a infernal teologia da prosperidade que produz dia a dia gente cada vez gananciosa, que só fala de “bênção” e de “unção” do Tio Patinhas. Irmãos? Só se forem Metralhas... Gente inconstante, que vai de um lado para outro ao sabor da “onda”; vivem em movimento oscilatório, muito bem descrito por uma senóide...
Isso tudo sem mencionar as inúmeras complicações e dificuldades de se entender a "fé neo-gospel". É sacrifício para lá, é trabalho para acolá; é corrente disso, seca-pimenteira daquilo. "Água orada" (uma espécie de água benta gospel), sal grosso, óleo ungido... daqui mais um pouco vão inventar alho para espantar o demônio sugador de sangue, cruz para cravar nele (já tem gente que briga com anjo no monte, porque não brigar com demônio também?) e apetrechos de prata para acabar com o "espírito maligno do lobisomem". Ah sim, o apetrecho de prata precisa ser depositado no altar da seita, juntamente com um de ouro, para que o brux... ops, sacerdote, prepare uma solução alquímica a fim de espantar todos os males por 07 dias! Poção mágica eficaz, mas sem o ouro e a prata; a final o sacerdote da seita precisa viver, né? E ainda chamam isso de igreja... Irineu de Lyon escreveria outro tratado teológico contra essas heresias e seitas, se vivo estivesse em nossos dias (Adversus Haereses, ou Contra Heresias), as quais há muito superaram o gnosticismo que ameaçava a Igreja do segundo século. São "mistérios misteriosos de mantas núbias covas", diriam os neo-gospels, com sua linguagem hermética e repleta de jargões e frases de efeito. Me faz lembrar a música composta por Zé Ramalho, "Mistérios da Meia-Noite":

 Mistérios da Meia-Noite
Que voam longe
Que você nunca
Não sabe nunca
Se vão se ficam
Quem vai quem foi... 
 
Aliás, basta juntar as poções e utensílios mágicos, o altar, a luta contra o sobrenatural e o uso de "armas místicas", num ambiente de misticismo e esoterismo, numa boa estória bem contada, e a grana, é claro, que se conseguem todos elementos que compõem o jogo Skyrim, The Elder Scrolls. Espero que as "inovações" parem onde estão e retrocedam, ou em breve teremos sacerdotes neo-gospels de seitas distribuindo (a preços módicos) pó de ossos para que os neo-gospels recriem a passagem bíblica do vale de ossos secos (Ez 37), pele de leviatã e chifre de unicórnio, numa alusão do livro bíblico de Jó. Ah sim, não podemos esquecer o fígado de peixe para ser queimado, tão famoso no livro não-canônico de Tobias, a fim de espantar o demônio Asmodeu e curar a cegueira do ente querido. Quem sabe não haverá uma poção alquímica composta por suor ungido do sacerdote, óleo composto de Israel aquecido na fornalha santa e água orada retirada do Guandú? Basta dar o "septízimo"... rs.

Claro que graças a Deus nem todos são assim, nem todos agem desse modo; mas essa é a tônica moderna! Essa é a tônica em nossos dias! Uma confusão sem pé nem cabeça! Quem é quem? O que é o quê? Ninguém se entende, não se fala mais a mesma língua! Até o Senhor Jesus tornou-se pessoa desconhecida no meio daqueles que mais professam, que mais invocam o Seu Santo Nome. Fazem muita coisa em Nome Dele, prometem muita coisa, mas não O conhecem, porque se O conhecessem não O tratariam com tanto desprezo e desonra! Teriam mais temor nos seus corações e pensariam dez vezes antes de invocar o Nome do Senhor em vão, como vem fazendo. Lembre-se do que foi dito e escrito por Deus: "Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão." (Ex 20.7) Todas as vezes que tomamos o Nome do Senhor associando-o ao erro e ao pecado, ou fazendo Dele piada ou em jargões, estamos tomando esse Nome em vão.
 "Pare o mundo gospel, eu quero descer!" Se esse é o clamor do seu coração, diante de todo esse quadro de apostasia que aí está, então você deve se considerar feliz, porque o Espírito de Deus é quem está clamando continuamente aos verdadeiros filhos e filhas de Deus para que saiam dessa falsa igreja, dessa religião mundana e perdida. "Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas." (Ap 18.4) Saia, enquanto ainda pode, enquanto é tempo! Deus tem o melhor para sua vida! Deus tem um lugar reservado para você, uma Igreja séria, com pessoas sérias, que buscam a Deus com seriedade e compromisso, que buscam viver a Palavra de Deus e a comunhão do Espírito! Se você está perdido e não sabe para onde ir, se sente oprimido, distante de Deus, sem fé e sem solução então faça da nossa igreja, a Igreja Batista Ministério Reviver, o seu lar espiritual. Venha, faça-nos uma visita! Será um prazer recebê-lo(a)! Deus tem um novo viver, um reviver, em Seu Espírito Santo para sua vida!  

Que o grande amor de Deus o Nosso Pai, a graça de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e a Comunhão e doces Consolações do Espírito Santo seja sobre sua vida, querido(a) irmão(ã), desde agora e para todo sempre!

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!