Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

ABORTO: VOCÊ, SEU FILHO E DEUS.

O aborto pode ser definido como a interrupção da gravidez e consequente retirada do feto ou embrião antes que o mesmo tenha condições de sobreviver fora do útero materno. Pode ser espontâneo, causado por várias razões bem registradas na literatura médica, ou pode ser por escolha da progenitora. 

O aborto vem sendo praticado há muito tempo pela humanidade, remontando à Antiguidade. Os romanos e gregos, por exemplo, não estavam muito preocupados em proteger os nascituros, e quando se opunham ao aborto, muitas vezes era porque o pai não queria ser privado de uma criança a que ele se sentisse habilitado. Na verdade, os filósofos gregos foram geralmente tolerantes com a prática: Em sua obra intitulada República, Platão recomendava o aborto no caso de uniões indesejáveis, enquanto Aristóteles via na prática uma forma de controlar o tamanho das famílias. Somente os Pitagóricos eram categoricamente contra todas as formas de aborto, afirmando que a alma entrava no corpo no momento da concepção e que o aborto era equivalente ao assassinato. Os Romanos, influenciados pelos Estóicos, não colocavam restrições quanto ao aborto. Eles argumentavam que o feto era como "par viscerum matris", "parte dos órgãos internos da mãe". Portanto, remover o feto seria equivalente a remover uma extensão do corpo da mãe, não um ser pessoal. (cf. Jeffrey H. Reiman, Abortion and the Ways We Value Human Life, ROWMAN & LITTLEFIELD, Ed. 1, 1998)

Por sua vez, o cristianismo dos primeiros séculos da era cristã se opunha ao aborto em qualquer estágio da gravidez, independente do estágio de desenvolvimento fetal. Documentos como a Didaquê (também conhecido como "O Ensino dos 12 Apóstolos", onde se lê "não assassinarás uma criança pelo aborto, nem matarás aquele que está gerado"),  a Epístola Pseudo-Barnabé (19:5 - "não procurarás o aborto, não cometerás infanticídio") e a Apologia, de Tertuliano ("Em nosso caso, sendo o assassinato totalmente proibido, não podemos destruir nem mesmo o feto no ventre... Impedir um nascimento é tão somente um homicídio mais rápido; não há diferença entre tirar-se a vida do que é nascido ou do que virá a nascer. Já é homem, aquele que se tornará em um; na semente, já tendes o fruto") condenam toda forma de aborto como homicídio. 

Deve ser notado que o Novo Testamento não aborda o assunto; no Antigo Testamento, há algumas referências, a maioria indireta, sobre o aborto, aparentemente enfatizando o aborto espontâneo: "Não haverá mulher que aborte, nem estéril na tua terra; o número dos teus dias cumprirei" (Êxodo 23:26), indicando que o aborto espontâneo era considerado como algo ruim e negativo: em Canaã, a Terra Prometida por Deus, haveria como parte da bênção do Senhor para com Seu povo eleito a inexistência do aborto. Deus jamais considerou, é bom que fique claro, que a mulher fosse estéril ou que seu ventre fosse incapaz de manter a gravidez até seu fim, concebida em conjunto com seu esposo. 

Há uma única passagem que trata diretamente sobre o aborto, envolvendo o aborto espontâneo e, possivelmente, a morte do feto: "Se alguns homens pelejarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, porém não havendo outro dano, certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e julgarem os juízes. Mas se houver morte, então darás vida por vida." (Êxodo 21:22,23).  O principal motivo por parte dos cristãos contra o aborto intencional reside no sexto mandamento: “Não matarás” (Êx 20.13). Portanto, nesse caso, o feto é considerado uma pessoa desde a sua concepção, não uma extensão do corpo da mãe. Isso concorda com o restante da Bíblia: Davi no Salmo 139 refere-se a si mesmo de modo pessoal ainda em estado fetal, na sua unidade psicossomática. 

É importante dizer que nos tempos bíblicos a concepção era percebida pela mulher como bênção de Deus, enquanto a incapacidade de conceber era sinal de maldição; portanto o aborto não era considerado como opção válida, via de regra, pela mulher na Bíblia. Por isso a Bíblia silencia quanto a prática do aborto intencional. Assim, temos o registro da história de Abraão e Sara; de Jacó, Raquel e Leia (ou Lia); de Elcana, Ana e Penina e muitas outras. História de pessoas e famílias que desejavam engravidar e não conseguiam até haver uma intervenção sobrenatural por parte do Senhor. Sara era estéril e não tinha filhos (Gn 11.30). Já Ana, por exemplo, chorava e não comia, com a alma amargurada, porque Penina, sua rival, era fértil enquanto ela não podia conceber, até o dia em que o Senhor lhe abriu a madre (I Sm 1). 

No entanto, muitas pessoas optam por interromper prematuramente a gravidez por diversos motivos. Embora o aborto tenha ocorrido em todas as culturas ao longo da história, avanços médicos e mudanças nas normas sociais na sociedade moderna tornaram a opção mais acessível e “aceitável” do que para muitas gerações anteriores. Há casos onde argumenta-se favoravelmente à prática (o chamado "Aborto Legal", previsto em Lei) - como no caso de estupro, com o consentimento da gestante ou quando a gravidez significar risco a vida da gestante.

O estupro, como um ato de violência e humilhação, provoca na vítima um medo enorme e uma sensação igualmente enorme de impotência e desamparo, causando marcas profundíssimas e seríssimas na alma humana, cuja dor é, talvez, maior do que a dor física que o ato impõe. Como resultado desse horrível ato, a mulher pode também engravidar (gravidez indesejada), o que só faz agravar o quadro. Algumas decidem manter a gravidez, outras decidem interrompê-la. No Brasil, o aborto é atualmente permitido em três casos: estupro, se houver risco à vida da gestante ou, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), se o feto for anencéfalo. (veja mais em: https://apenas-para-argumentar.blogspot.com/2016/07/a-extrema-malignidade-do-estupro-e-suas.html). A mulher cuja gravidez foi fruto de estupro e decide pelo aborto, o faz por várias e complexas razões: por exemplo, ela sente medo de que, mesmo sem querer, ao ter o filho, irá se lembrar e se ressentir com aquela criança ou consigo mesma pelo que passou, revivendo assim aquele trágico momento - e o seu agressor - indefinidas vezes. O sentimento de violação de direitos pode realmente impedir a criação de um vínculo entre mãe e bebê. A mulher grávida vítima de estupro pode também escolher manter a gestação ou doar o bebê; porém sua escolha deve ser respeitada em todos os casos.  É bom dizer que qualquer que seja sua decisão, haverá impacto para ela: se colocar o filho para adoção, provavelmente ficará pensando nisso pelo resto da vida; o mesmo se decidir interromper a gravidez ou ter a criança. O imenso dano, causado pela violência, está feito. Somente Deus pode conceder a graça necessária para viver com qualquer uma dessas opções. 

No entanto, há casos onde o aborto não goza da mesma prerrogativa daquela no caso do estupro. Casos onde o "egoísmo", por assim dizer, é que ditam o proceder. Casos como gravidez fruto de adultério, quando a "outra" engravida do marido de outra e um dos dois, ou os dois, decidem que é melhor abortar do que reconhecer o pecado e aceitar suas consequências. Não é à toa que a Bíblia condena como pecado o adultério, ele destrói TODAS as vidas envolvidas - dos adúlteros e suas famílias, do feto/embrião/criança gerada. Todos. Há também casos em que a gravidez é fruto de fornicação - especialmente entre jovens, quando há um relacionamento permissivo - (às vezes com a aprovação dos pais, que acham "bonito", "moderno"... dormirem juntos, viajarem sozinhos, festinhas descontroladas, etc.). Aqui, é preciso esclarecer um ponto importante: TODAS AS VEZES QUE A HUMANIDADE FEZ OU FAZ AQUILO QUE DEUS PROÍBE, COLHE INEVITAVELMENTE SUAS CONSEQUÊNCIAS. Não há impunidade, não tem "jeitinho" ou "suborno" para com Deus. Fez, vai arcar com o resultado. Desobedeceu, colheu. É simples assim.  Deus não proibiu o sexo livre porque Ele não quer que a gente tenha prazer; antes, proibiu-o porque Ele sabe que essa prática traz consigo sofrimento, tristeza, dor e morte. A tal "liberação sexual" ou "revolução sexual" que a sociedade tanto buscou e tanto ama trouxe exatamente isso: aumento da promiscuidade, aumento da incidência de doenças sexualmente transmissíveis, morte, adultério, divórcios, aborto, aumento da incidência de casos de pedofilia e estupro, gente viciada em sexo e pornografia, etc. Basta olhar ao redor e constatar essa terrível realidade. 

Abre parênteses: O pecado é assim: libere um pouquinho que seja, só no que interessa, e ele fermenta tudo! Se espalha como fermento na massa, atingindo tudo e todos a sua volta! E quem sofre com tudo isso? Nós mesmos! Infelizmente vou lhe dizer: as consequências malignas dessa permissividade que a humanidade escolheu, abandonando Deus e voltando-se para si mesma, só irão aumentar. O pecado é incontrolável: nenhuma lei, nenhum código de conduta ética ou moral e nenhuma repressão humana pode contê-lo. A polícia, o exército, a escola, a política, os grupos moralizadores, as religiões, o senado, a câmara de deputados, a presidência da república... nada pode conter o avanço do pecado na humanidade. O pecado não é questão de acesso a educação, de segurança pública, de programa de governo, de saúde pública, de distribuição de renda ou de justiça social. O pecado é assunto espiritual. Somente Deus pode, ao transformar a vida humana, fazendo com que o homem nasça de novo, pode dar termo ao pecado. Somente Ele, na consumação dos séculos, poderá exterminar com o pecado de uma vez por todas! Sem Deus, o máximo que a humanidade faz nessas áreas se resume, na prática, em "enxugar gelo". Fecha parênteses.

Sexo é algo bom, criado por Deus para a comunhão e prazer entre marido e esposa e para a procriação. Porém, há infelizmente na sociedade uma supervalorização do sexo que acaba adoecendo e apodrecendo ainda mais aqueles que já são doentes e podres. Hollywood é o berço de muita podridão na área sexual que acaba povoando o imaginário de muita gente e, de certo modo, aumentando ainda mais a perversão nessa área. Exemplos: os filmes "Beleza Americana" (onde o sujeito tem fantasias sexuais com a amiga de sua filha de 16 anos), "Instinto Selvagem" (precisa comentar?), "Spring Breakers - Garotas Perigosas" (adolescentes usando drogas, fazendo sexo a três, se envolvendo com o crime e usando armas de fogo), "Ninfomaníaca" (...), "Girl House" (um grupo de garotas que resolve ganhar dinheiro alugando uma casa e transmitindo suas aventuras e performances eróticas pela webcam), "Uma Babá Objeto de Desejo", "Paixão Fatal (The Crush)", "50 tons de cinza" (enfocando prazeres do sadomasoquismo), dentre muitos e muitos outros. Em todos esses filmes há apelos e fantasias sexuais, taras, etc. Existem pessoas que são sensíveis e altamente influenciáveis às mensagens e imagens veiculadas por filmes de terror, outras por violência, outras por sexo e outras por pornografia. O fato é que vivemos numa sociedade cada vez mais hedonista e erotizada, com exacerbado incentivo ao libido, quer por filmes, TV, jornais, revistas, conversas, modo de vestir, etc. Negar a evidente correlação entre o imenso aumento da liberalização e propaganda sexual com o aumento dos casos de estupro é não querer enxergar o óbvio. (veja mais em: https://apenas-para-argumentar.blogspot.com/2016/07/a-extrema-malignidade-do-estupro-e-suas.html)

Infelizmente, são cada vez mais moças que decidem abortar porque transaram com o namorado, ou com o crush ou ficante, seja lá o que for isso. Muitas não sabem onde o rapaz mora, onde trabalha, quem é a família do sujeito... Vão pra cama com um cara que nem conhecem direito! Alguns vão propor aqui como solução a camisinha, ou o uso de outros preservativos. Mas essa não é a solução. A solução é não fazer sexo antes do casamento! Ah, você acha isso cafona? Bem, sempre deu certo, até ser substituído por esse "todo mundo é todo mundo" e "ninguém é de ninguém"! Enquanto isso, nos websites que a garotada acessa, estão cheios de testemunhos de abortos e de "conselhos notáveis" - "dê remédio a ela", "aborte isso", etc. E muitas consumam, de fato, o aborto. Os pais até hoje não sabem o que a filha fez e provavelmente nunca o saberão, isso se ela não vir a morrer na curetagem. E não raro a família pouca ajuda nessa hora. O aborto é sempre uma opção traumática para as mulheres, nunca um caminho de alegria.

Abre parênteses: Muitos pais rejeitam a filha quando descobrem que ela está grávida do namorado. Nessa hora em que as filhas mais precisam de ajuda, elas acabam se deparando com forte oposição dos pais, que não raro expulsam a filha de casa. Enfrentam assim o desprezo da família, que somado a omissão do parceiro ou às suas pressões para a interrupção da gravidez (de forma implícita ou explícita, oferecendo ou sugerindo os meios para o aborto) ou mesmo sendo até violentos, acabam se vendo numa situação com a qual são incapazes de lidar sozinhas. É nessa hora que elas acabam arriscando a vida em clínicas clandestinas de aborto, ou mesmo mergulhando em vícios e prostituição, ou até acabam tirando a vida. O desespero, o medo e a culpa podem destruir de verdade com aquela que um dia foi querida e amada. Diante disso, os pais precisam encontrar forças em Deus e amparar suas filhas. Com o devido apoio da família - e isso é muito importante, porque nossos filhos sempre serão nossos filhos, independente dos erros que cometerem - a moça pode ter toda a estrutura e suporte emocional e financeiro para ter o bebê e após o nascimento doá-lo para adoção. A família é muito importante, qualquer que seja a causa da gravidez. Diálogo, conversa franca e aberta, sem rodeios, com amor e bondade, mas sem tapar sol com peneira como prevenção. Mas e se acontecer? Se engravidar do ficante? Os pais da moça devem agora, ainda mais, acolhê-la e decidir sobre o destino que será dado à criança após o nascimento - aborto não deve ser uma opção, salvo risco para a vida da moça. Há pais que registram o(a) neto(a) como seu(sua) filho(a). Outros, escolhem doar a criança para ser adotada por um casal sem filhos, trazendo felicidade e alegria àqueles que não puderam gerar uma criança e à própria criança, que crescerá num lar cercado de amor e carinho. Fecha parênteses. 

Esse texto é para esclarecimento, de forma a quem sabe contribuir para gravidez indesejada e o consequente aborto. No entanto, se você engravidou do namorado, do ficante, do crush, na night ou coisa do tipo, saiba que essa argumentação não tem a intenção de julgá-la ou condená-la por isso. Mas o fato é que agora você tem uma decisão importante a tomar. A responsabilidade ficou grande! E eu lhe digo: não escolha o aborto, não faça isso. A criança gerada não tem responsabilidade, não pediu para existir, não pediu para ser concebida. Mas agora que foi concebida no seu ventre, ela passou a existir e tem direito a vida, direito de viver. Não é o governo ou a sociedade que irá decidir se você deve ou não abortar. Essa decisão é sua. Decida pela vida, sua e de seu bebê.
 
O mais importante, que eu quero que você saiba, é que Deus ama você independente de qualquer coisa. Talvez você que está lendo esse texto tenha abortado e hoje está debaixo de culpa e de acusação. Talvez esteja pensando até em acabar com sua vida. O fardo da culpa de ter cometido um aborto será carregado depois, por muitos e muitos anos. Algumas pensam até em se matar. Muitas dizem: “Fiz aborto ainda muito jovem, só que a dor que carrego hoje é muito grande. Temo pelos meus erros do passado, até hoje não me perdoo por esse ato. Sei que jamais apagarei isso da minha memória”. Ou talvez você diga: "minha consciência tá muito pesada... eu não me perdôo... minha vida é vazia..." Porém, Deus espera que aceitemos o perdão que Ele nos concedeu. Saiba que Deus é assim - Ele é bondoso e misericordioso, capaz de perdoar todos os seus pecados; Ele é capaz de perdoar o aborto que você fez. Assim Ele diz: "Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã." (Isaías 1:18) Pecados vermelhos intensos sendo embranquecidos, purificados, perdoados. Sendo esquecidos: "Sou Eu, Eu mesmo, aquele que apaga tuas transgressões, por amor de mim, e que não se lembra mais de teus erros e pecados." (Isaías 43:25) Perdão total! Dívida paga! Liberdade da dívida! O Senhor pagou por nós o preço do nosso perdão e salvação! Aceite o perdão de Deus, que é dado gratuitamente por meio do sacrifício de Seu Filho, Jesus, na cruz do calvário!

Bendito seja o Cordeiro
Que na cruz por nós padeceu
Bendito seja o seu sangue
Que por nós pecadores verteu
Eis nesse sangue lavado
Com roupas que tão alvas são
Nós pecadores remidos
Que perante seu Deus já estão.

Alvo mais que a neve
Alvo mais que a neve
Sim nesse sangue lavado
Mais alvo que a neve serei.

Quão espinhosa a coroa
Que Jesus por nós suportou
Oh! Quão profundas as chagas
Que nos provam o quanto Ele amou
Sim, nessas chagas pureza
Para o maior pecador
Pois bem mais alvo que a neve
O Teu sangue nos torna, Senhor.

Alvo mais que a neve
Alvo mais que a neve
Sim nesse sangue lavado
Mais alvo que a neve serei.

Se nós a Ti confessarmos
E seguirmos na Tua luz
Tu não somente perdoas
Purificas também, oh, Jesus
Sim e de todo o pecado
Que maravilha de amor
Pois que mais alvo que a neve
O Teu sangue nos torna, Senhor

Alvo mais que a neve
Alvo mais que a neve
Sim nesse sangue lavado
Mais alvo que a neve serei.

Sim nesse sangue lavado
Mais alvo que a neve serei.   


(clique e ouça: https://www.youtube.com/watch?v=NbPDFNMqgBU)

A única coisa que Deus espera de você é que você dê a Ele o seu coração. Dê a Ele a sua vida, para que Ele possa cuidar de você. O amor de Deus sobre você, que você sente nessa hora, é real; mas para que seja duradouro você precisa entregar-se ao Príncipe da Paz, a Jesus o Senhor! Ele jamais irá abusar de você, jamais irá usá-la e abandoná-la a própria sorte, como fizeram contigo no passado. Ele é um bom Pai, um bom Pai que jamais te deixa só por um minuto sequer, sempre atento das mínimas às maiores e mais profundas necessidades do seu ser: "Os leõezinhos necessitam e sofrem fome, mas àqueles que buscam ao Senhor, bem algum lhes faltará." (Salmos 34:10) Sim, Ele diz que até os cabelos da nossa cabeça estão contados: "Não se costuma vender cinco pardais por duas pequenas moedas? Entretanto, nenhum deles deixa de receber o cuidado de Deus. Mas até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois mais valeis vós do que muitos passarinhos." (Lucas 12:6,7) O homem pode não te dar valor, você pode não ver valor em você ou na sua vida, mas para Deus você vale muito!

Entregue sua vida a Jesus! Talvez você seja membro de alguma religião, ou até de nenhuma religião. Talvez você tenha sido expulsa da religião pela gravidez e aborto. Talvez você seja ex-crente, ou crente desviada ou afastada, não importa. Tudo isso é religião, coisa de homem! Religião é isso mesmo, é morte certa! Mas Jesus, ao contrário, é vida em abundância! Há um lugar maravilhoso, preparado por Deus, especialmente para você; um lugar de felicidade eterna, onde não haverá mais dor, mais sofrimento, tristeza, angústia, fome; um lugar onde Deus mesmo limpará de seus olhos todas as lágrimas! Toda dor que você experimentou em vida, serão plenamente removidas naquele dia, e nunca mais você voltará a sofrer novamente! Venha para Jesus, hoje mesmo; venha como você estiver! Não importa o que você tenha feito, qual seja a sua vida até hoje, quais sejam os seus pecados, não importa! Não importa se até hoje você viveu no mais profundo abismo de trevas e de maldades, Deus te chama assim mesmo! Venha até Cristo, Ele lhe receberá!

Se você ainda não conhece pessoalmente esse Jesus que estou lhe apresentando e está perguntando como faz para entregar a vida a Jesus, eu lhe digo: É muito simples! diga isso a Ele, de todo o seu coração, com convicção. Não precisa de formalidades com Aquele que lhe conhece e que vê o seu coração. Não precisa também de intermediários, é você com ele. Peça a Ele que lhe perdoe os seus pecados e que venha a partir de hoje ser o Seu Senhor e Salvador, que Ele venha morar em Sua vida. Quero propor-lhe a seguinte oração: Senhor Jesus, reconheço que sou pecador, reconheço que não há nenhuma justiça em minha vida. Reconheço que estou longe de Ti, reconheço que estou condenado sem o Senhor. Eu venho nesta hora confessar os meus pecados ao Senhor [diga quais são, daqueles que você se lembrar], por favor peço que perdoe-me por cada um deles. Eu estou arrependido e preciso de Ti como meu Senhor e Salvador. Sei que o Senhor morreu por meus pecados, assim eu renuncio a minha vida de pecado, de auto-suficiência e de rebelião contra Ti. Senhor Jesus, eu hoje te recebo como meu único e suficiente Salvador e Senhor. Peço-lhe que o Senhor entre na vida, no meu coração e faça morada permanente. Eu me entrego completamente a ti, meu Senhor e Salvador. Em nome de Jesus, amém!

Se você foi membro de alguma igreja e se desviou, ou está afastada, ou foi excluída, ou se excluiu, por algum pecado cometido, o mesmo vale para você, moça! Milhões de mulheres e homens, tanto na sociedade como na igreja, sofrem com a culpa do aborto. Cerca de uma em cada cinco mulheres que fizeram aborto identifica-se como cristã evangélica*, ou seja, a cada ano, 250 mil abortos são realizados em cristãs. Muitos dos pais dessas crianças também estão em nossas igrejas. Talvez você não se considere digna de Jesus. Mas Jesus continua te amando como no princípio, como antes disso tudo acontecer, como antes da sua queda. Para Ele, você vale mais do que seu pecado; Ele morreu justamente para perdoar-lhe os pecados! Sua morte, na cruz, garante o perdão dos pecados anteriormente cometidos, quando você foi iluminada por Deus pela primeira vez, e também aqueles posteriormente cometidos, após ter caído e se desviado do Caminho. Assim está escrito: "Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (I João 1:9; 2:1) A Graça de Deus também está estendida para você! O perdão dos seus pecados, de todos eles por pior que sejam ou que lhe pareçam ser ou mesmo que digam que é, está plenamente disponível para você! "Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri. Dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. Por isso, todo aquele que é santo orará a ti, a tempo de te poder achar; até no transbordar de muitas águas, estas não lhe chegarão." (Salmos 32:5,6) É só se arrepender, de tudo que você pecou contra o Senhor! É só pedir a Ele perdão pelos seus pecados! 

Quero te pedir perdão, Senhor
Quero ter um coração igual ao Teu
Hoje eu me arrependo
Do tempo em que eu não percebi
Que estavas comigo

Quero te pedir perdão, meu Deus
Pelo tempo em que eu não fui somente Teu
Pela glória que eu não vi
Pelas vezes em que eu me escondi
Da Tua presença

Senhor, eu me arrependo, eu me arrependo} 2x

Por cada vez que eu não quis Te obedecer
Por cada oração que eu não quis fazer
Porque eu pequei e não me envergonhei
Por cada vez que eu não Te adorei
Eu me arrependo

Por cada oferta que eu não trouxe ao Teu altar
Por cada ofensor que eu não quis perdoar
Por não ter dado ouvidos quando a Tua voz chamou
Eu me arrependo

Me arrependo, Senhor eu me arrependo
Eu me arrependo Senhor

Foi na cruz, foi na cruz, onde um dia eu vi
Meu pecado castigado em Jesus,
Foi ali pela fé
Que meus olhos abri
E agora me alegro em sua luz

Eu me arrependo Senhor, Eu me arrependo
Por tudo que Te magoou
Por tudo que Te entristeceu
Por ter me afastado da Tua presença Senhor

Por cada vez que eu não quis Te obedecer
Por cada oração que eu não quis fazer
Porque eu pequei e não me envergonhei
Por cada vez que eu não Te adorei
Eu me arrependo,eu me arrependo Senhor

Por cada oferta que eu não trouxe ao Teu altar
Por cada ofensor que eu não quis perdoar
Por não ter dado ouvidos quando a Tua voz chamou
Eu me arrependo

Me arrependo, eu me arrependo Senhor
Eu me arrependo, eu Te peço perdão outra vez
Por tudo aquilo que me afastou de Ti Senhor
Eu me arrependo,eu me arrependo,Senhor eu me arrependo!
Ouve a minha oração, eu me prostro aos teus pés
Eu me arrependo!!!!

 

(clique e ouça: https://www.youtube.com/watch?v=pAPyijhNl50)  



Quero também lhe propor uma oração: Senhor Jesus, eu me arrependo dos meus pecados!  [diga quais são, daqueles que você se lembrar] Me arrependo de ter lhe desobedecido, de ter me afastado de Ti e ido para o mundo outra vez! Senti raiva, senti tristeza, senti desamparo, mas agora estou aqui, na Tua presença, reconhecendo meus pecados e te pedindo que o Senhor me perdoe! Lava minha vida no Teu sangue, Senhor Jesus, purifica-me de todo o pecado! Renova a minha vida, renova a minha fé, renova-me Senhor Jesus com o frescor da Tua paz, do Teu perdão, do Teu amor e da Tua Graça! Em nome de Jesus, amém!

Leitoras(es), saibam que Deus as ama e perdoa! Levantem-se do pó da culpa para serem revestidas com a Graça do bom Jesus! Se desejarem, comentem esse texto, compartilhem para quem estiver precisando e orem por suas vidas e pela minha também! Graça, misericórdia e paz sejam com vocês, em nome de Jesus!

domingo, 5 de agosto de 2018

DEZ PONTOS DOUTRINÁRIOS DO "OUTRO EVANGELHO" PRATICADO PELA IGREJA MODERNA

Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema. (Galátas 1:6-9)

“Outro Evangelho” (v.6):  ἕτερον εὐαγγέλιον (heteron euangelion). O termo grego heteron significa "outro, diferente, alterado (outro de natureza diferente ou contrária ao verdadeiro)". Este "outro evangelho" não é outro, conforme ensina o apóstolo. “O qual não é outro” (v.7; gr. “allos”, “outro [da mesma substância e qualidade do verdadeiro]”): Não existe mais de um Evangelho; só existe um único Evangelho, que foi recebido por Paulo da parte de Cristo como revelação (v.12 – “não recebido nem aprendido de homem algum”) e então pregado por Paulo aos Gálatas (v.11). 


Outro evangelho, que não é outro, mas que foi proposto como tal. Assim, o apóstolo Paulo refere-se ao evangelho anátema (maldito) que estava sendo ensinado e infelizmente vivido pelos crentes da Galácia. Não há outro evangelho, é o que a epístola ensina; não há uma alternativa para o evangelho anunciado por Cristo e pelos apóstolos, ainda que o falso seja anunciado como espiritual e verdadeiro. Não podemos e nem devemos aceitá-lo como equivalente, em origem e propósito: o evangelho de Cristo é de Cristo, e Cristo é de Deus; o outro evangelho é doutrina de demônios, e estes são do inferno, do pai da mentira. O evangelho de Cristo é bênção, qualquer outro evangelho é maldito, bem como para todos que o pregarem e seguirem.  

Assim, precisamos ter muito cuidado com esse outro evangelho. Ele parece com o verdadeiro, misturando verdade com mentira. Nunca houve um tempo de tanta mentira como em nossos dias. Para piorar as coisas, muitas pessoas hoje estão adotando a mentira como modo de vida, como doutrina espiritual, vinda do céu. Penso que parte disso deve-se a preguiça e má-vontade com relação ao estudo da Bíblia e à sua valorização como Palavra de Deus. A bem da verdade, a Bíblia é chamada Palavra de Deus por milhões de cristãos mas na prática espiritual não possui o valor equivalente. A Bíblia não é a única referência de fé (e para a fé) em Deus, estando equiparada (ou até sobrepujada) pela palavra de homens, cujos ensinos não são, via de regra, escrutinados e filtrados pelo ensino bíblico. 

Parênteses: Em países como o Brasil, onde o estudo escolar secular é pouquíssimo valorizado e difundido, onde há várias regiões onde as taxas de analfabetismo são criminosamente elevadíssimas, onde políticas públicas voltadas para o ensino são mal-elaboradas e frequentemente mitigadas pelo desvio de verbas (por corrupção, improbidade e/ou incompetência dos cargos DAS - Direção, Chefia e Assessoramento Superiores - que gerenciam o sistema), onde muitos escolarizados (inclusive graduados e pós-graduados) são analfabetos funcionais, ensinar os crentes a ler e estudar a Bíblia é reconhecidamente um enorme desafio para a Igreja (até porque os próprios pastores não escapam de tal realidade nacional). Esse quadro é agravado pela corrupção de valores ético-espirituais dentro da própria igreja, na adoção de regras de mercado e valores mundanos como parte ou totalidade da práxis religiosa. No entanto, deve ser notado que o problema não é apenas da Igreja brasileira: em todos os países do mundo, a Igreja se vê enfrentado seríssimos problemas para manter uma ética e moral superiores a do mundo, cristãos e pastores, preservando uma genuína espiritualidade baseada em sua totalidade na Bíblia Sagrada. Não aculturar-se (especialmente sob desculpa de modernização e evangelismo), mas praticar a contracultura do Reino de Deus é o que se espera da Igreja cristã na face da Terra. Fecha Parênteses.

Precisamos ter muito cuidado com esse "outro evangelho", porque segui-lo corresponde não seguir o verdadeiro. Lembremos aqui que Deus não é parcial em Seus juízos, não aceita "metades" nem ser, Ele mesmo, "metade" em Igrejas e vidas, nem jamais permitiu "derivações" ou "atualizações" de Seus ensinos e mandamentos. Sua Palavra é eterna, como Ele é eterno: "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão." (Mc 13.31) Seu Evangelho, anunciado por Ele aos homens, é também eterno: "Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo" (Ap 14.6). Há um juízo eterno reservado para aqueles que mudarem a Palavra de Deus: "Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro." (Ap 22.18,19)  

É interessante notar que esse "outro evangelho" tem um corpo doutrinário (corpus doctrinae) bem característico, traduzível na práxis religiosa, facilmente identificável por aqueles que conhecem e estudam a Bíblia. Como disse anteriormente, ele mistura verdades e mentiras, certo e errado. Vejamos dez pontos doutrinários desse "outro evangelho" moderno:
  
1) Deus: No outro evangelho, Deus é, na prática, mais um conceito do que uma pessoa. Se é tido como um ser, é visto como muito distante e frequentemente desinteressado pela vida e/ou mazelas humanas. É quase impossível se relacionar com Ele, porque ou abandonou o homem a sua própria sorte, ou enviou seres inferiores (intercessores) por meio dos quais o homem precisa se relacionar para que seja ouvido e atendido (santos,  espíritos-guias iluminados, líderes humanos - padres, pastores, papa, pais-de-santo, sacerdotes, irmãs de oração, benzedeiras/rezadeiras, videntes, prognosticadores, etc -, divindades inferiores, etc.). Via de regra, Deus precisa de sacrifício (dízimo, oferendas, ofertas, etc.), uma espécie de "pagamento por seus serviços divinos", antes ou depois de abençoar, resumindo a relação "homem-Deus" a uma "troca de favores". 
Focando no desvio da Igreja, Deus é procurado quando precisam dele para alguma coisa. O dízimo é a forma de "comprar" os serviços de Deus ou "pagá-lo" por Seus serviços. E quanto mais difícil for a causa do fiel, mais grana tem que ser dada; o dízimo só já não basta, precisa o trízimo, o quadrízimo, o carro, a casa, a grana do aluguel, etc. (tidas como "sementes de fé"). Quem estabelece o "preço do serviço" é o pastô, o apóstolo ou o profeta; ele é quem sabe quanto fica o "serviço". Os crentes, por sua vez, relacionam-se uns com os outros na mesma base que se relacionam com Deus - meros prestadores de "serviços" (aconselhamentos, orações, socorros, etc.) quando o problema aparece. NINGUÉM, em absoluto, liga se o outro está doente, triste, fraco, desviado, indo para o inferno, em pecado, sofrendo injustiça, sendo acusado falsamente, traído, se separando, casamento destruído, filhos nas drogas, sem comida, sem aluguel, etc. DANE-SE os outros, é a lógica preponderante. Afinal, nada representam. A reunião de todos é a reunião de cada um por si. A Ceia é eu, minha vida, meus interesses, eu, eu e eu. E Deus nunca fará nada contra tudo isso, afinal Ele é amor e não condena ninguém.

2) Cristo: Mestre iluminado, espírito evoluído à máxima potência, profeta, mágico/ilusionista, guru, aprendiz de buda, deus menor, parte divina do Jesus homem, etc.
Focando no desvio da Igreja, Cristo é Salvador mas raramente ou nunca é Senhor; tomam decisões e ações sem sequer consultá-Lo. Quando dá zebra, recorrem a Ele para resolver e desatar o nó.  É Cristo quem garante que Deus nada fará contra o pecado dos crentes, afinal os crentes em Cristo tem licença para pecarem à vontade. Podem mentir, podem fornicar, podem ignorar uns aos outros e a Deus, podem adulterar, podem viver em guerra uns com os outros, podem produzir blasfêmias contra Deus aos borbotões... podem viver dissolutamente, podem trair uns aos outros, podem ensinar e viverem a sandice que quiserem em nome Dele, podem amar o mundo e mundanizarem a igreja à vontade... Cristo paga a conta! A salvação tá garantida! Sua segunda vinda será para arrebatar aqueles que viveram em pecado, que amaram mais as suas próprias vidas, livrando cada pecador inveterado membro de igreja de "virar jantar" do anticristo! 

3) Espírito Santo: força ativa (uma espécie de energia divina).
Focando no desvio da Igreja, Seu nome é usado para justificar todo tipo de coisa, desde "giras cristãs", "pastor ryu", "atos proféticos", unções especiais (unção do tombo; unção da loucura, unção da águia, unção das partes íntimas das mulheres para que os homens não as cobicem,  unção de ousadia, unção de conquista, unção de justificação, etc.), berreiros santos, etc. Dizem, os crentes, que Ele está presente nos cultos, mas nunca foi visto na realidade, pois ninguém se converte e muda de vida, ninguém deixa de ser mundano e carnal, ninguém se arrepende do mal caminho, nunca se faz paz entre os centes, não há reconciliação de um com o outro, apesar de dizerem que Ele está presente! A família de um não se dá com a família do outro, ambas as famílias na igreja, mas o Espírito, dizem está presente! Seu nome é usado para "revelamentos e profetadas", fequentemente envolvendo um conflito dualístico com as forças do mal (os crentes que não concordam com essa heresia). Não é visto, na prática, como uma Pessoa, como Deus, mas como uma espécie de força sobrenatural.

4)  Música & Músicos: Focando no desvio da Igreja, são tidos como "levitas" (descendentes-1?!-da tribo de Levi, um dos filhos de Jacó, patriarca bíblico) modernos. O louvor e a adoração só acontece se (a) estiverem presentes e dispostos a cantar, as músicas que escolheram cantar, (b) tiverem ensaiado previamente, (c) se tiver o líder deles, o "ministro", falando e cantando sandicies na frente da igreja, coordenando uma espécie de aeróbica espiritual. Esse grupo é frequentemente cheio de "não me toques", de muitos melindres pessoais! Nunca cometa o "pecado" de cantar junto com eles - isso, dizem, atrapalha o louvor! Nunca cometa o "pecado" de pedir que cantem músicas que os outros entendam, porque você será tido como "retrógrado" e "empecilho ao louvor"! Insistem em cantar o que querem, mesmo que cantem as maiores heresias, mesmo que totalmente contrário a atmosfera espiritual do culto cristão! E se alguém desse grupo for parente de gente "poderosa" na empres..., ops, igreja, sai de baixo: nem repreender biblicamente o "dito cujo" você poderá! Eles mandam muito, intocáveis! Nem Eliot Ness dá conta dessa turma!   

5) Bíblia: Focando no desvio da Igreja, é um livro de pouca utilidade, uma vez que seus ensinos não são considerados pela Igreja. Serve apenas para justificar, utilizando-se versículos isolados e mal-interpretados, os desvios da liderança e da própria igreja. Ninguém a conhece, nem busca conhecê-la, muito menos ainda vivê-la. Se muito, decoram-se versículos aqui e ali usados como ferramenta de justificativa de erro e de manipulação de auditório. As livrarias possuem dezenas de versões, mas o coração dos crentes não possui uma única sequer. 
Alguns dizem que Deus está amarrado a Bíblia, sendo obrigado a fazerem isso-e-aquilo porque assim interpretaram o texto bíblico. Imagine isso: Deus deu a Bíblia aos homens para que os homens a usem para amarrar Deus! Vale a pena aprender o seguinte princípio: no trato direto com cada homem, Deus age conforme o comportamento humano: "Portanto, diz o SENHOR, Deus de Israel: Na verdade, dissera eu que a tua casa e a casa de teu pai andariam diante de mim perpetuamente; porém, agora, diz o SENHOR: Longe de mim tal coisa, porque aos que me honram, honrarei, porém os que me desprezam serão desmerecidos." (I Sm 2.30)

6) : Focando no desvio da Igreja, fé é "força para alcançar coisas" (nunca um modo de viver, um estilo de vida). Essa fé é imperfeita, precisando de suporte para poder ser exercida - os objetos de fé (sal grosso, vela, retrato, lenço, peça de roupa, etc.). Você demonstra a fé por meio dos "sacrifícios de fé" (já abordados anteriormente), participando fielmente das "campanhas de fé" e seguindo todas as "orientações de fé" do dirigente da campanha. Se ainda assim não der certo, sua você falhou em sua fé; recomece na próxima campanha com um sacrifício ainda maior para provar para Deus que você agora tem fé. 

7) Escatologia: Focando no desvio da Igreja, é "o aqui e agora". Raríssimas vezes, a Igreja fala - ou ensina - sobre o tema, até porque (a) não o conhece e (b) não está nem aí para conhecê-lo.
Aqui, inventaram de um tudo! Juízo investigativo, aniquilamento de ímpios, sono da alma... é cada uma! Ou é a "escatologia das castas": um grupo, que não faz nada para ninguém a não ser criar heresias, morará no céu e outro grupo, que rala de sol a sol para divulgar a heresia criada pelos primeiros, morarão na Terra (pois são "servos inúteis"). 

8) Judaísmo: A judaização do culto cristão é uma das características do outro evangelho. Shofar, talit, quipa, arca da aliança, etc. tornaram-se idumentária e utensílios indispensáveis para o culto. Se entrar um árabe nessa igreja judaizada, como fica??? Há uma ênfase tola e desnecessária nos rituais, utensílios e idumentárias pertencentes ao judaísmo. Até bênção em hebraico inventaram! O nome de Jesus só tem eficácia espiritual - ou pelo menos eficácia aumentada - se for falado em hebraico! 
A Graça, que Paulo tanto fala aos Gálatas, foi verdadeiramente misturada com a Lei e suas interpretações pela Igreja cristã. É fácil identificar muitos elementos (ênfase em modelos de liderança do velho pacto, como a de Moisés, em detrimento do modelo plural do novo testamento; ênfase em obras em detrimento da fé (fazer e não crer); ênfase em maldições; apropriação indevida de promessas destinadas à Israel; ênfase em regras alimentares e em guardar dias específicos; sabatismo; atos proféticos; etc.).

9) Evangelismo: Não deveria se chamar assim em muitos lugares, posto que não se trata da pregação do evangelho. Deveria se chamar "adeptologia", a arte de conquistar novos adeptos.  
O evangelismo, pelo desvio da igreja, é prática em desuso. O foco atual é na conquista para meu ministério, para minha igreja. O meio preferencialmente usado é a TV ou a rádio, ditas dadas por Deus para "ganharem almas" mas constantemente ameaçadas de fechar se os adeptos não contribuírem com grana para pagar o horário. Ou então é feito dentro da Igreja do vizinho, o famoso "pescar no aquário dos outros". 
Missões, uma extensão desse conceito, consiste em se muito doação esporádica, sob muxoxos e queixumes, de roupas velhas e rasgadas e de comida básica. Doam uma vez, para acalmarem suas consciências, e só daqui a 10.000 anos novamente. Por sua vez, o sustento de missionários não é foco da igreja moderna, salvo raríssimas exceções. Quando muito são empolgados com o tema missões, não mobilizados com a prática missionária. 

10) Teologia Pastoral: Focando no desvio da Igreja, é o estudo sobre os "ungidos do Senhor", outra classe de Intocáveis dentro da Igreja. "Não fale mal do ungido", "creia nos ungidos e nos profetas e estarás seguro" e por aí vai. São donos de Igreja, Moisés do Novo Testamento, proprietários de ministérios e de pessoas; podem amaldiçoar vidas que deles discordam, podem mudar doutrinas da Igreja, podem trair outros, podem justificar o injustificável, etc. Podem usar (e abusar) o crente e de sua boa-fé e descartar depois, como lixo. Frequentemente acumulam ao redor de si vários "puxa-sacos" que dizem "amém" para tudo o que falam e fazem ('Amém, mein Führer!') porque tem grande interesse nas benesses que podem conseguir usando esse expediente (cargos em igrejas, convites para pregações, e outros pequenos agrados)! Aliás, esses "ungidos" manipulam pessoas com cargos, seduzindo-os a serem favoráveis às suas idéias com a oferta de cargos ou coagindo-os para não se manifestarem sob ameaças de remover tal pessoa desses cargos. No fundo, tudo não passa de jogo de interesses, puro é simples. 

Querido(a) leitor(a), cuidado com esse falso evangelho que aí está. Isso jamais foi ensinado por Cristo ou pelos apóstolos. Esse falso evangelho aprisiona as vidas que nele insistem em crer, são grilhões demoníacos que aprisionam a alma humana. Quem entra por esse caminho, mesmo que com boa intenção, acabará preso; quando perceber, poderá ser tarde. Hoje tem muita gente arrebentada espiritualmente porque um dia creu nesse falso evangelho e acabou perdendo a fé. Recomendo a leitura do livro "Feridos em Nome de Deus", de Marília de Camargo César, ed. Mundo Cristão, onde a autora traz vários testemunhos sobre pessoas que viveram uma submissão acrítica dos desmandos de uma liderança no mínimo despreparada, sob ensino de uma evangelho meritório de barganha (com Deus e uns com outros) e que tiveram profundas feridas abertas em sua alma. São inúmeras decepções causadas por lideranças prepotentes com seu "outro evangelho"!

Os crentes gálatas haviam passado rapidamente do evangelho verdadeiro para o falso. Sobre isso, comenta Lutero: “Paulo lamenta o fato de que é difícil para a mente manter uma fé sólida e firme. Um homem trabalha por uma década  para conseguir treinar sua pequena igreja [...], e então alguns ignorantes e cruéis covardes vem para derrubar em um minuto o trabalho paciente de anos. [...] Logo depois de sua partida, no entanto, essas igrejas da Galácia foram lançadas em confusão pelos falsos apóstolos”. (Martinho Lutero, Comentário sobre Gálatas)  

E você?

Pense nisso. Graça e paz!