Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A DURA REALIDADE DA CRISE DE FIDELIDADE

O que é fidelidade? Segundo o Dicionário Aurélio, fidelidade é:

1.Qualidade de fiel; lealdade.
2.Constância, firmeza, nas afeições, nos sentimentos; perseverança.
3.Observância rigorosa da verdade; exatidão.

Conforme a Wikipedia, fidelidade é definida como sendo o atributo ou a qualidade de quem ou do que é fiel (do latim fidelis), para significar quem ou o que conserva, mantém ou preserva suas características originais, ou quem ou o que mantém-se fiel à referência.

A palavra grega traduzida por fidelidade é pistis. Fidelidade é tanto uma atitude quanto uma ação demonstrada em relação a Deus e aos outros. Esta palavra grega é também a mesma palavra para “fé” (Mt 23:23; 1Co 13:7, 1Co 13:13). Assim, a fidelidade é primariamente encontrada em Deus, como sendo um dos seus atributos morais, denotando firmeza ou constância em Deus. Deus é fiel. Ele é absolutamente digno de confiança; as suas palavras não falharão. Consequentemente, seu povo pode descansar em suas promessas. Por tratar-se de um atributo comunicável, espera-se encontrar a fidelidade nos crentes em Cristo, ou seja, que especialmente eles sejam fiéis. Paulo, escrevendo aos Gálatas, enumera a fidelidade como um dos aspectos do Fruto do Espírito (Gl 5.22,23). 

Num mundo onde cada vez mais as pessoas buscam, de forma egoísta, satisfazerem apenas suas próprias vontades e caprichos, a fidelidade é uma qualidade de caráter cada vez mais rara e difícil de se encontrar. Vivemos numa época onde cada vez mais os relacionamentos, em todas as suas formas e possibilidades, tornaram-se efêmeros, passageiros:

a) Relacionamento Sentimental: Em todas as suas facetas, a fidelidade quase não existe mais nos relacionamentos sentimentais. Os namoros, quando ainda acontecem, passaram a se constituir, na prática, o início da vida sexual dos jovens e adolescentes. Iniciação sexual que leva a ínumeras consequências, sempre danosas, que vão desde traumas e vícios, até as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), passando pela gravidez indesejada. No caso da gravidez, a infidelidade é tão grande que ou o rapaz ou a moça (ou ambos) dão a mínima para a criança que foi gerada irresponsavelmente.
A infidelidade persiste até mesmo no casamento - quando esse ainda acontece. Sim, porque a sociedade moderna inventou muitas coisas, dentre elas a "união estável". Apesar de judicialmente a união estável corrigir um problema social grave, ela acaba servindo como alternativa humana à Vontade divina para o casal, chamada casamento. Se há amor entre duas pessoas, não há obstáculos ao santo matrimônio, nem mesmo o obstáculo financeiro (as "festas de arromba", frequentemente vistas como obrigatórias no casamento, são outra invencionice humana...).
Porém, o próprio casamento está em crise. Com a facilidade de acesso à pornografia e ao sexo virtual, os casamentos passaram a experimentar profundos ataques à sua saúde e durabilidade. Assim, por exemplo, o marido procura saciar suas carências em salas de chat e websites pornôs, masturbando-se diante de fotos e vídeos; esposas, por sua vez, masturbam-se diante de revistas/sites especializados; em alguns casos, passam até mesmo a se exibirem em webcans - tudo em prol do prazer.  No limite máximo, maridos e esposas abrem mão da realidade em prol da fantasia (parte disso também deve-se à estereotipização machista do corpo feminino - "bundão" e "peitão" - materializado nas "mulheres-frutas de silicone"). O problema é que a fantasia gera a mesma necessidade das drogas: invariavelmente, será preciso cada vez mais. Não é à toa que muitos casais acabam aderindo à "troca de parceiros" (swing, menage, gang bang, sexo grupal, etc), passando a participarem de Festas Liberais em Clubes de Swing. Como se chama isso? Infidelidade!

b) Relacionamento Interpessoal: No mundo, confiar em alguém pode significar ser alvo de falcatruas e pilantragens. Amizade verdadeira é, infelizmente, raríssima; quando duas pessoas se aproximam, há algum interesse em jogo. Ninguém considera o próximo ao buscar união ou ao tomar suas decisões. Não há mais fidelidade! Nem meu cão sharpei é assim: até quando ele me morde, está sendo fiel e sincero!

c) Relacionamento no Âmbito da Igreja: Basta olhar a prática do conceito de "irmão" que percebe-se com facilidade a perda/desvio de significado: em muitos e muitos lugares, o conceito é puramente religioso: trata-se da designação do membro de um confraria ou irmandade. Perdido está o conceito familiar, tão transparente no Novo Testamento; o conceito de "filhos do Mesmo Pai" e "membros da mesma família - a família de Deus" (Ef 2.19). Com a difusão e implantação do eu-vangelho muquira, práticas que evidenciam o amor fraternal, tais como, "orai uns pelos outros", "comunicai com os santos nas suas necessidades", "alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram" - só para mencionar algumas - caíram em desuso. Hoje, cada um vai à Igreja com o interesse único e exclusivo em alcançar sua própria bênção, em obter soluções imeditas para seus próprios males. O outro que está do meu lado? Não sei quem é, não quero saber e tenho raiva de quem sabe... 
Talvez o(a) leitor(a) diga: Mas isso é egoísmo! Onde está a infidelidade? Veja o que diz o Salmista: “Salva-nos, Senhor, pois não existe mais o piedoso; os fiéis desapareceram dentre os filhos dos homens. Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobre” (Salmo 12:1-2). A piedade (compaixão, dó, comiseração) está invariavelmente ligada à fidelidade. Do ponto de vista bíblico, ninguém que seja fiel é sem piedade (ímpio), nem o piedoso é infiel. Note que tanto a fidelidade quanto a bondade são "gomos" do mesmo Fruto do Espírito. Fidelidade, misericórdia e graça sempre caminham juntas!
Hoje, a fidelidade nas igrejas anda em baixa. Pouquíssimos crentes são realmente fiéis às suas denominações, deixando a congregação pelos motivos mais banais. Antigamente, o crente só mudava de igreja em virtude de um problema gravíssimo com ela (adoção de heresias, pecados graves na liderança, etc). No início do movimento pentecostal, sério, muitos irmãos foram obrigados a sair de suas igrejas em virtude do batismo com Espírito Santo, porque não podiam negar a realidade do que haviam experimentado. Assim, por exemplo, foram fundadas denominações sérias, como a Batista Nacional, tendo sua Convenção fundada em 1967 pelo Pr. Enéas Tognini.
Hoje, porém, basta não ter as vontades satisfeitas que os crentes trocam de igreja como quem troca de roupa - hoje metodista, amanhã congregacional, daqui a uma semana batista e assim vai, apresentando como justificativa as desculpas mais esfarrapadas possíveis, tais como  "o meu tempo aqui acabou...". Quando você vai averiguar, estes "irmãos" já passaram, no mínimo, por 05 denominações diferentes (se falar em igrejas são dezenas) e ainda continuam a peregrinar, a "passear pelas igrejas e rodar por elas".  Será que chegaremos num tempo onde as igrejas terão que aderir à onda do eu-vangelho e criarem um "cartão de fidelidade" para os crentes, dando vantagens e benefícios para poder ter pessoas fiéis?

O que é isso? Crise de fidelidade! 

Diante do exposto, vivemos uma crise de fidelidade sem precedentes em nossos dias e a tendência é piorar. Assim, sem sombra, ela é uma virtude a ser buscada e, dependendo do caso, restaurada. Especialmente por aqueles que se dizem filhos do Altíssimo. Ser fiel não é uma opção, é um dever moral que o crente em Cristo deve cumprir em sua vida. De infidelidade, o mundo está cheio; a única alternativa para o mundo é Cristo, que é fiel. Porém, é necessário que também sejamos fiéis enquanto crentes individuais e enquanto Igreja - ao nosso chamado, à nossa vocação, à Palavra, à nossa denominação eclesiástica, à nossa fé.

Segundo a parábola dos talentos, se formos fiéis no pouco, o Senhor nos colocará sobre o muito; porém se formos infiéis no pouco, não teremos nada e acabaremos lançados, como servos inúteis, nas trevas exteriores; onde haverá pranto e ranger de dentes.

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!  

domingo, 23 de janeiro de 2011

PROCURA-SE PARA ADMISSÃO IMEDIATA...

"ADMISSÃO IMEDIATA: homem ou mulher, jovem ou idoso: Procura-se: fiel e temente a Deus, crente genuíno, amante das Escrituras Sagradas - estudo e ensino. Que tenha aptidão para toda boa obra. Que ame a Igreja do Senhor e tenha disposição para trabalhar no que for confiado. Que saiba trabalhar em grupo, lidando com os contradizentes e suas contradições. Pagamento garantido pelo Dono da Seara aos que perseverarem até ao fim."   

Imagine que a admissão de novos obreiros para a Seara do Mestre se desse por meio de anúncios nos jornais. Será que com o anúncio acima haveriam filas na porta da Igreja para o processo seletivo? Quantos candidatos apareceriam? 100 candidatos? 50? Quantos preencheriam os requisitos acima? Quantos concordariam em receber apenas ao final da Obra?

De fato, a coisa mais difícil para realizar a Obra de Deus é conseguir a ajuda de pessoas compromissadas e tementes a Deus, que não sejam "traíras" disfarçados ou que não desistam ao sinal do menor problema/dificuldade. Infelizmente, muitos "obreiros" em nossas igrejas são comissionados segundo a ordem de Judas Iscariotes: só pensam naquilo que poderão usufruir da Obra - dinheiro e posição/título. Gente que anseia ser alguma coisa (na prática: ter um título) só para poder dominar o rebanho. Enquanto não conseguem o bendito título, sem comportam como os mais humildes e prestativos obreiros à disposição; depois, haja graça para lidar com eles!

O outro grupo consiste naqueles aos quais chamo de "obreiros ninja". Quando você precisa deles, eles somem na fumaça. Qualquer menor sinal de dor ou indisposição torna-se fonte de desculpas, fazendo com que o problema seja digno do Dr. House. Onde está fulano? Ah, fulano não vem hoje; está com crise de fluxo naso-sinusial de polissacarídeos acentuado - desculpa mirabolante; na verdade, fulano ficou em casa porque está com nariz escorrendo. Onde está a diaconisa Sicrana? Xiii pastor, tá com um fluxo que só o senhor vendo...nem tocando nas orlas das vestes do Senhor resolve!  



Outra classe de desculpas muito boas são as espirituais. Onde está a obreira beltrana? Beltrana teve um sonho a noite e ao acordar ficou em transe profético ligada no sinhô... sabe naum pastô, ela dava até choque... quando saiu da ligação com Jeolá, entregô a mensagem decodificada segundo os princípios proféticos-espirituais de Dan Brown: foi mandada por Gizuz visitar, por 4 meses, a igreja de Gizuz do santo reteté...mas ela continua firme conosco...


É também muito comum o costume de alguns obreiros de só fazer a Obra se o pastor estiver junto. Se ele não comparecer, nada acontece. Não importa se o pastor está cansado, doente, ou mesmo de férias (será que pastor também pode ter férias?!?), ele tem que estar presente no evangelismo, na oração das mulheres, no culto infantil, na consagração da juventude, no ensaio do louvor, na pintura da igreja... Isso não é mais um pastor, é o "Multi-pastor", super-herói que se depois de um "grito de guerra" - "vamos nós!" - se multiplica em várias cópias. Só mesmo fazendo parte dos Impossíveis para conseguir estar presente em tudo! Interessante é que esses mesmos ditos obreiros tiram férias pelo tempo que querem e bem entendem...Ah, justiça de fariseu!

Certa ocasião, o Senhor disse: "Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara." (Lc 10.2) Note que a palavra usada por Jesus é rogar, isto é, "pedir com insistência", "suplicar", "implorar", não simplesmente orar. Porque será...?!? Óh Senhor, manda obreiros e obreiras para Tua Seara! A escassez de mão-de-obra "qualificada" está em falta...

Para aqueles que gostam de viver assim, desleixados diante do Senhor, quero lembrar-lhes o que diz a Bíblia: “Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente" (Jr 48.10). Se formos negligentes, desonestos ou preguiçosos no nosso serviço a Deus, seremos condenados por Ele. Ao contrário disso, vamos trabalhar! Tem bastante espaço e muito trabalho a ser feito; não dá mais para perder tempo com melindres e criancices, pois a hora de entregar o trabalho pronto já está muito próxima! Já dizia o antigo e muito cantado hino, da Harpa Cristã:


Trabalhai e orai.
Na seara e na vinha do Senhor;
Meu desejo é orar,
E ocupado quero estar
Sim, na vinha do Senhor.






Conforme o ensino do apóstolo Paulo, no tribunal (bema) de Cristo haveremos de ser recompensados pelo Senhor ou por Ele punidos - e isso diante de toda a Igreja Gloriosa: "A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento." (I Co 3.13-15a) O que você, dito obreiro cristão, prefere? Recompensa ou vergonha?

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

OS POLÍTICOS, AS IGREJAS DA PROSPERIDADE E A TRAGÉDIA NA REGIÃO SERRANA DO RJ

O número de mortos em decorrência das fortes chuvas que atingiram a Região Serrana do Rio chegou a 511 nesta sexta-feira. De acordo com informações da Defesa Civil, 228 óbitos foram registrados em Teresópolis, 225 em Nova Friburgo, 39 em Petrópolis e outros 19 no município de Sumidouro.


(FONTE: Jornal O Dia, 14/01/2011)

Veja o Vídeo:



===================================
MEUS COMENTÁRIOS:
===================================

Em primeiro lugar, repudio completamente a afirmação de que a culpa por esta tragédia pertence ao clima, ou às mudanças climáticas. Como cientista, reconheço que o fenômeno tem o seu papel, no alto volume de chuvas. Ainda que é preciso comentar que já há algum tempo, a cada verão, o episódio se repete. Alto volume de chuvas, e muitas mortes. Haja vista a tragédia no Morro do Bumba, em Niterói/RJ e muitas outras.

Se há algum culpado aqui - e de fato há - não é o clima ou o meio ambiente. É o homem, o político inepto, que faz vista grossa para a ocupação irregular das encostas dos morros, que permite que milhares de pessoas se abriguem em barracos quando há dezenas de anos atrás poderia ter construído moradias para estas pobres pessoas. Agora, por favor, sr. político - seja vereador, seja deputado, seja governador, seja qualquer coisa - não apareça com a cara mais deslavada na TV e culpe ou ao clima ou às pessoas que estão sofrendo. Você mora em áreas nobres por que pode, por causa dos altíssimos salários (e outros "ganhos" que todo brasileiro sabe a fonte); eles sobrevivem em pseudo-moradias, porque ganham uma miséria de salário e "bolsas-esmolas" e ainda por cima tem que sustentar as mordomias e caprichos de vocês, políticos - cariocas e federais.

Agora que a tragédia aconteceu - a crônica da tragédia anunciada - vocês, políticos, façam como sempre fazem: usem de demagogia. Prometam vultosas liberações de recursos para a reconstrução das cidades destruídas por sua ineficiência, inefetividade e ineficácia enquanto governo. Prometam "mundos e fundos"; afinal, isso contará como votos nas próximas eleições, não é mesmo? Apareçam na TV fazendo "carão" de consternação, de "sensibilidade com o sofrimento alheio". Sugiro a vocês que quando aparecerem na TV levem um lenço, para limpar as lágrimas da falsidade, da hipocrisia, do descaso que rolarão por suas lindas e perfeitas faces. Ah sim, não se esqueçam de colocar um outdoor nas cidades afetadas: "Aqui, mais uma obra do governo. Brasil, um país de todos".

Agora, porém, deixe-me tratar, como Pastor Evangélico e Ministro da Palavra de Deus, com outra gente, gente muito popular, gente cheia de soluções mirabolantes, que fariam Burt Ward exclamar: "Santa Solução, Batman!" Sim, isso mesmo: são os pregadore$ da teologia da bufunfa, da teologia da prosperidade; "ungidos poderosos do sinhô" que conforme a crendice popular "determinam e tudo acontece"; valentes que "põem o inferno em retirada" e, como Samuel, "nenhuma palavra deles cai por terra" (só por água à baixo, desculpe-me os leitores o trocadilho). Cadê vocês, óh sacrossantos mestres da bufunfa, que sendo dotados de todo o conhecimento (sim, porque assim vocês se comportam diante das pessoas) não "oraram para o céu fechar" como fez Elias? Afinal, isso deve ser bem simples para vocês, não é verdade? Não são vocês "íntimos" do Senhor, como vocês mesmo dizem?

Eu sou só um simples pastor, um "idiota que não prega a teologia da prosperidade e que deveria abdicar do pastorado", mas e vocês, "apóstolos & ungidos", "ultima bolacha do pacote": vocês não são sábios, eruditos, espirituais e ungidos? Eu dependo de Deus, sou apenas um mero servo; mas com vocês não é diferente? Vocês não dizem que Deus está amarrado ao que Ele falou? Não são tão poderosos ao ponto de um suor de vocês curar pessoas? E onde está a prosperidade que vocês prometem? Ah sim, vai ver que naquelas cidades não havia nenhuma só pessoa que fosse "justa" aos padrões econômico-espirituais de vocês... Sim, porque segundo a Bíblia, "antigo livro utilizado por cristãos sem revelação", diz que Abraão orou ao Senhor e perguntou-lhe se Ele detruiria toda uma cidade se nela fossem encontradas pessoas justas. Será que não haviam 10 almas? Ou pelo menos uma, pelos menos um único Ló?

Outra coisa: vocês estão vendo o que aconteceu naquelas cidades, não estão? Então, façam um favor ao Reino de Deus, pelo menos um: peguem parte - PARTE - da fortuna que vocês estão ajuntando na terra e ajudem àquelas pessoas. Vocês tem muito, o deus Mamom tem abastecido vocês. Pelo menos uma única vez na vida, leiam todo o texto de Malaquias 3 que vocês tanto gostam de citar para arrecadar dinheiro das pessoas e apliquem-no a vocês mesmos: "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, PARA QUE HAJA MANTIMENTO NA MINHA CASA". Façam com que a Casa de Deus - e Malaquias não cita placa denominacional, nem debate se é pentecostal ou tradicional - tenha mantimento, para dar de comer, para sustentar, para ajudar aqueles que precisam! Apenas por um momento, pelo menos uma única vez na vida de vocês, honrem ao Deus da Bíblia e façam com que Ele seja glorificado entre os homens.

Abram as janelas dos céus, para que a riqueza de vocês seja repartida com aqueles que nada tem, que tudo perderam... depois, vocês conseguem mais, com certeza! Vocês não deixarão de comer caviar por isso, nem de beber o melhor vinho; mas, aquela gente poderá comer um pedaço de pão e beber um copo d´água fria. Vocês não deixarão de ostentarem os melhores ternos, anéis, jóias e relógios; mas eles poderão deitar a cabeça sobre algo mais macio do que o chão de uma quadra de esportes, poderão vestir algo mais quente do que alguns farrapos. Seus palác...ops, quero dizer, "humildes casas" continuarão de pé, sólidas e quentes; já eles terão condições de reconstruir a vida em outra lugar (muito provavelmente noutra área de risco). Determinem a prosperidade sobre aquelas vidas na prática e, sem pedir coisa alguma em troca - porque vocês, apóstolos e mestres da riqueza não precisam disso - abençoem materialmente aquelas vidas.

Por favor, continuem a se auto-atribuírem os títulos pomposos que vocês possuem e esqueçam, eu imploro, esse pobre e humilde título de pastor. Deixem esse título (que na verdade é um ofício) para pessoas "idiotas" como eu, que pensam ainda no Reino de Deus, na Igreja, em ovelhas.
 
Sinceramente, esse ensino de vocês me causa nojo. Tenho ódio de toda a teologia da prosperidade, que só faz aumentar a opulência de uns e a miséria de outros. Vocês, que percorrem o mundo inteiro para fazer um discípulo, e o tornam duas vezes filho do inferno pior que vocês, são objeto de blasfêmia ao Nome e ao Evangelho do Senhor. Jamais ensinarei a apostasia de vocês! Sigam com seu erro, aproveitem bem os seus frutos, porque, ao final de suas vidas, vocês irão gozar do seu terrível destino eterno. Sim, vocês que invocaram tanto o Nome do Senhor, ver-se-ão perdidos no inferno para sempre!
 
Sobre vocês - pastores da bufunfa e políticos ineptos - pesa o mesmo destino retrato por Dante Alighieri, em sua obra "Divina Comédia", quando Virgílio conduz seu discípulo Dante ao quarto círculo do inferno a ver a pena dos pródigos e dos avarentos, que são condenados a rolar com os peitos grandes pesos e trocarem-se injúrias - em seu conteúdo, clérigos:
 
“Os que então de cabelos despojados
Clérigos, papas, cardeais hão sido,
Pela nímia avareza subjugados”.
 
“Vês quanto é de vaidade iludida
A ambição, em que os homens a porfiam,
Da Fortuna anelando os bens na vida.
 
“Todo o ouro, que as entranhas conteriam
Da terra, não pudera dar repouso
A um dos que em fadiga se cruciam”.
 
Vocês que se acham ricos e cheios de graça, como vocês dizem: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; o Senhor Jesus aconselha-te que dele compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Ele, o Senhor, repreende e castiga a todos quantos ama; sê pois zeloso, e arrepende-te.  
 
Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

A VERDADEIRA TEOLOGIA POR DETRÁS DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

Conforme notícias veiculadas pelo site "Gospel+" (http://noticias.gospelmais.com.br/silas-malafaia-pastores-teologia-prosperidade-idiotas-deveriam-perder-credencial.html) e pelo site "Vigiai" (http://vigiai.net/news.php?readmore=6950), em entrevista a Revista Igreja de novembro de 2010 o pastor Silas Malafaia, da Igreja e programa de TV Vitória em Cristo, chamou os pastores que não pregam a teologia de prosperidade de Idiotas que deveriam perder a credencial e voltar a ser membro para aprender as Escrituras.

=======================================
MEUS COMENTÁRIOS:
=======================================

Já publiquei neste blog uma série de argumentações onde exponho a falsidade e a mentira por detrás da "teologia da propsperidade". Os queridos e amados leitores poderão acessar as matérias:

1.  Sola Scriptura? Tempos de Oséias...(http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2009/10/sola-scriptura-tempos-de-oseias.html)

2. COMPRANDO GATO POR LEBRE (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/04/comprando-gato-por-lebre.html)

3. O VALE-TUDO NA ARRECADAÇÃO DE DINHEIRO DOS CRENTES (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/04/o-vale-tudo-na-arrecadacao-de-dinheiro.html)

4. TEOLOGIA DA PRO$PERIDADE: ENRIQUECIMENTO DOS PREGADORE$, EMPOBRECIMENTO DOS FIÉIS (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/04/teologia-da-properidade-enriquecimento.html)

5. A INSUSTENTÁVEL EXPLORAÇÃO ECONÔMICA DO TRÍZIMO (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/05/insustentavel-exploracao-economica-do.html)

6. RIQUEZA FINANCEIRA É O MESMO QUE BÊNÇÃO DIVINA? PARTE 1 (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/06/riqueza-financeira-e-o-mesmo-que-bencao.html)

7. RIQUEZA FINANCEIRA É O MESMO QUE BÊNÇÃO DIVINA? PARTE 2 (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/06/riqueza-financeira-e-o-mesmo-que-bencao_23.html)

8. DESQUALIFICANDO PESSOAS: A ANTI-DIALÉTICA DOS SERVOS DE MAMOM (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/06/desqualificando-pessoas-anti-dialetica.html)

9. QUAL É O TEU TESOURO E ONDE ELE ESTÁ? (http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com/2010/10/qual-e-o-teu-tesouro-e-onde-ele-esta.html)



Mais uma vez, a anti-dialética é usada pelos servos de Mamom. Desta vez, o termo pejorativo utilizado é "idiota", palavra que segundo o dicionário Aurélio significa "pouco inteligente; estúpido, ignorante, imbecil". Segundo o servo (gr. doulos, "escravo") de Mamom, os pastores que não pregam a mentira do inferno chamada "teologia da prosperidade" seriam idiotas e deveriam abdicar do pastorado. Lamentável; porém, ao mesmo tempo, revelador. Sim, esta adjetivação do diabo revela muito acerca da "teologia" que há por detrás de seu ensino. Entenda-se por teologia, nesta argumentação, "o estudo das questões referentes ao conhecimento da divindade, de seus atributos e relações com o mundo e com os homens, e à verdade religiosa."
 
Assim, o ensino e pregação da teologia da prosperidade é uma ótima oportunidade para se abordar os atributos de Mamom e as relações dele com o mundo e com os homens, e à verdade religiosa que há por detrás deste sistema de ensino.
 
Quais são os atributos de Mamom, a partir da análise de sua teologia? Vamos classificá-los, para ajudar, em atributos comunicáveis e atributos incomunicáveis, uma metodologia utilizada na teologia bíblica. Os atributos comunicáveis são também conhecidos como atributos morais; são aqueles em que são encontradas semelhanças ou analogias na criatura, especialmente no ser humano (estes atributos podem ser comunicados à criatura). Já os atributos incomunicáveis são aqueles ligados a essência da divindade; que enfatizam a distinção absoluta entre "deus" e a criatura (não podem ser comunicados à criatura). 
 
a) Atributos comunicáveis de Mamom: Mamom é um "deus":
- Egoísta: só pensa em si mesmo, sem jamais considerar o interesse dos seus seguidores. O único motivo de prometer-lhes riqueza é impedir que conheçam e sirvam ao Único e Verdadeiro Deus e a Jesus Cristo, Nosso Senhor e Salvador.
- Maligno: ele jamais considera clamores de misericórdia. O sofrimento dos seus seguidores o torna ainda mais feliz consigo mesmo. Mamom é insensível no limite máximo.
- Sedutor: ele é capaz de seduzir pessoas com falsas promessas para que se tornem seus seguidores. Suas promessas são sempre apresentadas como o "mais fácil e o mais simples que pode existir para alcançar o sucesso". Sua eloquência é capaz de cativar o mais erudito dos homens, apresentando-lhes uma caminho "lógico" e "fácil" para enriquecerem, aprisionando-lhes a alma a partir de suas carteiras. Se preciso, ele "faz milagres" de prosperidade para validar seus ensinos - via de regra, num de seus "enviados", num de seus ministros.
- Mentiroso: suas falsas promessas de prosperidade possuem sempre uma justificativa engenhosa para o insucesso: ou é por falta de fé, ou é porque precisa dar cada vez mais, ou é porque precisa participar da campanha XYZ... Ele distorce a Bíblia, com interpretações isoladas, fazendo com que o Único e Verdadeiro Deus seja responsabilizado, aos olhos dos homens, pelo resultado de tal teologia. Além disso, a Bíblia serve também para "validar" seu ensino.  
 
Note que todos estes atributos podem também serem comunicados aos homens. Assim, tanto os pregadores quanto os adeptos tornam-se cada vez mais insensíveis às necessidades dos homens.
 
Os pregadores passam a viver como nababos, ricos - isso os mantêm "firmes" no "caminho" (além de servir como um "atrativo poderoso" para outros tornarem-se também "pregadores da prosperidade"): possuem os melhores carros, moram nos melhores lugares, nas melhores e mais confortáveis residências - equipadas com tudo o que há de melhor. Comem do bom e do melhor, nos melhores restaurantes. Como o dinheiro "jorra" no "ministério", compram jatinhos particulares. Alguns moram até no exterior. Eles são muito famosos; estão sempre na TV (em horário nobre) e todos, invariavelmente, tem acesso aos altos escalões da política. Suas "igreja$" estão sempre "lotadas", seus "produtos" (livros, DVDs e CDS) são os mais consumidos. Porém, mesmo diante de tanta fortuna e opulência, são os mais insensíveis dos homens. Não dão nada a ninguém, por mais necessitado que alguém esteja, despedindo todos os necessitados de mãos vazias. 
 
Certa feita recebi na igreja a visita de uma "discípula" da prosperidade, vinda de uma dessas "igreja$". Na hora da apresentação dos visitantes, ela fez questão de dizer, a alto e bom som: "sou da igreja $$$, da pastora-cantora XYZ" (vou preservar os nomes). Ao final do culto, quando postado na porta do templo me preparava para cumprimentar os visitantes, fui chamado para conversar com ela. Ao sentar em sua frente, ela debulhou-se em lágrimas porque estava a mais de 8 anos sofrendo com possessão e opressão demoníaca. Ela frequentou por 8 anos aquela igreja, participou de células, deu ofertas, etc. e simplesmente continuava cativa espiritualmente! Disse que começaram o processo de libertação lá de onde ela era, mas que não havia surtido efeito até o momento. Quando ministrei sobre ela a libertação, o demônio que a prendera todo esse tempo se manifestou e, para a Glória do Senhor, foi devidamente expulso em nome de Jesus!  
 
Note a insensibilidade da antiga pastora-cantora (ou será apenas cantora?): aquela "filha de Abraão" sofria a 8 anos e a "pastora" foi incapaz de libertá-la. Insensível! Sequer falava com ela! Eu pergunto: o que adianta tanta pompa, tanta fama, tanta riqueza, se a riqueza para com Deus é pouca ou nenhuma? Que adianta a uma pessoa neste estado esse lixo chamado "teologia da prosperidade"? Por acaso ela será liberta pelos reais, ou dólares, ou euros? Ou será que tal ensino servirá para mantê-la firme na fé na hora soturna? Isso é maligno! Obviamente, o egoísmo, a mentira e a sedução estão também envolvidos. 
 
b) Atributos incomunicáveis de MamomNo caso de Mamom (e de falsos deuses), não há, propositalmente, atributos incomunicáveis. A idéia desta "divindade" é que seus adoradores se tornem cada vez mais semelhantes a ela, e isso acontece na comunicação dos atributos. Note que em todas as falsas divindades, a intenção é a mesma: tornar semelhantes a eles todos os que neles confiam (Sl 115.4-8). Veja, por exemplo, uma pessoa amante do dinheiro (e, portanto, serva de Mamom): ela é tão egoísta e insensível quanto o seu "deus". A maior parte de sua vida é gasta para ajuntar mais e mais tesouros no mundo e "aí" de quem ameaçar sua riqueza!
 
Deste modo, a relação de Mamom com os homens é de escravidão. Seu propósito é matar, roubar e destruir, exatamente como seu mestre. Sendo originário no inferno, reino do pai da mentira, é extremamente falso e maligno, levando os homens a servi-lo em prol de riquezas, afastando-os assim do Único e Verdadeiro Deus. 
 
Diante de tudo o que foi dito, a verdade religiosa que há por detrás da teologia da prosperidade é uma teologia herética, um falso ensino, uma mentira deslavada. Nas palavras de Kissinger, é uma justificativa ideológica para um fato político e econômico: a dominação da raça humana, a escravidão à dívida pela exaustão de recursos, doados a instituição bancár...ops... religiosa, a prisão espiritual, a manutenção do status quo de ignorância da Verdade (pois, se conhecerem a Verdade, serão por Ela libertos). 
 
Os pregadores da teologia da prosperidade são ignorantes das Escrituras. Os que assim procedem, devem não só entregar a credencial de pastor, mas rasgar o diploma teológico (se um dia obtiveram algum). Que abdiquem do pastorado; afinal, não são pastores, mas salteadores transvestidos de pastor. São mercenários, não pastores, de quem não são as ovelhas e delas não têm o menor cuidado. A todos eles aplica-se a letra e o Espírito da epístola de Judas:
 
Estes, porém, dizem mal do que não sabem; e, naquilo que naturalmente conhecem, como animais irracionais se corrompem. Ai deles! porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré. Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos de uma para outra parte; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas; ondas impetuosas do mar, que escumam as suas mesmas abominações; estrelas errantes, para os quais está eternamente reservada a negrura das trevas. (Jd 10-13)


Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

E EU VOS DECLARO...UMA SÓ CARNE!

"E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem." (Marcos 10:8,9)

Engana-se quem pensa que o casamento é um mero contrato social. Segundo a Bíblia, Deus criou o casamento, heterossexual e monogâmico. O casamento criado por Deus tem seu lado físico e o seu lado espiritual, e ambos devem ser considerados por aqueles que desejam se casar, quanto por aqueles que estão casados. Deus criou o casamento para ser uma bênção, tanto para o homem quanto para a mulher, então porque o casamento tornou-se caótico, tal como se vê em nossos dias? A melhor definição é aquela dada por Jesus: por causa da dureza dos corações.

O que é um coração duro? É um coração insensível, incapaz de se compadecer diante das necessidades alheias. Segundo a Bíblia, em alguns casos a dureza do coração pode ser tal que se assemelhe a dureza do diamante, o mais duro material de ocorrência natural que se conhece. Por sua dureza, o diamante pode ser utilizado para riscar, marcar, ou cortar qualquer outra substância, dura ou não. A dureza do diamante é derivada da sua estrutura altamente compacta, de ligações químicas covalentes poderosas entre os átomos de carbono. Corações de diamante!

Porque o coração de torna duro como o diamante? Justamente por causa do que há nele: uma estrutura altamente compacta, com ligações poderosas entre seus "elementos" - a arrogância, a altivez, o orgulho, o egocentrismo. Quando estes elementos são "fortalecidos" e "mantidos", acabam por gerar a dureza. É importante ressaltar que quanto mais "ligações" são feitas, mais "forte" elas serão e, portanto, mais duro será o coração. Deste modo, o coração vai endurecendo dia-a-dia. Tudo tem um começo, um princípio.

No princípio... o coração não é tão duro; na verdade, a dureza é muito pequena. Afinal, homem e mulher se unem em casamento, amando um ao outro. Tudo o que desejam é, em essência, viverem unidos, compartilhando projetos, alvos, sonhos, ideais. Um pensa no outro, pondo-o em primeiro lugar, sempre. O desejo da esposa é satisfazer o seu marido em tudo, enquanto o desejo do marido é para com sua esposa; nela pensa dia e noite. Como diz Cantares: "Tu és toda formosa, meu amor, e em ti não há mancha. Que belos são os teus amores, minha irmã, esposa minha! Quanto melhor é o teu amor do que o vinho! E o aroma dos teus ungüentos do que o de todas as especiarias! Favos de mel manam dos teus lábios, minha esposa! Mel e leite estão debaixo da tua língua, e o cheiro dos teus vestidos é como o cheiro do Líbano." (Ct 4.7,10,11) "Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que, se achardes o meu amado, lhe digais que estou enferma de amor. A sua boca é muitíssimo suave, sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, e tal o meu amigo, ó filhas de Jerusalém." (Ct 5.8,16).

Porém, o tempo passa. Se no início tudo vai bem, com o tempo surge o desgaste. Por que? É simples: com o tempo, o casal se acostuma com a relação. A intimidade cresce (o que é bom) e, infelizmente, devido a nossa natureza, diminui a consideração pelo outro. Se antes o marido considerava as necessidades da esposa como prioridade, agora cada vez mais esta consideração diminui. Se antes a esposa ponderava compreensivamente as necessidades do marido, agora cada vez mais ela as ignora. Paulatinamente, o "eu", com seu "imediatismo" cresce dentro do coração, insensibilizando-o cada vez mais.

Engana-se, contudo, quem pensa que insensibilidade tem um único lado, o do desprezo. Há também outro lado: a sufocação. Como diria a Juju (personagem da humorista Adriana Nunes) em seu bordão no programa "Zorra Total": "Ô Jajá, meu filho, assim você me sufoca!" E não tem "dancinha" que dê jeito, rsrsrs.  A sufocação pode ser tão ruim quanto ser ignorado. O "grude" não é prova de amor, mas pode ser um sinal de que o relacionamento não está tão maduro quanto deveria, ou que o amor está doente. No casamento, há um espaço comum a ser compartilhado; porém, há também um espaço individual, a ser respeitado. Quando há filhos, há também o espaço deles.

O casal precisa aprender a respeitar os espaços - individuais e coletivo - se deseja evitar o desgate do relacionamento matrimonial. Há momentos em que tanto o esposo quanto a esposa precisam de tempo para si. Isso não é egoísmo, se for dosado com sabedoria e se há tempo também para o casal. Por exemplo, há esposos que cultivam o hábito de assistirem filmes em suas horas de lazer. Via de regra, os filmes que agradam o homem não agradam as mulheres, e vice-versa. Outros preferem pescar, outros jogar futebol. Há alguns que gostam de jogos eletrônicos (jogos de computador). Outros preferem ler um bom livro. Há uma infinidade de hobbies que os esposos podem (e devem) praticar regularmente; são "válvulas de alívio" das pressões sofridas com trabalho, contas a pagar, etc. Se a esposa for sábia, não ficará "bicuda" e nem apelará para as famosas "chantagens" quando seu esposo estiver em seu momento de lazer. 

Aliás, a hora de lazer do esposo é um excelente momento para o lazer da esposa. Ela pode até ter a mesma preferência de hobby do seu esposo (o que não significa que necessariamente precisa ser assim; tampouco que em sendo deste modo o lazer só seja possível em conjunto). Às esposas, escrevo: nem só do trabalho do lar viverá a esposa, mas de lazer também! E se o esposo for sábio, não fará "beicinho" e nem chantagens quando sua esposa estiver se distraíndo; tampouco ficará "pedindo tudo na mão" só para perturbá-la. 

Obviamente, a dureza do coração produz a separação do casal. Assim como o endurecimento, a separação também é um processo. A cada momento, sobre a influência ou do desprezo, ou da sufocação, cada parte se "separa" uma da outra. De início, esta separação é emocional. A convivência torna-se cada vez menos amigável: a tolerância é cada vez menor e começam a surgir as palavras rudes e os gestos brutos; de início de forma tímida, velada; posteriormente de forma mais direta. O casal se entende cada vez menos, ameaçando a continuidade do casamento. Se não houver uma interrupção no processo, o casamento acabará em divórcio (às vezes, até em crime passional).

Alguns ditos "pastores" recomendam, nestes casos, soluções milagrosas, como "construir pontes para reatar o relacionamento". O problema é que eles esquecem de dizer que a ponte que um dia uniu o casal já ruiu e que, para construir outra, é primeiro necessário remover os escombros da primeira. Já dizia o Senhor: não se coloca remendo de pano novo em pano velho, nem vinho novo em odres velhos. Reconstruir um relacionamento é uma tarefa árdua e que nem sempre conta com sucesso garantido. Isso porque tal tarefa não depende de um, mas dos dois e, quando o relacionamento alcança este estágio, cumpre-se o que diz Salomão: "O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como os ferrolhos de um palácio" (Pv 18.19).  

Assim, o melhor a fazer é evitar que o casamento se deteriore. Aprenda a seguinte lição: o que mantém o casamento é o relacionamento, nunca o inverso. O casamento, por si só, não segura ninguém; tampouco sexo ou filhos são capazes de fazê-lo. O que faz o casamento perdurar é o relacionamento de um com o outro.  Não adianta nada minar o relacionamento com sandices diárias e depois jogar a responsabilidade nas mãos de Deus, da Igreja ou do pastor. Só você pode impedir a continuidade do desgaste e eu sugiro que você o faça imediatamente, antes que não haja mais volta - o que Deus ajuntou, não separe o homem

Deus, ao estabelecer o casamento, criou todos os vínculos físicos, emocionais e espirituais necessários para mantê-lo e cabe a nós, seres humanos, cultivar e fortalecer estes vínculos.  O casal precisa ser, de fato e de direito, uma só carne em todas as áreas! Para que isso aconteça, a carne do marido precisa se conformar à carne da esposa e vice-versa. Não há como "encaixar uma esfera num cubo" e a quadratura do círculo redundou num número inexato, infinito (o famoso "pi", com 200 milhões de casas decimais já calculadas). Assim, cada um deve aprender a ser tolerante com as fraquezas, caprichos e hobbies do outro, de forma a "aceitar diferenças" e adaptar-se a elas. Ser uma só carne é a solução de muitos males!

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!