Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

DEIXEI O MEU MINISTÉRIO



Amados leitores e seguidores do blog "Ad Argumentandum Tantum", segue abaixo a publicação do artigo intitulado "DEIXEI O MEU MINISTÉRIO", elaborado pelo Pr. Wagner Antonio de Araújo, da Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil. Publicado aqui sob autorização do autor.

Trata-se de um artigo muito interessante e atual, sendo muito útil para edificação da nossa fé em Cristo. Eu sou testemunha ocular de que infelizmente há muita gente que age conforme o artigo relata. Em nosso ministério já sofremos muito com esse tipo de coisa: você acolhe a pessoa, geralmente cheia de problemas e dramas; cuida dela, aconselha, visita, ora, ensina, ama, suporta;  treina, dá seminário a custo irrisório; reconhece o dom da pessoa e coloca-a em posição de liderança ou de destaque. Daqui mais um pouco, a pessoa "surta" e rompe com você, abandonando-o e a Igreja e vai para outro lugar. Ainda diz para você sem o menor temor: "Há um monte de Igrejas boas, não é só essa aqui não!" Para um pastor, é uma verdadeira punhalada quando isso acontece, quando apesar das "juras de amor e fidelidade", o crente(?) age como se você, a Igreja e, pior, Deus não significassem coisa alguma.

Tenho amigos pastores que têm relato semelhante ou até pior do que o meu. Colegas que abriram até suas casas, que acolheram essas pessoas em suas residências e que quando menos esperaram foram traídas, "esfaqueadas pelas costas", pelas mesmas.. Sem medo nenhum de errar, afirmo que essas pessoas não tem a menor noção do que é ser cristão, do que é Bíblia ou do que é Igreja; não conhecem a Deus, ainda que o professem com seus lábios. São fariseus modernos, hipócritas, que fingem na sua frente amá-lo mas por detrás, no íntimo do coração, não lhe suporta! Como diz Paulo a Timóteo, são "amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela" (II Tm 3.2-5). Homens dos últimos dias! (veja o artigo: "O CARÁTER DOS HOMENS EM DIAS TRABALHOSOS", em http://www.apenas-para-argumentar.blogspot.com.br/2010/08/o-carater-dos-homens-em-dias.html)

Assim, leiam o artigo e meditem no mesmo. Desejando comentar, fiquem à vontade para fazê-lo.

Boa leitura!

Pr. Ricardo Kropf.

====================================================================

- "Por que você saiu?"
- "Porque Deus mandou!"

Essa frase é corrosiva para o meu coração. Em nome de Deus obreiros de várias ramificações nas igrejas ou crentes de várias congregações tomam decisões absurdas, impensadas, puramente emocionais, e, depois, colocam a fatura para Deus pagar:

- "Não pensei que iria ser assim!"
- "Deus está mostrando que o meu tempo aqui terminou!"
- "Oh, Deus, por que fizeste isso comigo?"

Carlos era membro da igreja. Sua participação era muito importante. A igreja era pequena mas muito unida. Cada pessoa era importante, cada oferta necessária. Havia espaço para trabalhar nos dons que Deus lhe concedera. Tinha esposa e 3 filhos. Um dia a igreja precisou reformar o templo e abrigaram-se num local de pouco espaço. Carlos não pensou duas vezes: disse que Deus estava falando ao seu coração para ir congregar noutra igreja, onde havia melhores condições para os seus filhos. Era uma época de extrema necessidade na igreja, mas Carlos não considerou nada disso. Saíram, abandonando-a. Nem carta de transferência solcitaram. Passaram-se 2 anos. Carlos não congrega mais. Disse que Deus mostrou não ser a outra igreja muito boa e agora estão "ciscando" aqui e ali, sem eira nem beira. E a vida financeira? Bem, essa seguiu o mesmo rumo: sem definição.

Astolfo era um músico no Rio Grande do Sul. Estava terminando seus estudos e foi encontrado por uma igreja do Mato Grosso. De formando em música sacra foi consagrado como Ministro de Música. Sua vida financeira deu uma guinada. Não que a igreja lhe desse riquezas; é que ele tinha tão pouco e agora via supridas todas as suas mais urgentes necessidades. Rapaz competente, Astolfo edificou um belíssimo ministério, dando sequência ao trabalho de ministros de música anteriores. Foi projetado nacionalmente. Um dia, sem nenhum constrangimento, Astolfo procura a diretoria e diz que está de saída. Perplexos, os irmãos querem saber o que houve. "Foi a vontade de Deus". O pastor pergunta: "Astolfo, Deus lhe chamou? Por que Ele não nos avisou? Quando fomos lhe buscar no Rio Grande Ele nos mostrou que era da vontade dEle a sua vinda. Como pode ser isso?" Astolfo não quis saber. Atendera ao convite do pastor de outra igreja (convite feito sem que o pastor atual soubesse) e foi embora. O tempo passou. Hoje Astolfo trabalha numa escola; é supervisor de pessoal. O ministério? Deu em nada; Talvez Deus não tenha dado sequência às orientações parciais que dera no início...

Um velho pastor capixaba desejava de toda maneira voltar ao ministério pastoral. Foi no norte do Paraná que encontrou uma pequena congregação. À princípio a igreja não queria nenhum pastor, pois sofrera com os cinco últimos. Mas, por causa de indicações preciosas, resolveram aceitar o capixaba. Ele era carismático e em pouco tempo conquistou todo o povo. Implantou séries de pregações bíblicas e fez boas visitas. Então, próximo à apresentação da Cantata de Páscoa, o pastor capixaba veio à diretoria com uma carta de exoneração. Disse que seu filho iria morar e estudar no Espírito Santo e que tinha que ir com ele. Detalhe: o filho tinha 45 anos. A igreja, revoltada, perguntou ao pastor desde quando ele sabia que isso poderia acontecer. A resposta não poderia ser mais desanimadora: "Eu já vim sabendo disso. Só esperava a confirmação. Como não queria ficar parado, decidi encarar o ministério. Mas já que em cinco meses ele conseguiu o necessário, não tenho mais o que fazer por aqui. Abraços e passar bem". Para a igreja, mais um elemento "non grato": sexto pastor a decepcionar o rebanho...

Que tristeza! Tudo o que eu escrevi é verdadeiro, apenas troquei nomes, localidades, tempos ou citações. Essas coisas infelizmente acontecem. Elas denigrem o bom nome de Deus! E por que?

1) Deus não é Deus de confusão. "Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos" (1Co 14:33). Deus não causa conflito de decisões, não veste um santo para desvestir outro, não cava uma cova para quem vai e outra para quem fica. A vontade de Deus não causa rancor ou priva uns para suprir os outros. Quando é Deus quem fala, ambos ficam felizes e ambos compreendem ser a melhor decisão a ser tomada.

2) Deus não é Deus de sim e não, volúvel, volátil, que não planeja."Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra para convosco não foi sim e não." (2Co 1:18). O Senhor não confirma a Sua vontade com sinais, com evidências, com paz no meio da igreja, com fatos inequívocos e, quando tudo se estabelece, manda derrubar tudo e construir de novo. Isso seria loucura. Deus não é louco. Deus não permite um longo processo de esclarecimento para depois, com a obra inconclusa, estragar tudo e deixar uma comunidade ou um obreiro lesado. Isso não é atitude de um Deus sábio ou organizado.

3) Deus não usa pessoas ou igrejas como trampolim para outras vitórias ou ministérios. Uma igreja ou um ministério não podem servir para lançar ou projetar um obreiro de qualquer área para lesar um trabalho. Isso seria roubar de uma igreja para suprir a outra. Sobre isso diz-nos a Bíblia: "O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância." (Jo 10:10). Igrejas são dEle. Quando Ele precisa de obreiros de um lugar para enviá-los a outro, usa do expediente apostólico: "E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado" (At 13:2). Quando é da vontade de Deus TODOS compreendem e entendem, não apenas os agraciados. Podem ficar tristes com uma saída ou um final de trabalho, mas compreendem que é Deus quem está determinando. Saídas conflitivas em nome de uma suposta vontade de Deus são absurdas.

4) Deus não brinca com igrejas ou obreiros. Diz-nos a Escritura: "E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus (Rm 12:2)." A vontade de Deus é BOA, boa para todos. Ela é AGRADÁVEL, não causa estranheza ou revolta. E também é PERFEITA, vê além dos olhos humanos. Ela mostra quando é a hora de CONTINUAR e quando é a hora de PARAR, mas mostra PARA TODOS, não apenas para alguém. E isto pode ser a qualquer tempo, desde um dia a 80 anos, mas tem que ser algo claramente vindo do Senhor, não motivado por convites sedutores, desejo de galgar degraus maiores, encontrar mais conforto ou atalho para sair de provações.

5) Temos que ter AMOR PELA IGREJA. A igreja é a NOIVA do Cordeiro, não uma escrava sem valor ou uma estranha de Deus. Precisamos amá-las, respeitá-las, estimá-las, considerá-las, honrá-las. Elas podem ter os defeitos que tiverem, mas se forem igrejas do Senhor (biblicamente consideradas), terão que ser vistas como dignas da mais alta consideração. Algumas pessoas indigestas ou uma diretoria ruim não justificam a desconsideração pela congregação toda. Não podemos lesá-las, abandonando-as como se fossem meras empresas, agências, indústrias ou grupos humanos. Deus nos plantou ali e temos responsabilidades. Quando a questão é doutrinária e irreversível, temos que obedecer a Deus e abandoná-la sim, pois está em jogo uma obediência maior, obediência à Palavra de Deus. Mas quando os conflitos são administrativos ou humanos, precisamos considerar se o que vamos fazer é benéfico só para nós ou será bom para toda a igreja.

Eu poderia tecer outros comentários, mas estes já bastam.

Estou farto de ver igrejas a sofrer com famílias inteiras que as abandonam, levando consigo os dons, talentos e cooperação financeira para outras que não precisam disso, ou, se precisam, não necessitam desse expediente de lesar a outra em seu próprio benefício. Estou farto de ver pastores, professores de EBD, pregadores, evangelistas, líderes, músicos e ministros de música deixando seu trabalho incompleto em nome de uma suposta vontade de Deus, que é sempre boa para quem recebe e sempre ruim para quem perde, prova inconteste de que não está fundamentada na paz de Deus e na clara convicção de ser a plena vontade do Senhor. E, finalmente, estou farto de ouvir posteriormente a frase: "Deus está mostrando que aqui não é o meu lugar, por isso vou embora". Mostrou para ele mas não para os outros. Mostrou para ele 5 dias depois de chegar. Então que se confesse: "fiz isso da MINHA VONTADE, não segundo a orientação de Deus". Porque Deus não foi culpado pelas atitudes precipitadas que tomamos.

Que Deus perdoe os pecados de Seu povo. E que me perdoem os que se sentirem atingidos com o texto. Aborreçam-se comigo, mas reflitam melhor sobre seu trabalho, suas igrejas e suas decisões.