Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

sábado, 29 de dezembro de 2012

ANO NOVO, VIDA NOVA!


Rompe a aurora, vai-se embora
Mais um ano de labor;
Não temamos, prossigamos
A lutar com mais ardor.

Cada dia Cristo, o Guia,
Nos renove o coração;
Temos gozo, bom repouso,
Confiando em sua mão.

Do pecado resgatados,
Pertencemos a Jesus;
Nova vida, santa lida,
Temos nós por sua cruz.

Hinos santos entoemos
E louvemos ao Senhor!
Vem do arcano mais um ano
Que anuncia seu favor!

O ano findo nunca mais veremos;
O ano novo hoje recebemos!
Vê, vê, o belo dom que Deus nos dá!


(Hino "Ano Novo", Cantor Cristão)

Mais um ano se finda. Mais um ano de labor, de trabalhos, de jejuns, de orações, de estudos nas Escrituras; ano cheio de intensidade, de ações e reações, de emoções intensas, de muitas lutas, de vitórias e derrotas, de planos realizados e de planos não realizados, de lágrimas e de alegria. Sim, a retrospectiva desse ano não é muito diferente, para o cristão, da retrospectiva dos demais anos, desde o ano que recebeu o Senhor Jesus em sua vida como Senhor e Salvador. Se olharmos para o passado, veremos as muitas lutas e provações, mas também as muitas e ricas bênçãos, geradas pela multiforme graça de Deus. Nós, crentes em Cristo, podemos olhar para trás e contarmos as muitas bênçãos! Você está terminando o ano triste por causa das intensas batalhas? Muitas procelas? Muitos tumultos, agitações, intranqüilidades e guerras por todos os lados? Você está terminando o ano julgando que todo o seu trabalho, todo o seu esforço foi vão? Então, como diz o antigo hino, "conta as muitas bênçãos, dize-as duma vez, Hás de ver surpreso quanto Deus já fez."     

Diz a Palavra de Deus que o caminho do cristão "é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." (Pv 4.18). A luz da aurora é a claridade que aponta o início da manhã, antes do nascer do Sol. São os primeiros raios de luz, que quebram a escuridão da noite e marcam o início de uma nova manhã. Jesus disse que nós, cristãos, somos a luz do mundo; devemos portanto resplandecer a nossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a nosso Pai, que está nos céus (Mt 5.14-16). Somos como a Lua, que não tem luz própria, mas que reflete a luz do Sol; assim refletimos não a nossa própria luz, mas a luz de nosso Senhor refletida em nós, assim como a glória de Deus fazia o rosto de Moisés reluzir diante dos filhos de Israel (Jo 9.5; Ex 34.35).  No ano de 2012 tivemos o nosso brilho, o nosso resplendor, apesar das trevas que tanto militaram contra nós. Cumpriu-se o que está escrito: "a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela." (Jo 1.5)

A luz da aurora é a primeira luz, não a plenitude de luz. Não é o brilho em plenitude, mas os primeiros fachos. É preciso que a nossa vida prossiga na luz, para isso devemos cada vez mais andarmos na luz, até que a luz invada cada canto escuro de nossa vida. Da física, sabemos que a luz se propaga em linha reta. O caminho da luz é reto, não há desvios nele; é um caminho perfeito, pois é o caminho de Deus. Deus é o Pai das luzes e Jesus é o Sol da Justiça. Toda luz vem de Deus, vem de Jesus e essa sempre nos leva a andarmos em retidão, de acordo com a Palavra de Deus. Não há tortuosidades em Deus, não há subterfúgios, atalhos ou quebra-galhos! As tortuosidades que ainda apresentamos são por causa da nossa natureza humana, não por causa da luz. Há uma diferença de meios onde a luz se propaga: ela vem perfeita de Deus para nós, mas uma vez em nós ela pode ser alterada antes de sair de nossa vida em direção ao mundo. Quando recebemos a luz, essa luz precisa ser absorvida espiritualmente, gerando transformação de vida, para que então possa ser refletida. Quando isso acontece, refletimos exatamente aquilo que Deus tencionou que refletíssemos Dele. Porém, para que isso aconteça, dependemos da submissão ao Espírito Santo, de forma que Ele gere Jesus em nós. Somente Nele, em Cristo, recuperamos a imagem do Deus invisível. Quanto mais do caráter de Cristo temos em nós, mais próximos da imagem de Deus nos tornamos e melhor reletimos isso ao mundo; quanto menos Dele possuímos, menos nos parecemos com o Pai. Assim, dependendo do grau de transformação de vida que possuímos, refletimos com mais ou menos fidelidade a imagem de Deus. Esse fenômeno, de diferenças entre a luz recebida e a luz emitida, chama-se refração.

A luz pode sofrer refração dentro de nós, saindo com um ângulo diferente do ângulo de entrada. Na física, é por isso que vemos "quebrado" um lápis mergulhado em água: por causa da refração, resultado da diferença entre os meios onde a luz se propaga - o ar e a água. Por causa dessas diferenças é que vemos tantas controvérsias acerca da Palavra: vemos "torto" aquilo que é reto! A Palavra nos foi dada por Deus de forma definitiva, mas a iluminação - a capacidade de entender a Palavra de Deus como ele verdadeiramente é - é gradual; além disso depende do quanto temos de Jesus em nós. Quanto mais temos de Jesus, mais somos parecidos com Ele e menos diferenças há entre o Senhor e nós; assim, passamos a ter um mesmo entendimento da Palavra. Essas diferenças perdurarão, contudo, até a nossa transformação final: "quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.  Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido." (I Co 13.10,12)

Ainda não somos capazes de ter essa plenitude de luz em nós. Ainda não é dia perfeito, a nossa vida ainda não está como o Sol de meio-dia, no máximo de sua luz. Mas já temos muita luz e devemos andar, cada um de nós, de acordo com a luz que já recebemos. E quanto mais da luz de Deus tivermos, mais responsáveis devemos ser com relação as coisas de Deus. Essa luz nos foi dada para melhor servirmos aos propósitos de Deus, para melhor exercermos o nosso papel de membros uns dos outros e do Corpo mísitico de Cristo na face da Terra. Devemos ter o cuidado de não acusar, constranger e condenar os que não possuem a luz que possuímos; devemos igualmente termos o cuidado de ouvirmos aos nossos irmãos, pois nem todos temos a mesma luz em todas as diferentes áreas da vida cristã. É sempre possível termos mais luz em uma área do que em outra, nenhum ministro e nenhum ministério ou igreja tem toda a iluminação de Deus em todas as esferas e, deste modo, nossos irmãos podem ser canais de Deus para transmitir luz para nossas vidas.

Precisamos muito do renovo de Deus todos os dias. Renovação do coração, ou renovação de mente, é a chave. Essa renovação vem pela transformação do entendimento. Nós, cristãos, precisamos ter uma mente capaz de transformação. As experiências com Deus passadas, o que já experimentamos do Senhor deve ser considerado um marco em nossa vida, para a partir desse marco prosseguirmos em direção a Cristo, olhando firmemente para Ele. A Bíblia nos fala de um caminho a ser percorrido, não uma posição estática. Há uma carreira proposta, a qual precisamos correr; há um caminho a prosseguir, uma jornada a completar. Por isso Paulo nos diz: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante,  prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus." (Fp 3.13,14) É preciso avançar e para isso devemos nos desvencilhar de tudo o que nos impede de irmos em frente. Deus tem muitas coisas grandes e firmes ainda pendentes para nos revelar, há muito ainda o que prosseguir e o que realizar na Obra de Deus e Deus realizar em nossas vidas. A conversão foi o início de tudo; daí prosseguimos até o batismo com Espírito Santo, mas paramos nas experiências que recebemos. Há dons do Espírito importantíssimos, mas que não buscamos porque estamos parados apenas na evidência do batismo, achando que ele só se resume a falarmos noutras línguas. Recebemos o batismo, mas ficamos no Cenáculo, nos alegrando mutuamente com a nova experiência com Deus e nos edificando pelo falar em línguas, quando Deus espera que a experiência do batismo com o Espírito Santo produza em nós a intrepidez necessária para sermos testemunhas de Cristo aos perdidos. Jesus prometeu que nós realizaríamos as mesmas obras que Ele realizou e ainda maiores do que Ele, porém sequer chegamos no nível das obras do Mestre! (Jo 14.12) Estamos muito longe do plano de Deus para nós! Não podemos nos conformar com o que já temos recebido; é preciso buscar mais de Deus e assim seguir em frente, de forma que cada palavra do Senhor a nosso respeito venha se cumprir integralmente!

O ano que se finda, como diz o hino, nunca mais veremos novamente. O que passou, passou. Não há como voltar ao início de 2012 e recomeçar tudo de novo. Tudo fica para trás e, pela misericórdia de Deus, um novo ano vai surgindo, cercado de projetos e esperanças. Grandes coisas haverão de ser reveladas por Deus aos Seus filhos. O plano de Deus para nós está firme, o caminho que Ele traçou permanece reto. A carreira continua proposta por Deus para que a percorramos. Qual é o nosso papel no plano de Deus em 2013?  Sigamos em frente! Busquemos intensamente ao Senhor em 2013, para que saibamos a Sua vontade para nós individualmente e enquanto igreja. A nossa redenção está cada dia mais próxima; a volta de Jesus cada vez mais iminente! A seara é imensa e sequer tocamos nela, estamos acomodados e sossegados! Porém há de vir o Espírito do Senhor incendiando a nossa vida, trazendo arrependimento e mudança de vida, gerando santidade e reavivando a nossa fé, nos motivando a ir adiante!

No relógio do mundo material, o ano de 2013 começa após exatamente a meia-noite de 31 de dezembro de 2012. No relógio de Deus, o ano novo começa quando o novo de Deus é gerado em nossa vida. O mesmismo de 2012 pode se repetir em 2013 ou não. O ano novo pode trazer vida nova ou repetir a pasmaceira do ano que ficou para trás, pode ser realmente novo ou apenas repetição do velho. Depende de você!

Que a luz de Deus possa brilhar em nós, ainda mais e mais; que possamos apresentar, em espírito e em verdade, a nossa vida como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o nosso culto racional - culto reflexivo e prático, não assisitido mas ministrado por cada um de nós a Deus. Que a nossa mente seja mais e mais transformada, de forma a estar cada vez mais semelhante à mente de Cristo, que pensava em fazer a vontade de Deus acima da Sua própria e assim o fazia, com entendimento renovado sobre nossa chamada e vocação cristãs e sobre a vontade de Deus para nós, para que em 2013 possamos experimentar essa vontade - boa, agradável, e perfeita - de forma prática, em nossas  vidas, em nome de Jesus!

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

Um comentário:

  1. Que o Senhor nos ajude a viver esse Novo Ano com muita sabedoria.Olhando firmemente para Ele.Provações virão,tribulações, tentações também.A nossa resposta a essas coisas,vai depender do grau da nossa maturidade e da nossa fé Nele.Tudo servirá para irmos adiante ou estacionarmos paralizados pelo medo ou desespero.O certo é que ainda há muito de nós a ser tratado pelo Senhor.É um árduo polir,que dependendo da nossa dureza,vai despender mais ou menos força e tempo.Necessário se faz não atrapalharmos com murmurações,com queixumes,com melindres...Queira Deus,que Ele não encontre só escórias,mas algo que possa ser aproveitado.Que ao fim o Senhor seja glorificado em nossas vidas.

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.