Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

segunda-feira, 17 de julho de 2017

O DEUS QUE SE OCULTA PARA SE REVELAR E SE REVELA PARA SE OCULTAR


"De noite, em minha cama, busquei aquele a quem ama a minha alma; busquei-o, e não o achei. Levantar-me-ei, pois, e rodearei a cidade; pelas ruas e pelas praças buscarei aquele a quem ama a minha alma; busquei-o, e não o achei. Acharam-me os guardas, que rondavam pela cidade; eu lhes perguntei: Vistes aquele a quem ama a minha alma? Apartando-me eu um pouco deles, logo achei aquele a quem ama a minha alma; agarrei-me a ele, e não o larguei, até que o introduzi em casa de minha mãe, na câmara daquela que me gerou." (Ct 3.1-4)

"Verdadeiramente tu és o Deus que te ocultas, o Deus de Israel, o Salvador." (Is 45.15)

Deus que se esconde ("'El mistatter"), o Deus absconditus. Uma das coisas mais desconcertantes que algumas vezes acontece com alguém é quando Deus esconde Seu rosto e se torna ausente. O teólogo Karl Barth descreveu como até mesmo um pastor ou estudante das Escrituras, mesmo possuindo todo tipo de conhecimento, pode "perde o cheiro" da presença de Deus fazendo com que toda a atividade de estudar Deus fique vazia e infrutífera. O mais precioso que temos ou podemos perder é a presença do próprio Deus.

Reconheço que esse conceito de um Deus que se esconde não é nem um pouco comum para a Igreja atual. Fala-se muito acerca do Deus que se revela, do Deus que se deu a conhecer ao mundo e que vem falando com os homens desde priscas eras. Temos, com isso, o entendimento de que Deus que está sempre disponível, que Ele é facilmente alcançável, como se Ele estivesse sempre à nossa disposição. Nós falamos e Ele prontamente se manifesta! Porém, esse conceito está muito longe do que a Bíblia ensina sobre o nosso Deus. O fato é que Deus não é superficial, facinho!

A verdade é que Deus pode esconder Sua face. Isso pode à primeira vista parecer meio contraditório, afinal há muitas passagens bíblicas que mostram Deus falando e interagindo com o homem. Davi disse que o Senhor está perto de todos os que o invocam (Sl 145.18). Então como podemos entender um Deus que se esconde? De um Deus que é acessível e inacessível ao mesmo tempo? Se Deus nos ama, porque então Ele se esconde de nós? Porque Ele muitas vezes se silencia diante dos nossos dramas existenciais? Porque às vezes Ele é tão difícil de ser encontrado por nós?

Os homens podem procurar Deus e não encontrá-Lo; podem clamar e Ele não responder. No entanto, Ele não está ausente, apenas em silêncio. Assim, a primeira coisa que precisamos entender sobre um Deus que se esconde é que o fato Dele esconder-se de nós não significa que Ele não nos ame ou esteja indiferente para nossa situação. Muitas vezes, diante dos problemas da vida, ficamos perplexos e sem respostas; daí buscamos essas respostas (e o livramento) em Deus mas parece que Ele não está nem aí para a nossa situação! Veja o caso do patriarca Jó: de uma vida de paz e prosperidade para uma vida de ruína. Ele ficou cheio de úlceras malignas desde a planta do pé até ao alto da cabeça e passou a se raspar com um caco (Jó 2:7,8). Sua dor era muito grande! (Jó 2:13) Jó então queixa-se do se estado, abrindo espaço para seus amigos o refutarem. Isso prossegue durante a grande maioria do livro - os amigos acusando Jó, Jó se defendendo e questionando Deus sem obter resposta -, até que na parte final Deus revela-se a Jó e não responde suas perguntas. Deus que estava até então escondido, ao falar com Jó não disse a ele os porquês daquilo tudo em sua vida! Somente ao final Deus vem e restaura a sorte de Jó, mostrando amor e bondade com o seu servo. O resultado para a vida de Jó é que ele passou a conhecer a Deus de uma forma mais profunda do que antes.

A experiência de Jó é emblemática: Deus, com seu silêncio, tencionava levar a Jó numa experiência mais profunda, mais real com Ele. Até então, na bonança, qual era o conhecimento de Deus que Jó possuía? Que tipo de relacionamento havia entre Jó e Deus? Era um relacionamento de causa-efeito! Jó ouvira falar que Deus recompensa o justo e castiga o injusto. Daí baseou a sua vida nisso. Jó fazia o bem, aquilo que segundo ele Deus esperava que fosse feito, então Deus recompensava Jó com bênçãos e prosperidade! Porém, quando Deus permitiu que Satanás tocasse na vida de Jó, Jó ficou confuso! Ele ficou a um passo de perder a sua fé: "Eu fiz tudo certo, tudo o que Deus gosta! Porque estou recebendo o mal em minha vida?!?"  Para Jó, o sofrimento era algo inadmissível em sua vida, porque o conhecimento que ele tinha de Deus excluía essa possibilidade! Jó achava que sabia tudo de Deus, e terminou reconhecendo que não sabia nada!

A verdade é que assim como Jó tem muitos hoje. Acham que sabem tudo que se há de saber sobre Deus! Eles dizem que se a pessoa for boazinha e fizer tudo o que se espera dela, então Deus obrigatoriamente tem que abençoar a vida dessa pessoa! Essas pessoas vivem constantemente numa profunda crise de fé, porque constatam, perplexas, que as coisas não funcionam assim! Deus pode permitir o mal mesmo sobre os bonzinhos e fiéis! Pode permitir o sofrimento mesmo na vida dos justos! E, para complicar ainda mais as coisas, a vida dos injustos e infiéis muitas vezes vai "de vento em popa", num "céu de brigadeiro". Deus não apenas permite o mal na vida dos justos, mas permite o bem na vida dos injustos! Esse é o paradoxo de Asafe, encontrado no Salmo73, onde os ímpios prosperam no mundo e aumentam em riquezas, enquanto o justo é afligido diariamente e castigado cada manhã (Sl 73.12,13). Somente em Deus Asafe alcançou a solução para seu paradoxo. Deus nos prova e a Sua prova é muito difícil!

Na prova que Deus deu a Jó, Jó saiu-se bem. Ele mostrou a Satanás que não era interesseiro, materialista, egoísta. Que não buscava a Deus só para ter bênçãos. Ele ficou na pior, ficou na pindaíba, ficou doente, mas não amaldiçoou Deus (o conselho de sua mulher). Jó até amaldiçoou o seu nascimento, mas a Deus? Jamais! Ele amava a Deus e vivia o relacionamento com Deus na base que até então que ele compreendia. Mas Deus é um Deus que se oculta e se revela! Se oculta para então revelar-se e se revela para então ocultar-se!

Deus está se ocultando da Igreja evangélica atual. Deus está em silêncio. Hoje há muitas denominações no Brasil e no mundo, mas pouca gente buscando a Deus de verdade. Pouca gente interessada verdadeiramente em Deus, interessada no relacionamento com Ele. O interesse quase total do homem em Deus está naquilo que Deus pode dar, não na Pessoa de Deus. Quando muito, estão interessadas em escapar do inferno, mas não na vida eterna bíblica: "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste." (Jo 17.3) Vida eterna é conhecer o Pai e o Filho! É ter um relacionamento sólido com Deus; relacionamento de fé e fidelidade! E esse relacionamento não é edificado numa base superficial, carnal e interesseira! Para que Deus possa se relacionar conosco, Ele precisa tocar em nós no fundo da nossa alma, lá na divisão da alma com espírito, naquilo que é "crítico" para nós, que muitas vezes não conhecemos, mas que impede o aprofundar desse relacionamento! Daí, vem a segunda verdade: esse relacionamento com Deus, ainda que envolva as nossas emoções, não se baseia nelas. Emoções são boas no relacionamento com Deus - até no culto a Deus - mas o emocionalismo não.

Infelizmente, há uma ação maligna em curso que visa reduzir a nossa fé sobrenatural em sinais exteriores, em “experiência”, em “arrepio”. Muitos crentes vão para o culto não para buscarem Deus, mas para sentirem alguma emoção, para experimentarem alguma coisa de Deus, para terem “sensações”. O problema disso é que emoções não são um caminho confiável no relacionamento com Deus. Emoções podem ser produzidas pelo contato do homem com Deus? Sim! Mas também podem ser produzidas por outros meios: um filme, um toque, uma técnica... Isso acaba trazendo confusão e engano! Por isso, Deus não quer que nossa relação com Ele dependa de sensações. Buscar a Deus para ter uma sensação não é buscar a Deus, e sim buscar conforto emocional. Ao se esconder, Deus fortalece a nossa fé. Aprendemos que sentir coisas não quer dizer necessariamente “presença de Deus”. Somos livres do engano do inimigo e da manipulação humana, e ao mesmo tempo passamos a valorizar mais a presença de Deus quando Ele se manifesta verdadeiramente!

Valorizar Deus e o relacionamento. Dar valor. Dar importância. Honrar. Considerar importante. Considerar caro e precioso. Jesus contou uma vez a parábola do tesouro escondido num campo. Ele disse que o reino de Deus "é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem achou e escondeu; e, pelo gozo dele, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo" (Mt 13.44). Considerando que o reino de Deus só é bom e desejável porque Deus é o soberano desse reino, então Deus podemos derivar que Deus deve ser semelhante a esse tesouro escondido, só que não por um homem, mas pelo próprio Deus! Deus se escondeu para que os homens pudessem achá-Lo e valorizar esse achado! Achar Deus é o verdadeiro achado!       

Se Deus se escondeu, então devemos procurá-Lo com todas as nossas forças! Essa é a nossa busca, a busca da nossa vida! Antes de qualquer coisa, antes de casamento, de bens materiais, de prosperidade! Deus disse a Israel por meio do profeta Jeremias: “E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” (Jr 29.13) Note a condição para achar Deus: buscá-lo "de todo o coração"! Deus promete ser achado pelo Seu povo, quando o Seu povo buscá-Lo com integridade de propósito e sinceridade de vida; quando se aproximarem Dele com um coração verdadeiro, invocando-O  em verdade e procuram por Ele com ansiedade e desejo real de encontrá-Lo! Buscar ao Deus que se esconde é algo que vai além da salvação dos pecados. A bem da verdade, somos salvos do pecado para aplicarmos a nossa vida na busca ao Senhor e para servirmos só a Ele segundo Sua vontade para nossas vidas.

Quanto mais próximo do fim estamos, mais e mais Deus está chamando Seu povo para buscá-Lo de todo coração. Porque? Porque no tempo do fim o amor inevitavelmente irá esfriar e a fé inevitavelmente vai apagar (Lc 18.8; Mt 24.12). Muita gente vai perder a sua fé, vai esfriar no seu amor por Deus (e pelo próximo), pois a medida que o fim se aproxima, as pessoas tornar-se-ão mais e mais "amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela" (I Tm 3.1-5). Haverá cada vez mais uma pressão descomunal do inimigo, de Satanás, para fazer com que as pessoas se afastem de Deus, deixando de buscá-Lo em prol de cuidarem de suas próprias vidas: "comendo, bebendo, casando e dando-se em casamento" (Mt 24.37-39). Nosso Senhor acrescenta que somente serão salvos "aqueles que perseverarem até o fim" (Mt 24.13). Perseverar em quê mais, a não ser na busca ao Senhor? Nossa parte é responder a esse chamado do Senhor, como fez Davi: “Quando tu disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração disse a ti: O teu rosto, SENHOR, buscarei.” (Sl 27.8) A face do Senhor deve ser buscada continuamente (Sl 105.4).

O que significa buscar ao Senhor de todo o coração?

1. Significa buscar ao Senhor com todas as faculdades do nosso ser. Um homem deve procurar Deus em Cristo Jesus com toda a sua natureza. Se o coração estiver dividido, a busca será em vão (Tg 1.8). Porque o nosso coração é, muitas vezes, dividido para com Deus, nós não o encontramos! Ele permanece no oculto!

2. Significa buscar ao Senhor com toda perseverança. Os crentes atuais não sabem e nem tocam em perseverança, pois começam as coisas e não terminam. Não tem força de vontade, não tem foco no alvo a ser alcançado. Perseverar é insistir, mesmo que a princípio ou que num dia ou época pareça não dar fruto. É buscar a Deus, continuar buscando e seguir nessa busca. Buscar sem cessar! Buscar por meio da oração, da meditação na Palavra!

3. Significa buscar ao Senhor com energia. Rompa com essa indiferença, com a passividade. Estamos ocupados com mil coisas, mas lentos sobre nossas almas! Deus não será encontrado por busca desprezível, descuidada e despreocupada. Sobre isso, ouçamos o que diz Moisés: "Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças." (Dt 6.4,5) Isso é mandamento de Deus! Isso é ordem, é cumpra-se! É "estou mandando que vocês façam assim!" (Mt 22.38-40). Ouve, Igreja, o Senhor Jesus nosso Deus é o único Senhor!

O que fazer quando encontrar o Senhor? Cantares nos dá uma pista: "agarrei-me a ele, e não o larguei, até que o introduzi em casa de minha mãe, na câmara daquela que me gerou" (Ct 3.4). A primeira verdade aqui é que quem emprega todo seu coração na busca pelo Senhor não vai larga-lo em hipótese alguma. Encontrar Jesus é a maior bênção da vida de alguém que o busca incessantemente e que O ama de todo o coração. Essa pessoa se agarra em Jesus e suplica-O insistentemente que jamais o deixe sozinho! Pode vir a cair? Sim, é claro! Porém essa pessoa rapidamente reconhecerá essa queda e voltar-se-á ao Senhor, o Amado de sua alma, arrependido da sua queda! Vai fazer isso porque para essa pessoa estar com o Senhor Jesus é o bem mais precioso de sua vida! Foi caro encontrá-Lo e ela não irá perdê-Lo custe o que custar! Tem que confessar publicamente para restaurar o relacionamento? É para agora! Tem que se humilhar? É já! Se é verdade que valorizamos muito pouco aquilo que é obtido muito barato, então o inverso também é verdadeiro!

A segunda verdade aqui é que quem encontra o Senhor leva-O até a sua casa. Jesus introduzido no lar é Jesus governando os mínimos detalhes da nossa vida. É submissão e obediência a Ele para tudo e em tudo, rompendo com o maligno costume da autossuficiência e independência. Se Ele é verdadeiramente Senhor, Ele tem todo o direito de determinar o meu curso de vida; por seu turno, eu tenho obrigação de obedecê-Lo. Ou isso é verdade, ou estou mentindo sobre minha fé e relacionamento com Cristo; nunca o aceitei de verdade em meu coração. Minha fé não passa de ilusão em minha vida. Agora, se Ele é meu Senhor eu vou obedecê-Lo custe o que custar e nas mínimas coisas que Ele me demandar. Para isso, Ele tem estar em tudo como Senhor - até e principalmente no lar! Participando da minha vida. Tendo comunhão comigo e eu com Ele. Sendo por mim honrado e respeitado.

Apesar de haver pouca gente buscando ao Senhor, do quadro de apostasia que estamos vivendo e de Deus estar oculto, isso não quer dizer que Deus nada está fazendo. Deus está oculto, não inerte. Deus está agindo de forma a cumprir Seu plano que foi estabelecido antes da fundação do mundo. Ele está permitindo um aumento das tensões sociais, políticas e econômicas no mundo inteiro. Deus está abalando todas as coisas. Deus vai destronar Mamom do coração dos crentes e levar muitas denominações a falência financeira a fim de reconquistar para Si o coração de Seu povo! Deus vai expor a mentira satânica da teologia da prosperidade! Vão é confiar nas riquezas! De nada aproveitam as riquezas no dia da ira (Pv 11.4), quem nelas confia cairá (Pv 11.28)! Do mesmo modo, hoje já não há mais nenhum lugar seguro na Terra, porque a segurança pública está sendo abalada por Deus, de forma que Seu povo volte a crer que Ele é a nossa segurança, o nosso Guarda que não Dorme nem Cochila (Sl 121.4-8)! Na política, Deus está abalando também, mostrando a podridão, a corrupção que há nos mais altos escalões de governo! Para a Igreja, o Senhor está dizendo "podre e inútil é a vara do poder político; Eu, o Senhor, Sou o poder do Meu povo"!

Escondido, mas agindo, Deus vai levando cada dia mais a Sua Igreja a buscá-Lo com toda intensidade, ansiedade e coração novamente! Se o povo de Deus precisa de angústia e aperto para voltar-se ao Seu Senhor, muito bem, assim será! Foi assim no passado com Israel e será assim com a Igreja. O povo de Deus é obstinado de coração; para quebrar isso, só com algo muito quente e muito forte! Foi preciso o cativeiro babilônico para Israel no passado reconhecer que o Senhor e será preciso que os exércitos do Anticristo se reunirão para destruir Israel, no vale do Armagedom para que Israel reconheça que Jesus é o Messias! A Igreja também precisa experimentar o seu quinhão de calor e força! E quando isso acontecer, Deus voltará a ser desejado e buscado por Seu povo, culminando na revelação do Deus até então escondido como o Anjo da Aliança (Ml 3.1), o qual se assentará (porque vai da trabalho, vai levar tempo) para purificar Sua Igreja, preparando-a para o fim! Vai doer no profundo da alma, vai ser terrível esse dia; mas será necessário a fim de espremer o carnegão de cada um dos Seus filhos!

O Deus de Israel às vezes é um Deus que se esconde, mas nunca um Deus que se ausenta. Às vezes no oculto, mas nunca à distância.

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

Um comentário:

  1. Deus é tremendo e maravilhoso ! Deus cheio de amor Ele é! Sua Presença é algo indescritível e com justiça Ele deve se ocultar. Ele não é qualquer um, precisa ser altamente valorizado. É de uma grandiosidade ímpar. Seu coração que busca ardentemente por comunhão com os homens, também é um coração que sofre quando é tratado com descaso. Como tratar de qualquer maneira alguém tão gracioso!
    Nós, seres humanos, nos ressentimos quando somos colocados de lado por alguém a quem amamos, o que se dirá de Deus?
    Há um preço a ser pago para se gozar de intimidade com Ele .Ele que recebe glória, honra , louvor, adoração incessante de seres celestiais deseja comunhão com os homens. Ele que de nós não precisa faz questão de comungar conosco , participar do nosso dia a dia.

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.