Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

quinta-feira, 22 de abril de 2010

COMPRANDO GATO POR LEBRE

E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. (Mt 24.4-13)

Neste texto, Jesus aborda o princípio das dores, dentro de um contexto profético-escatológico. Ele faz uma analogia dos acontecimentos que antecederão a manifestação do anticristo e do arrebatamento da Igreja com as primeiras contrações sentidas por uma grávida antes de dar a luz. Os últimos dias da Igreja seriam, portanto, comparados às primeiras contrações proféticas da dor maior, sentida durante todo processo de parto, o que biblicamente acontecerá na grande tribulação, quando a Igreja não mais estará na Terra.

Nos versículos 4, 5 e 11 Jesus, respondendo, disse-lhes: "Acautelai-vos que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: eu sou o Cristo; e enganarão a muitos... E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos." Vemos nestas palavras de Jesus uma advertência ao cuidado diante daquilo que seria pregado e ensinado nesses dias de esfriamento do amor a Deus, de libertinagem espiritual, do culto ao homem, dos modismos, dos "fast-foods" teológicos e da ênfase demasiada no marketing religioso.

É comum, hoje em dia, Igrejas com grande poderio econômico e forte influência política, de líderes carismáticos que mais parecem apresentadores famosos de programas televisivos do que ministros do altar de Deus, onde os púlpitos apresentam manifestações da libertinagem e imoralidade ética transvestida de graça barata. Temp(L)o de valores morais e espirituais diminuídos e de sã doutrina afrouxada. É comum vermos testemunhos mentirosos e marqueteiros que apresentam soluções instantâneas para todo o tipo de problema e enfermidade, de enriquecimento relâmpago. 

Deus é o Deus do impossível, mas esses líderes estão fazendo o impossível sem Deus. Hoje já não precisamos de milagres como a transformação da água em vinho, da ressurreição de mortos ou da abertura do Mar Vermelho, mas sim de dinheiro e marketing televisivo. O pior é que o marketing dessas Igrejas está "balançando" até mesmo os crentes fiéis.

Os leitores já observaram que eles nunca explicam a origem do enriquecimento? Que os testemunhos são conduzidos e manipulados para enfatizar a Igreja e não Jesus? Que muitos destes supostos testemunhos demonstram incoerências e contradições? Que estes testemunhos não têm contribuído para uma mudança de vida, mas sim para endossar o terrível egoísmo humano? Que estes tipos de ministério só têm servido para criar crentes "freelancers", isto é, sem compromisso com Deus e com Sua Palavra?

No entanto, no versículo 12 Jesus nos exorta a perseverarmos até o fim em nossas convicções ministeriais e doutrinárias, pois só assim seremos salvos.

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

Um comentário:

  1. Onde fica"as Bênçãos os seguirão"?A
    coisa está de ponta cabeça-sinal dos tempos...Há igrejas portas-abertas pa
    ra todos os gostos como há crente nes
    café-o do milagre instântaneo,rápido e fácil,não é preciso nem coar as im-
    purezas(santificar-se).

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.