Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

quarta-feira, 6 de julho de 2016

A EXTREMA MALIGNIDADE DO ESTUPRO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

E ACONTECEU depois disto que, tendo Absalão, filho de Davi, uma irmã formosa, cujo nome era Tamar, Amnom, filho de Davi, amou-a. E angustiou-se Amnom, até adoecer, por Tamar, sua irmã, porque era virgem; e parecia aos olhos de Amnom dificultoso fazer-lhe coisa alguma. [...] E foi Tamar à casa de Amnom, seu irmão (ele porém estava deitado), e tomou massa, e a amassou, e fez bolos diante dos seus olhos, e cozeu os bolos. E tomou a frigideira, e os tirou diante dele; porém ele recusou comer. E disse Amnom: Fazei retirar a todos da minha presença. E todos se retiraram dele. Então disse Amnom a Tamar: Traze a comida ao quarto, e comerei da tua mão. E tomou Tamar os bolos que fizera, e levou-os a Amnom, seu irmão, no quarto. E chegando-lhos, para que comesse, pegou dela, e disse-lhe: Vem, deita-te comigo, minha irmã. Porém ela lhe disse: Não, meu irmão, não me forces, porque não se faz assim em Israel; não faças tal loucura. Porque, aonde iria eu com a minha vergonha? E tu serias como um dos loucos de Israel. Agora, pois, peço-te que fales ao rei, porque não me negará a ti. Porém ele não quis dar ouvidos à sua voz; antes, sendo mais forte do que ela, a forçou, e se deitou com ela. Depois Amnom sentiu grande aversão por ela, pois maior era o ódio que sentiu por ela do que o amor com que a amara. E disse-lhe Amnom: Levanta-te, e vai-te. Então ela lhe disse: Não há razão de me despedires assim; maior seria este mal do que o outro que já me tens feito. Porém não lhe quis dar ouvidos. E chamou a seu moço que o servia, e disse: Ponha fora a esta, e fecha a porta após ela. E trazia ela uma roupa de muitas cores (porque assim se vestiam as filhas virgens dos reis); e seu servo a pôs para fora, e fechou a porta após ela. Então Tamar tomou cinza sobre a sua cabeça, e a roupa de muitas cores que trazia rasgou; e pôs as mãos sobre a cabeça, e foi andando e clamando. (II Samuel 13:1,2, 8-19)

O Deus da Bíblia é um Deus santo e justo. Em Sua santidade e justiça, Ele não esconde os pecados e a maldade de quem quer que seja, nem mesmo faz vista grossa ou inocenta o culpado. Ele é o primeiro a condenar toda a maldade, todo pecado, qualquer que seja ele, que brota do interior do coração humano. Sim, é do interior do coração, como disse o Senhor Jesus, que procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias (Mt 15.19). O apóstolo Paulo, escrevendo aos Romanos, afirma categoricamente que toda a humanidade está debaixo de pecado, ou seja, que todos são pecadores; que os homens estão "cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia" (Rm 1.29-31). A imaginação humana é má desde a sua meninice, é a constatação que Deus faz nas Escrituras (Gn 8.21); o que muda é somente como essa maldade se manifesta posteriormente, com o crescimento do homem.

Essa argumentação começa com um texto bíblico que ilustra bem toda essa maldade que há no coração humano, que relatei no parágrafo anterior. O texto bíblico de II Samuel 13 começa dizendo que Amnon, filho de Davi, teve um sentimento por sua meia-irmã, Tamar. É dito que ele amou-a; porém não de uma forma honrosa, para fazê-la sua esposa, mas de um modo lascivo, para usá-la no intuito de satisfazer seus impulsos sexuais malignos. Em sua tara sexual, Amnon chegou a adoecer de tanta angústia, de tanto desejo por aquela jovem formosa. Ele tinha consciência de que a sua paixão era criminosa, assim ele escondeu seus sentimentos por algum tempo, mas à custa de sua saúde, sendo atormentado pela violência de um desejo quase incontrolável.

Amnon tem um amigo, chamado Jonadabe, sobre quem é dito ser homem muito sagaz. Ao saber o porquê da situação de profunda angústia de Amnon, Jonadabe bola um plano para fazer com que seu amigo obtivesse o que ele desejava. Amnon se fingiria de doente e pediria que sua irmã Tamar fosse em sua casa cuidar dele. Amnon põe o plano em ação. Tamar vai a sua casa, ele manda todos saírem, com astúcia faz com que ela vá ao seu quarto e, sendo mais forte que ela, força-a e deita-se com ela, cometendo estupro e incesto. Depois do odioso ato, de ter saciado seu tesão maligno com sua irmã, o texto diz que Amnon sentiu grande aversão por ela; ela odiou-a e esse ódio foi maior do que o tesão que ele inicialmente sentia por ela.  Sua mente, que a princípio tinha sido impelida pelo desejo, agora estava agitada por remorso, o que levou-o a um extremo diferente, como um pêndulo. O horror da sua culpa o golpeou com uma aversão repentina a quem ele passou a considerar a causa dela, e então odiou sua irmã. Amnon, tendo satisfeito seu desejo, agora experimentava em sua consciência uma clara e verdadeira perspectiva e um profundo sentimento da torpeza e baixeza de sua atitude, da vergonha e do desprezo, e da perda do amor de sua irmã e família; e, principalmente, pelo justo juízo de Deus que viria sobre si assim que o pecado tornasse público. 

E assim expulsou-a de sua casa, violada, humilhada, confusa e possivelmente cheia de culpa. Ela então rasga a sua roupa de muitas cores, e sai andando, com as mãos na cabeça, chorando em voz alta. Não só sua virgindade estava perdida, mas sua fama, seu nome, sua alegria, sua paz..., sua vida estavam agora destruídas! Arruinadas! Perdidas! Ela era agora uma mulher sem esperança, sem o viçoso brilho de sua formosura que dantes possuía; sua face estava tomada de horror e vergonha, a dor tomava sua alma de uma maneira incomparável. Seu pranto se misturava com seus gritos de ira e de impotência, com uma profunda decepção. "Porque", com toda a certeza, era a pergunta que ecoava em sua alma; "porque meu irmão fez isso?", porque, porque e porque. Perguntas sem respostas, que só faziam agravar o seu estado.

Essa história não acaba aqui. Se você querido(a) leitor(a) prosseguir na leitura, verá que outras terríveis consequências surgiram. Absalão, irmão de Tamar (filhos do mesmo pai e da mesma mãe), ficou indignado com Amnon. Ele ficou quieto durante dois anos esperando momento oportuno para se vingar de Amnon pelo estupro de Tamar. Armou uma cilada e mandou que seus servos matassem Amnon.  Davi, pai dos três, sofreu também: Absalão, ferido por seu pai não ter sabido lidar com a situação (não ter punido Amnon como deveria, nem ter recebido-o após seu retorno da casa do avô) manipulou as pessoas e conquistou o apoio de muitos para levantar uma revolta contra o rei. Ele transa com todas as concubinas do rei diante de toda a nação, ao ar livre. O resultado foi uma guerra civil em Israel que terminou com a morte de Absalão.

O episódio, registrado na Bíblia Sagrada por homens inspirados pelo Espírito Santo, de forma a escreverem o que realmente aconteceu, sem omitir nenhum detalhe por pior que seja, é paradigmático para os horrores que vivem muitas jovens e mulheres (até crianças) ao redor do mundo, verdadeiras Tamares, estupradas por irmãos, primos, padrastos, pais, avôs, tios, professores, desconhecidos... até por sacerdotes de religiões, como pastores, padres e pais de santo. Atualmente, quase todo dia a mídia registra um caso de estupro, repletos de crueldade. Crime hediondo, que deixa marcas profundas no corpo e na alma das vítimas - isto quando suas vidas são poupadas pelo monstro, porque em muitos casos após a barbárie essas pobres mulheres são assassinadas!

Conforme a Lei Nº 12.015, de 7 de Agosto de 2009, estupro é "constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso". Essa conjunção carnal pode ser tanto a penetração completa quanto a incompleta; já o "ato libidinoso" pode ser qualquer um que vise prazer sexual. É bom que se diga que a Lei 12.015 de 2009 extinguiu o crime de atentado violento ao pudor e incluiu essa conduta em estupro. Portanto, qualquer ato com sentido sexual praticado com alguém sem seu consentimento, até mesmo um toque íntimo, hoje é considerado estupro pela lei. Por sua vez, o menor de 14 anos tem uma proteção especial da lei brasileira. Com essa idade, é proibida qualquer conduta sexual, com ou sem consentimento, isto é, qualquer ato libidinoso com menor de 14 anos, querendo ele ou não, é corretamente classificado como estupro.

O estupro, como um ato de violência e humilhação, provoca na vítima um medo enorme e uma sensação igualmente enorme de impotência e desamparo. A vítima sente culpa, considerando-se responsável direta ou indiretamente pela violência que sofreu; isso é um fenômeno psicológico resultante de anos a fio de imposição da cultura machista na qual, por exemplo, um sorriso é interpretado como "ela tá dando mole, ela está a fim" e onde a jovialidade por parte da mulher é interpretada como "liberalidade sexual - ela topa tudo". Diz o machismo: "não pode haver amizade real e verdadeira entre um homem e uma mulher; apenas desejo sexual". O cara fantasia com a menina, com a moça, com a mulher (como no filme "Beleza Americana", onde o sujeito tem fantasias sexuais com a amiga de sua filha de 16 anos), desenvolvendo e passando a nutrir por aquela pessoa um sentimento sexual maligno intenso, como fez Amnon.

Parênteses: Nada justificativa o estupro! N-A-D-A! Mas, há na sociedade uma supervalorização do sexo que acaba adoecendo e apodrecendo ainda mais aqueles que já são doentes e podres. Hollywood é o berço de muita podridão na área sexual que acaba povoando o imaginário de muita gente e, de certo modo, aumentando ainda mais a perversão nessa área. Exemplos: os filmes "Beleza Americana" (supracitado), "Instinto Selvagem" (precisa comentar?), "Spring Breakers - Garotas Perigosas" (adolescentes usando drogas, fazendo sexo a três, se envolvendo com o crime e usando armas de fogo), "Ninfomaníaca" (...), "Girl House" (um grupo de garotas que resolve ganhar dinheiro alugando uma casa e transmitindo suas aventuras e performances eróticas pela webcam), "Uma Babá Objeto de Desejo", "Paixão Fatal (The Crush)", dentre muitos e muitos outros. Em todos esses filmes há apelos e fantasias sexuais, taras, etc. Existem pessoas que são sensíveis e altamente influenciáveis às mensagens e imagens veiculadas por filmes de terror, outras por violência, outras por sexo e outras por pornografia. O fato é que vivemos numa sociedade cada vez mais hedonista e erotizada, com exacerbado incentivo ao libido, quer por filmes, TV, jornais, revistas, conversas, modo de vestir, etc. Negar a evidente correlação entre o imenso aumento da liberalização e propaganda sexual com o aumento dos casos de estupro é não querer enxergar o óbvio. Fecha parênteses. 

Sim, o estupro causa marcas profundíssimas e seríssimas na alma humana, cuja dor é, talvez, maior do que a dor física que o ato impõe. Os incontáveis relatos das vítimas são extremamente dolorosos, a começar pelo auto-julgamento por parte da vítima, onde ela vê a si mesma como a grande culpada pelo ocorrido ("eu fui na casa dele", "eu dei mole", "bebi muito", "não gritei"). Há muito rancor e ódio, pessoal e contra o agressor. Sentimento de nojo de si mesma. Insistentes e dolorosas lembranças de imagens, sensações e até de odores ("cheiro") relativos ao momento do estupro. A vítima frequentemente tem episódios de profundo choro (especialmente quando está sozinha) e raramente consegue dormir. Pode ter sentimentos suicidas e até mesmo a tentar o suicídio. Mesmo quando ela vem a (re)construir sua vida e ter um (novo) relacionamento, as marcas aparecerão novamente, por exemplo na dificuldade de se relacionar sexualmente de forma prazerosa com seu cônjuge (dor na penetração, dificuldade de atingir orgasmos, etc), não alcançando uma vida sexual saudável. Uma ferida que nunca cicatriza.

E assim a moça, a mulher vítima de estupro se recolhe internamente, se fecha numa complexa interiorização de si mesma e de sua dor. Há muito sentimento de vergonha envolvido. Quando jovem, tem medo de que o agressor conte, à sua moda, para seus pais o ocorrido, e assim a vítima se sente acuada e oprimida, podendo até desenvolver um sentimento pelo agressor (conhecido na literatura como "síndrome de Estocolmo": nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo sentimento de amor ou amizade perante o seu agressor). Ela pode fugir de casa, como uma alternativa para evitar expor sua situação na família. Ou pode passar a ter medo de andar sozinha. A vítima pode passar a sentir desconfiança ou até aversão por pessoas de sexo masculino (dependendo da idade, por jovens ou homens já maduros). O sentimento de ódio pelo agressor pode ser transferido pela vítima para outros homens, impedindo relacionamentos heterossexuais; nesse caso, o relacionamento homossexual pode surgir como "opção segura e carinhosa"

Aliada à dor emocional da violência (que leva a somatizações pelo corpo), a vítima também pode contrair doenças sexualmente transmissíveis. Pode também engravidar (gravidez indesejada), o que só faz agravar o quadro. Algumas decidem manter a gravidez, outras decidem interrompê-la. No Brasil, o aborto é atualmente permitido em três casos: estupro, se houver risco à vida da gestante ou, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), se o feto for anencéfalo. O mesmo Brasil que acumula casos e mais casos de estupro, como a da jovem de 16 anos que foi estuprada por 33 bandidos, no RJ (estupro coletivo); da turista americana de 21 anos estuprada 8 vezes numa van (http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/turista-americana-foi-estuprada-oito-vezes-na-van-do-terror); da jovem de 30 anos estuprada durante 6 minutos num ônibus, na Avenida Brasil/RJ (http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/05/06/estupro-de-mulher-em-onibus-no-rio-durou-seis-minutos-diz-delegado.htm); de um bebê de 6 meses de vida estuprada pelo próprio pai, em Colatina/ES (http://www.gazetaonline.com.br/_conteudo/2015/09/noticias/norte/3908959-pai-confessa-que-estuprou-a-propria-filha-de-seis-meses-em-colatina.html); do pai que estuprou a filha de 6 anos, no estado de Mato Grosso, e menina acabou tendo que passar por cirurgia para ter útero reconstruído (http://www.mtnoticias.net/mt-pai-estupra-filha-de-6-anos-e-menina-passa-por-cirurgia-para-ter-utero-reconstruido/) e assim sucessivamente.    

Vale dizer que não só as mulheres são vítimas de estupro. Conforme comenta o pastor Jesse Campos em seu artigo CULTURA DO ESTUPRO (disponível em: http://igbatista.com.br/cultura-do-estupro/), "nos EUA a Pesquisa Nacional sobre Violência Contra a Mulher de 1998 revelou que 1 em 6 homens e 1 em 33 mulheres foram estuprados ou sofreram atentados sexuais durante suas vidas. E em 2007 a pesquisa do Instituto Nacional de Justiça informou que 19% das universitárias e 6,1% dos universitários foram estuprados ou sofreram tentativas de estupro".

É preciso muito tato, muito cuidado, amor verdadeiro e capacidade de compaixão para ajudar uma vítima de estupro - não apenas ajudá-la a denunciar, mas também ajudá-la a superar a dor e o trauma emocional, a auto-rejeição, as barreiras emocionais que surgirão e reinserir esta pessoa na sua vida cotidiana novamente. Não julgar uma vítima como culpada já é um bom começo; a vítima não precisa de juízes moralistas mas sim de compaixão e ajuda.

Assim, aos pais, meu conselho é manter sempre a amizade e o diálogo aberto com seus filhos e filhas. Falem, pais, sobre estupro com as nossas meninas, por mais desconfortável que isso seja para vocês. Ninguém está livre de passar por esta situação (I Pe 2.21) - eu mesmo quase fui estuprado por um fotógrafo aos 6-7 anos de idade, enquanto esperava a consulta com meu pediatra. Ele pediu para que eu abaixasse meu short, queria  todo custo ver e tocar no meu "piu-piu". Queria que sentasse no colo dele. Lembro como se fosse hoje. Acabei relatando a minha mãe muito tempo depois; me lembro do medo que fiquei em contar, porque temia apanhar por ser considerado culpado daquilo tudo. Dia seguinte voltamos com meu pai e um policial naquele lugar; acabou dando em nada porque naquela época só o meu relato, sem prova nenhuma, não adiantava para nada. Só entendi o que aconteceu comigo muitos anos depois.

Do mesmo modo, pais, estejam atentos às mudanças de comportamento de seus filhos. A criança que sofreu abuso tem comprometimento psicológico. Lembre-se do meu relato acima: a criança tem medo de contar; ela não entende o que aconteceu. No entanto, a dor emocional somatiza; é assim que nossa psiquê reage dizendo que algo está errado conosco. Problemas em controlar a urina ("xixi na cama" - incontinência urinária) ou na evacuação que surgem repentinamente podem significar que alguma coisa aconteceu. Alterações no sono. Do mesmo modo, se a criança que sempre foi alegre e cheia de vida tornou-se repentinamente arredia e triste, ou até agressiva. Há crianças que passam a ter brincadeiras sexuais persistentes, exageradas e inadequadas, e até a ter comportamento aparentemente sedutor com pessoas adultas do sexo oposto ao seu.  Não condene, não recrimine. Tenha tato ao lidar com o problema; quanto mais alarde, quanto mais confusão, mais fechada fica a criança. A vergonha e a culpa são também sentimentos que massacram aquele(a) que foi abusado(a). Dificuldades de concentração na escola, queda repentina no desempenho escolar, medo de adultos do sexo oposto ao seu. Idéias suicidas (atenção!!!!!) (veja mais em: http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2015/11/17-sintomas-indicam-que-crianca-e-vitima-de-abuso-sexual).

Não deixe de procurar as autoridades competentes para denunciar o crime do qual você foi vítima. Por mais doloroso que seja, não tome banho, para que a coleta de evidências possa ser feita e mais rapidamente o criminoso possa ser preso e julgado competentemente pelos seus crimes. Adicionalmente, aconselho a você a buscar a Deus, o único que pode trazer cura real para suas emoções! Curar seu interior! 

Saiba, querido(a), que Deus odeia o pecado e o estupro é um pecado, portanto objeto do ódio de Deus. Deus odeia o que aconteceu com você, mas Deus não odeia você. Ele te ama. Nosso Senhor Jesus levou sobre si as nossas dores: "Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido" (Isaías 53:4). Achamos que a dor era Dele, mas na verdade era a nossa dor sobre Ele! Na cruz do Calvário, ali, sozinho, o Senhor carregou sobre Ele o pecado da humanidade e sofreu a dor que esse pecado causa - tanto em Deus como em nós mesmos. Ali, na cruz, Ele sentiu no seu próprio corpo a sua dor física, emocional e espiritual que surgiram em você ao ser estuprada(o). Ele sentiu o que você sentiu e sente! Ele sentiu a dor, a vergonha, a confusão emocional, o ódio, a culpa, enfim toda a complexa mistura de emoções e sentimentos que você sentiu e sente derivado da agressão sexual. Sentiu a dor de um pai, de uma mãe, ao saber do que aconteceu com seu filho, com sua filha!

Deus é o mais interessado em restaurar sua vida. Independente do que tenha acontecido no seu passado, que não pode ser mudado, lembre-se de que o Senhor é maior que o passado e tem preparado para o seu presente e futuro amor, alegria e vida abundante. Desfrute da cura e do restabelecimento obtidos NEle. Ele, o Senhor, não está longe de você, distante, invariável, como se nada tivesse acontecido. NÃO! Ele está perto de você aí onde você está: "Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito" (Sl 34.18).

Talvez você tenha engravidado por conta do estupro e decidiu interromper a gravidez. Isso tem assolado a sua alma anos a fio. Talvez você se culpe por ter sido abusada(o) sexualmente, ou por não ser mais virgem. Talvez você se culpe por não conseguir ser pleno no seu relacionamento íntimo com seu cônjuge hoje. Você se sente rejeitado(a), humilhado(a), inseguro(a), amargurado/rancoroso(a), solitário(a).  Jesus, Senhor e Salvador, tem poder para remover todo o sentimento de culpa que você carrega e curar suas emoções! Saiba que você pode sim ter uma vida sadia mesmo tendo sido vítima desta terrível violência! Jesus disse: "O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância" (João 10:10). Somente o Espírito de Cristo pode consolar você, trabalhando no seu interior, na divisão da alma e do espírito, de forma a restaurar seu ser! E a Igreja que pastoreio está de portas abertas para receber você! Se você quiser, faça-nos uma visita. Teremos o prazer em receber-lhe em nossas reuniões! Deus tem um plano maravilhoso para sua vida!

A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja contigo. Amém!


Independentemente, se quiser publicar seu testemunho pessoal nesse blog como uma ajuda a outras pessoas, ou se quiser somente conversar, meu e-mail é prricardoksf@yahoo.com.br. Fique à vontade para escrever! Prometo ler com atenção e responder-lhe!

Um comentário:

  1. Estamos voltando ao caos inicial. A violência grassa na sociedade de todos os países, em todos os lares. Aquele que pode deter tão asqueroso mal foi banido dos corações, é rejeitado de forma acintosa. Restam corações destroçados, almas feridas, vidas destruídas .Há somente uma esperança para curar uma ferida tão profunda : Jesus Cristo !

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.