Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

VIVENDO COM ESPERANÇA AS OSCILAÇÕES PERTURBADORAS DA VIDA

Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar.


Esta é a primeira estrofe da Canção do Tamoio, obra do grande escritor Gonçalves Dias. Minha querida mãe sempre recitava esta estrofe para mim, todas as vezes que eu me deparava com uma situação indesejável em minha vida, quando me queixava acerca dos problemas que estava enfrentando. Ainda não conheci uma pessoa tão sábia como ela...

A verdade é que a nossa vida nesta terra parece muito como um típico caso da física, de um pêndulo. (Fiz muitos exercícios do tipo no Halliday, Resnick e Walker, em Física 2, na época da graduação). Um pêndulo é um corpo pesado, suspenso por intermédio de uma haste ou fio em um ponto situado acima do seu centro de gravidade, de tal modo que lhe seja possível oscilar livremente.

Assim, há momentos em que estamos experimentando boas situações, com alegria, onde tudo dá certo. Onde tudo está sob a mais perfeita ordem, quer na família, quer na vida pessoal, quer profissionalmente, quer ministerialmente. Nestes momentos nos sentimos fortes e poderosos, cheios de virtude e de força. Transportar montes, nestes dias, parece ser uma tarefa simples: se ele não sair pela fé, sairá por nossa própria força!

Há pessoas que insistem em querer eternizar esses momentos. Insistem em querer viver sempre assim, num eterno triunfalismo utópico. Vivem achando que a vida gravita em torno de si próprio. Que nada, em hipótese alguma, dará errado jamais! Afinal, "ele é o cara, é o tal, o bambambam". Sua vida foi planejada para ser o modelo da perfeição e ele mesmo é o anel desta perfeição. Daí, quando a vida lhes surpreende, quando o mal surge - sim, porque isso é próprio da vida - elas entram em parafuso: questionam Deus, questionam a fé, questionam a Igreja... mas não questionam a si mesmas.

Há, também, situações nas quais tudo parece dar errado, parece que todas as forças do Cosmos conspiram contra nós. Em momentos assim, nos sentimos como um átomo de poeira cósmica vagando pela imensidão do universo: ninguém sabe da nossa existência, não influenciamos nada e ninguém e, se não existirmos mais, isso é irrelevante para a humanidade... Como diria Charlie Brown (também conhecido como "Amendoim", do desenho "Snoopy"), o grande profeta do desânimo, "que poxa"... Dá vontade de colocar um saco na cabeça com dois furinhos para os olhos...

A exemplo do caso anterior, há também pessoas que eternizam esses momentos. Há pessoas que insistem em viver justamente assim, num derrotismo infundado, só porque em algum momento a sua vida não foi como planejado ou almejado. Vivem num mar de desânimo, de derrota, de fracasso. Não conseguem mais deixar para trás, superar aquele momento e continuar a viver. Não conseguem mais levantar o semblante, não conseguem mais ter fé. Se ficam na Igreja, o fazem por mera questão de comodidade ou por costume, porque nada mais ali parece fazer sentido algum. Não há nada que as console, mas as lágrimas rapidamente fluem como ribeiros quando conversam com alguém sobre o que passou com elas, e nada do que seja lhes dito faz qualquer efeito. Pessoas que projetam sobre suas vidas o destino ruim de outras, só porque aparentemente viveram o mesmo infortúnio. Apesar de Deus as abençoar, elas só conseguem olhar para suas próprias feridas...

A vida, querido(a) leitor(a), tem suas surpresas, isso é verdade. Mas não podemos continuar a viver nos extremos do pêndulo como se fossem eternos. Primeiro porque estes momentos são eternos na presente vida: nem o mal é eterno, nem os bons momentos duram para sempre; é mister que eles se alternem.

Não há mal que dure para sempre, enquanto nesta vida. A Bíblia diz que o que dura para sempre é a benignidade do Senhor (Sl 118.1) e a Sua misericórdia (Sl 106.1). O mal - adversidade - na vida do crente é transitóriõ e finito, com começo e fim determinados pelo Senhor. Á toda uma Igreja sofredora, o Senhor Jesus, a partir do Seu anjo, escreve a João dizendo: "Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida." Sim, Esmirna padeceria, sofreria com a ação do diabo contra ela. Porém, o sofrimento não seria eterno, nem causaria a destruição daquela que era como perfume diante do Grande Rei. A duração do sofrimento estava determinada de forma irrevogável: 10 dias. 

Do mesmo modo, não há bem que nunca se acabe, enquanto aqui vivermos. O próprio Salvador nos disse: "No mundo, tereis aflições" (Jo 16.33). Haverá sempre um momento em que as coisas hão de perturbarem-se. Haverá momentos nos quais, como diz o antigo hino, expressaremos a nossa dor e tristeza como as seguintes palavras: "Mestre o mar se revolta, as ondas nos dão pavor. O céu se reveste de trevas, não temos um Salvador. Não te incomodas conosco? podes assim dormir? Se a cada momento estamos bem perto de submergir". "Mestre na minha tristeza estou quase a sucumbir. A dor que perturba minha alma, eu peço-te, vem banir. De ondas do mal que encobrem, quem me fará sair? Pereço sem ti, ó meu Mestre, vem logo, vem me acudir."

Ora, se bem e mal se alternarão enquanto aqui vivermos, o que nos resta a fazer? A única coisa que o homem pode fazer: confiar em Deus. Essa é, talvez, a coisa mais difícil que alguém possa fazer, mas é a mais necessária dentre qualquer outra. Confiar em Deus é se entregar a Ele, é depositar as ansiedades e frustrações, as alegrias e vitórias, nas Mãos do Senhor Rei do céu e mar! É ter total confiança de que, embora as circunstâncias possam mudar, Ele jamais mudará! Aleluia! É ter a total convicção de que ainda que eu ande até pelo vale da sombra da morte, não estarei sozinho; o Meu Senhor está comigo, com seu cajado e com sua vara a me consolar!

Nas horas de lutas e tristezas, fazemos a pior coisa que alguém poderia fazer: procuramos justificativas. Geralmente estas justificativas acabarão apontando dedos para alguém - ou para Deus, ou para nós, ou para outros. E aí fazemos o "inventário de culpados". Isso só gera mais feridas, mais tristezas, mais dor.

Quando as lutas me vem assolar, quando tudo parece esfarelar-se diante de mim, eu procuro fazer a única coisa que posso: ter a total convicção, no mais profundo do meu coração, de que nem as tribulações, nem as lutas, nem os fracassos, nem os problemas, ..., nem a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada, nada, ABSOLUTAMENTE NADA, me pode separar do amor de Cristo, Meu Senhor e Salvador. Se Seu amor por mim é firme, é invariável, então eu sei que estou guardado nesse amor; sei que Ele, que me ama com amor eterno, jamais agirá contra esse amor!

Segundo porque se a nossa vida é como um pêndulo, devemos esperar que haja deslocamento, ou seja, mudança de posição. Com o passar o tempo, por dissipação de energia, a amplitude (o A na figura acima) reduzirá com o tempo e, assim, o pêndulo acabará em posição de repouso, sem oscilar mais. Haverá um momento, em nossa existência, quando o movimento pendular cessará; quando o próprio movimento interno, em nossos corpos, deixará de existir. Sim, a "energia da vida bios" se dissipa a cada manhã. Porém, quando os dias se findarem e na morte adormecermos; quando o Rei disser ao nosso espírito "livre sê", nunca mais angustiados! Nunca mais sofreremos! Nunca mais viveremos em oscilações perturbadoras! A vida será de constante e eterna paz, de eterno gozo. Lá, tudo o que hoje é parcial será aniquilado em prol da inteireza, da completude! Tudo que é transitório passará a ser eterno!

Força, meu dileto leitor! Coragem, minha amada leitora! Sê forte, tende coragem! O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã! Faça como Abraão: levante a cabeça e olhe para cima, olhe para céu; de lá vem o teu socorro! De lá vem a tua salvação! O Teu Redentor não está morto; Ele vive e por fim se levantará sobre a terra! Ele não é um deus distante, longe; não, Ele é chamado Emanuel, Deus conosco! Aquele que te ama com amor eterno, que com bondade te atraiu, não deixará que você pereça, mas com a Sua destra te sustentará! Por pior que seja o mal que você está enfrentando, a destra do Senhor fará proezas por ti, querido(a)!

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

5 comentários:

  1. "Quem passou pela vida em brancas nuvens ,e em plácido repouso adormeceu.Não foi homem.Foi espectro de homem.Só passou pela vida,mas não viveu." Nossa vida se constitui de bons momentos e de momentos não tão bons.Mas em tudo temos nosso Senhor conosco.Adversidades são para o nosso crescimento.E afinal o mar não vive só de calmaria.As ondas também se levantam.Importante é sabermos que mesmo no mar revolto,Jesus caminha e nos chama a caminhar com Ele por sobre as ondas.Ele não se assusta com o furor do mar.Sempre pronto está a nos socorrer.Muitas vezes o que nos falta é fé.Agimos como Pedro e vamos submergindo...

    ResponderExcluir
  2. Amado pr. Ricardo,
    Um primor de texto. Fui edificado por ele.
    Realmente existem pessoas que pensam que a vida é uma espécie de Disney World, compra-se um ingresso ou entrada e se escolhe os brinquedos e atrações que deseja. A vida não é assim, é uma sucessão de sucessos e fracassos, de sobe e desce, enfim, a vida é dura como bem mostrou, não é um parque de diversões.
    Que Deus continue lhe iluminando para trazer mensagens como essa.
    Louvo a Deus pela tua vida e ministério e também lhe digo: Força, meu caro irmão! Deus é conosco!
    Conte com minhas orações.
    abraços.
    Em Cristo,
    Pr. Magdiel G Anselmo.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Pr. Magdiel!

    Agradeço ao Senhor por ter-lhe como amigo, irmão e companheiro de ministério!

    Graça e Paz!

    ResponderExcluir
  4. Grande mensagem pastor! Muito acalentadora.

    Estamos sempre juntos. Haja o que houver...

    Paz!

    ResponderExcluir
  5. Grande mensagem...
    Estamos sempre juntos. Haja o que houver.
    Paz!

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.