Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

terça-feira, 22 de junho de 2010

RIQUEZA FINANCEIRA É O MESMO QUE BÊNÇÃO DIVINA? PARTE 1

Um dos principais argumentos dos teólogos da prosperidade é sobre o status econômico do Senhor. Segundo eles, Jesus era rico pois a riqueza é a marca da bênção divina, já a pobreza seria marca da maldição na vida de uma pessoa. Assim, o raciocínio é que Jesus não poderia ser pobre.

Vou abordar este tema em mais de um post, devido à amplitude do mesmo.

Primeiramente, tal raciocínio é falacioso já em sua concepção. A pobreza não é causada pela maldição, nem a riqueza é sinônimo de bênção. Uma pessoa pode ser rica, financeiramente falando, e isso não se constituir em bênção divina. Por outro lado, uma pessoa pode ser pobre, e isso não se constituir em maldição. Afirmar que 100% das vezes há correspondência entre o status financeiro e o status espiritual é, no mínimo, desconhecer a Bíblia:

O Jovem Rico (Mc 10.17-22): Não há nenhum tipo de ligação entre a riqueza do jovem e a bênção divina. Mais além, as riquezas que o mesmo possuía acabaram tomando o seu coração de tal maneira que terminaram impedindo-o de entrar no Reino de Deus (vv. 23-25). Se a riqueza deste jovem era sinônimo da bênção divina, algo está muito errado, porque Deus deu-lhe uma bênção nesta Terra que o privou da maior bênção que alguém pode ter. Ressalto aqui o que disse o Mestre com relação ao episódio: "Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!" e "Filhos, quão difícil é, para os que confiam nas riquezas, entrar no reino de Deus! É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus."

O Rico e o Lázaro (Lc 16.19-26): Novamente, não há ligação entre riqueza e bênção. Veja o que diz Abraão ao rico: "Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado" (v. 25). Novamente, a riqueza agiu de tal modo na vida daquele homem rico, que vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente, que acabou impedindo-o de entrar no Reino de Deus. (Ver também: Sl 39.6; 49.6,7; 52.7; 62.10; Ez 28.4,5 [arreda!]). Lázaro é o verdadeiramente abençoado! 

Para constar, devemos lembrar o que disse o Senhor: "E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera" (Mt 13.22). Há muitos crentes e muitos pregadores nos quais a Palavra foi sufocada, ficando infrutífera. Não dão mais o bom fruto da piedade cristã, mas se tornaram ímpios pela sua maneira de agir, pela sedução das riquezas. Se tornaram árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas (Jd 1.12).

Poderíamos ficar aqui listando muitos outros exemplos comprobatórios...

A totalidade do ensino dos "apóstolos, bispos, pastores e pregadores do Faz-me Rir" (fonte da Unção do Ri$o nestes sujeitos...) está baseada nos textos do Antigo Testamento. Tal fato, por si só, já é preocupante, tendo-se em vista que há sempre uma enorme tendência em nos apropriarmos indevidamente das promessas feitas a Israel, substituindo Israel pela Igreja Gentílica.

Isto posto, é facílimo constatar que as riquezas que Israel possuía eram, de forma geral: (1) resultado da saída do Egito, por ocasião do Êxodo (Êx 12.30); (2) resultado dos despojos de guerra (Js 22.8); (3) resultado da obediência dos mandamentos de Deus na terra que mana leite e mel (Dt 8). Todas estas fontes de riqueza são consideradas como "bençãos de Deus".

Porém, com exceção da última, as duas primeiras referem-se ao contexto histórico: Israel saiu do Egito fisicamente (Deus restituiu seu povo, fazendo-os levar consigo aquilo que fora produzido com anos a fio de escravidão). Na conquista do território, Israel adquiriu muito despojo das nações vencidas em campo de batalha (e perdeu muitos homens também). Pergunta-se: os crentes saíram do Egito, fisicamente? Só se foi após a excursão promovida, a preço$ módico$, pelos apó$tolo$... Lutaram fisicamente em várias guerras para conquistar seu espaço na terra? Então, como querem ter direito a estas riquezas?

Quanto a última (Dt 8), a riqueza seria o resultado óbvio da terra dada por Deus a Israel (vv.7-9): lugar de fartura em víveres e em bens minerais (cobre e ferro). Seguindo o texto, a fartura que havia neste lugar poderia corromper o coração do povo de Deus (vv.11-17 = exatamente como no Novo Testamento, nos episódios citados acima. A Bíblia é tremenda!), levando-os a se afastarem do Senhor.

Observe o que Deus diz, no versículo 18: "Antes te lembrarás do SENHOR teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza; para confirmar a sua aliança, que jurou a teus pais, como se vê neste dia".  A riqueza seria adquirida (alcançada, conquistada); para isso, Deus daria a força necessária. Obviamente, seria necessário trabalhar; a terra que mana leite e mel não era a terra da indolência. Veja: trabalho na terra (e não "$emente$ de fé" de campanhas para enriquecer os sacerdotes), com a força dada por Deus (inteligência, sabedoria, saúde física e emocional), aliado às riquezas naturais da terra, seriam a fonte de riquezas.

Trabalho sério com a bênção de Deus (inteligência, sabedoria, saúde física e emocional) são por si só riquezas. A nossa maior riqueza é Cristo! Assim, tendo o que comer e o que vestir, estejamos satisfeitos (I Tm 6.8). Por fé (e não por interesse escuso) devemos ser dizimistas e ofetantes na Obra de Deus, porque Deus ama quem com alegria oferta (II Co 9.7).

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia! 

Um comentário:

  1. Assim como muitos destes pastores e o povo que os segue,gananciosos.A riqueza quando vem de modo ilícito fará para si asas,separará o homem da verdadeira riqueza.Deus.É melhor ter os olhos fixos naquele tesouro que está nos céus,onde os ladrões não escavam e nem roubam.Quando fecharmos os nossos olhos aqui não levaremos nada desta terra e lá naquela terra além do rio não precisamos pagar para entrar.O preço já foi pago.Portanto o que vale é termos nossos corações livres de qualquer peso ou idolatria e vãs cobiças que podem nos separar da RIQUEZA MAIOR,CRISTO.

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.