Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O 1º. PATRIARCA EVANGÉLICO...


Recentemente, por ocasião das comemorações pelo 49o. aniversário do apóstolo Renê Terra Nova, 19 de junho, durante a programação do 13o. Congresso Internacional da Visão Celular, no MIR, em Manaus, líderes do Brasil e das nações reconheceram publicamente diante da igreja, o papel de patriarca o qual o apóstolo Renê tem exercido no Brasil e nas nações por onde tem passado. No evento, foi exibido um vídeo mostrando as marcas do patriarcado na vida dos apóstolos do MIR, culminando no ato profético do manto sacerdotal, em cor púrpura, sobre a vida do casal de apóstolos, Renê e Ana Marita Terra Nova.
Leia Mais em:

http://www.genizahvirtual.com/2010/06/terra-nova-agora-e-papa-o-maluco-surtou.html#ixzz0t28Phb5N. Acesso 07/07/2010, às 19h11min.


 
http://www.mir12ro.com.br/?pg=mat_22062010. Acesso 07/07/2010, às 19h11min.

--------------------------------------------------------

COMENTÁRIOS:

Patriarca (grego: πατριάρχης, πατήρ, patér, pai + αρχή, arché, primeiro, máximo) é um título utilizado em certas Igrejas cristãs para designar algumas autoridades eclesiásticas que têm ascendência jurídica ou honorífica em relação a um território, rito ou igreja particular. A circunscrição eclesiástica do patriarca chama-se patriarcado. Em algumas Igrejas, o patriarca recebe o titulo de Catholikós, e sua circunscrição é o Catholikossato.

A semelhança da igreja constantinizada com o império, como organização, fortalecia a tendência da nomeção de um cabeça. Em um Estado governado por uma autocracia, e não por autoridades eleitas, no qual um imperador governava com poderes absolutos, era natural que a igreja, da mesma forma, fose governada por um chefe. Em toda parte os bispos governavam as igrejas, porém esta pergunta surgia constantemente: Quem governará os bispos? Qual o bispo que deve exercer na igreja a autoridade que o imperador exerce no império?

Os bispos que dirigiam igrejas em certas cidades eram chamados "metropolitanos" e mais tarde "patriarcas". Havia patriarcas em Jerusalém, Antioquia, Alexandria, Constantiopla e Roma. O bispo de Roma tomou o título de "pai", que mais tarde foi modificado para papa. Entre os cinco patriarcados acima mencionados havia frequentes e fortes disputas pela supremacia. Mais tarde essa disputa ficou somente entre o patriarca de Constantinopla e o papa de Roma, para saber-se qual dos dois seria chefe da igreja. (Jesse Lyman Hurlbut, História da Igreja Cristã)

Muito interessante também são as informações fornecidas pelo site http://pt.mormonwiki.com/Patriarca, sobre o Mormonismo:

Os Patriarcas ordenados são bênçãos especiais aos membros dignos da Igreja Mórmon, chamadas de Bênçãos Patriarcais. A um patriarca é dada a introspecção profética especial que o permite dar bênçãos que falam da vida futura de uma pessoa, assim como de sua vida pré-mortal. O Profeta Joseph Smith disse: “Um evangelista é um Patriarca. Onde quer que a Igreja de Cristo seja estabelecida na terra, deve haver um Patriarca para o benefício da posteridade dos Santos, como era com Jacó que deu sua benção Patriarcal a seus filhos”. (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 151) O Patriarca enxerga o futuro, enumera as bênçãos e promessas, algumas em especial, outras gerais, a linhagem a que a pessoa pertence é adequadamente intitulada; e com seu poder e autoridade sela estas bênçãos sobre a pessoa de modo que possam desfrutar delas pela eternidade mediante a sua fidelidade.

Assim, podemos concluir:

1. O patriarcado foi instituído na Igreja por semelhança com o Império Romano, na qual estava inserida. Nunca foi ordenado pelo verdadeiros apóstolos de Jesus.

2. O princípio motivador do surgimento do patriarcado na Igreja é o domínio do rebanho.

3. Salvo melhor juízo, apenas as Igrejas Ortodoxas, a Católica (papa é o patriarca; os Ortodoxos reconhecem Papa como "Primeiro Patriarca") e os Mórmons adotam a figura do patriarcado. Não consta a figura de um patriarca nas Igrejas Protestantes (presbiteriana, metodista, batista, congregacional, assembléia, etc).

4. No Antigo Testamento vemos a figura dos "patriarcas", relacionados às famílias ou clãs: Noé, Abraão, Isaque, Jacó, etc. Pedro, Paulo, Judas, Tiago, etc nunca, absolutamente, foram denominados patriarcas, conforme mostra o Novo Testamento.
 
Onde a Igreja irá parar com essa sede de poder? Será que a maior necessidade da Igreja moderna são títulos honoríficos? Os títulos são a solução de Deus para os clamores dos crentes fiéis, do da Igreja remanescente, contra a mundanização da Igreja?  Ou será que a solução é o retorno à Verdadeira e Pura Palavra de Deus, vivida e pregada? Os títulos pomposos (ou não) transformarão as vidas dos incrédulos? Representam alguma coisa no mundo espiritual?
 
Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!  

Um comentário:

  1. Igreja doente,nada de são nela,"desde a planta dos pés até o alto da cabeça há feridas não espremidas".Igreja acéfala.Sem Cristo,o verdadeiro
    e único Cabeça.Até onde irão?Onde irão parar?Assim
    fez Lúcifer ao tentar sentar-se no Trono de Deus e
    tomar para si o que não lhe cabia por direito.

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.