Pesquisar Argumentações No "Ad Argumentandum Tantum"

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

VAI BUSCAR EM SEGREDO A CRISTO!

Marta, porém, andava distraída em muitos serviços [...] E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária. (Lc 10.40,41)

Vivemos num mundo extremamente agitado. As atividades diárias ocupam uma grande parcela de nosso tempo. Trabalho, escola, compras, trânsito (este, caótico como nunca, que diga-se de passagem!)... a lista é imensa. Com o aumento de nossa lista particular de "coisas a fazer", subconscientemente acabamos estabelecendo uma lista de prioridades, a fim de "trazer ordem ao caos". E assim as horas passam, e com elas os dias... o tempo torna-se o nosso maior adversário. Quantas coisas gostaríamos de fazer e não o fazemos porque simplesmente não sobra tempo? Quantos maravilhosos projetos de vida são "arquivados", classificados como "inviáveis" porque o tempo - esse grande inimigo invisível - chancelou-os destes modo?

O fato é que sempre que estabelecemos esta "lista mental" de prioridades, acabamos conferindo primazia a atividades que não deveriam ocupar tal posição. Se pararmos para pensar um pouco sobre o assunto, livres de pressões, facilmente constataremos duas grandes verdades. A primeira é que temos atividades em demasia em nosso rol de atividades. Nos envolvemos em muitas coisas, quer por vontade quer por delegação, quer por força do ofício. O rol de atividades está inchado! Obviamente, com o grande número de atividades, muitas serão relegadas à revelia.

A segunda verdade é o fato de que muitas atividades, cuja importância é sabiamente reconhecida, acabam ou sendo excluídas do rol de atividades, ou relegadas a última posição neste, ou mesmo sequer consideradas no rol! E aí é que se encontra o problema! Neste mundo enganoso e carnal, sofremos a ação de várias forças de diversas naturezas, cuja resultante, ao ser aplicada sobre nós, acaba por nos fazer escolher a solução mais simples: priorizarmos o mundo e suas demandas, ao lugar de priorizarmos o Reino de Deus e sua justiça.

Ah, o Reino e sua justiça! Tão real e sólido, mas tão abstrato em nossa vida...Tantas coisas, tantos afazeres... Afinal, quem cuidará do sustento de minha casa? Quem pagará as contas no final do mês? É nesse ponto que falhamos. Miseravelmente falhamos. Pensamos que para priorizar o Reino de Deus é necessário tornar-se um "contemplador ocioso", trancados numa caverna. O Reino de Deus, disse Jesus, nos é chegado, mas também está em nós. Logo, o Reino é implantado de dentro para fora: começa primeiro no interior do homem e então é manifesto exteriormente - é o domínio soberano de Deus sobre mim, o Seu governo irrestrito sobre a minha vida.

Trabalhar é uma atividade própria do Reino de Deus, afinal o reino é semelhante a um homem, pai de família, que saiu de madrugada a assalariar trabalhadores para a sua vinha. Uma vinha cheia de trabalhadores! Jesus mesmo disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também (Jo 5.17). O plano de Deus envolve o trabalho humano desde os primórdios da criação, desde o Éden. Nem tudo na nossa vida é trabalho, por certo. Do mesmo modo, o descanso e o lazer também fazem parte do plano de Deus para o homem. Fazemos uma imensa e interminável polêmica acerca do descanso, e nos esquecemos que o descanso é para ser exercido, não discutido. Não descansamos - mesmo os guardadores de dias de descanso. Podemos estar em estado de inatividade laboral, mas a alma não está em repouso; a mente não consegue descansar, porque a única forma de repousar a alma é fazer com que o Reino de Deus seja priorizado no interior!

Priorizar o Reino em nosso interior é simples: é buscá-lo em primeiro lugar. Como buscar o Reino? Devo ir diariamente ao templo para buscar o Reino? Alguns acham que sim, e aí estabelecem uma extensa programação litúrgica em suas Igrejas. É claro que a ida ao templo tem o seu lugar e importância. É claro que "fazer a obra" tem o seu lugar na implantação do Reino exterior. Mas o templo sem o Reino no interior é exercício de religião e não de fé, é obrigação, é ato vazio e inútil em termos práticos. O único efeito disso será a ansiedade e a fadiga. A "obra" de implantação do Reino só tem efeito prático se o Reino tiver sido primeiramente implantado no interior de cada um de nós.

Como buscar o Reino? Buscando o Soberno Senhor do Reino. Como buscá-Lo? Da mesma forma que você buscaria alguém com quem você desejasse conversar um assunto particular ou ter um momento íntimo, à sos: em segredo! Buscar o Rei dos reis em segredo! Ele mesmo disse: "Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto". Onde está a ênfase: no lugar (aposento)? Não, por certo. Jesus nunca colocou a ênfase sobre lugares quando o assunto é espiritual. A ênfase está no modo: em secreto. Algo "em secreto" é algo "íntimo", é algo ligado por afeição e confiança, algo que se passa entre pessoas muito chegadas entre si. Buscar o Reino é então reservar tempo (quando) para conversa íntima (oração) com o Pai. O melhor lugar é onde a intimidade é possível. Um tempo no tempo.

"Mas, para isso, terei que reservar um tempo na minha já complicada agenda? Já é difícil arrumar tempo!" Marta também achava a mesma coisa. Havia muitos serviços a serem realizados em sua complicada agenda diária. Ela até recebeu Jesus em sua casa. "Entra na minha casa, Mestre; o Senhor é bem-vindo. Fique à vontade enquanto vou ali resolver um problema. Volto já, já.", ela deve ter dito. Porém não parou um segundo sequer para dar-Lhe atenção, ansiosa e afadigada em muitos afazeres.

Muitos de nós agimos da mesma maneira que Marta. Convidamos Jesus para entrar em nossa casa. Dizemos "fica comigo óh meu Mestre; entra na minha casa, entra na minha vida". Mas, depois que O temos em casa, vamos resolver a nossa vida cotidiana. Depois que O recebemos em nossa vida, raramente damos-Lhe a atenção devida. Não paramos mais para conversar com Ele, não paramos para Ouví-lo. Falta o secreto!

É aí que encontramos o exemplo de Maria. O corre-corre, a agitação, o desassossego de Marta não impediu que Maria tivesse o seu "tempo secreto" com Jesus. Vassouras, louças e  panelas, comida e roupas, com as quais Marta estava envolvida não conseguiram envolver Maria. Talvez elas estivessem trabalhando juntas, nas atividades domésticas,  antes da chegada do Mestre. Mas agora Maria entendeu que o tempo era outro. "Cessa tudo o que a antiga musa canta, que um valor mais alto se alevanta." (Luiz de Camões, Lusíadas) Apesar de todo barulho e agitação causados pelo trabalho de sua irmã, Maria encontrou o "lugar secreto" onde Jesus poderia ser buscado.

O lugar secreto é mais que um lugar. É certo que Mateus fala de um lugar físico, mas para quem quer o lugar é o que pouco importa; tampouco o dia da semana. O que realmente importa é o buscar em secreto ao Mestre, é sentar-se aos seus pés, é rasgar o coração, é abrir tudo o que tem em si mesmo - e isso está muito longe de ser algo físico. É estar atento ao momento em que Jesus "entra em casa" - sim, porque você irá facilmente sentir à Sua presença quando Ele chegar.  Marta recebeu Jesus em casa, mas não se apercebeu Dele; as atividades diárias bloquearam-lhe a sensibilidade. Maria era sensível à presença do Senhor, por isso parou tudo e sentou-se aos Seus pés. E, como disse Jesus, esta é a melhor parte, a qual não lhe foi tirada.

Como vai a sua sensibilidade? Você ainda consegue discernir quando o Senhor entra no seu cotidiano, quando Ele interfere positivamente no seu dia-a-dia? Consegue distinguir espiritualmente o chamado à comunhão, à parar tudo e por algum tempo assentar-se aos pés de Cristo? Consegue ainda ter o seu "lugar secreto", onde o encontro com o Mestre acontece às escondidas, no interior do coração humano onde o Reino está implantado, longe dos olhos dos homens?

Quero oferecer-lhe um hino, antigo, para sua meditação e enlevo espiritual. O nome é "Vai Buscar", de autoria do Pr. Feliciano Amaral. Clique e ouça!


video

Pense nisso. Deus está te dando visão de águia!

4 comentários:

  1. De fato Pr. concordo e o tempo dado a Deus e família tem ficado para segundo plano. Concordo plenamente e engana-se quem pensa que idolatria é apenas uma imagem de escultura. O trabalho pode se tornar um ídolo pois toma o lugar de Deus. Precisamos priorizar como disse o Reino! Bênção pura! Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  2. Interessante nisso tudo é que o cristão que se diz filho,não conhece o Seu Pai!Qual filho que não deseja conhecer o seu pai e qual pai amoroso que não quer conhecer o seu filho?É preciso que nos lembremos que ao separar cabritos e bodes,Ele irá dizer:"Eu nunca vos conheci".Como conhecer alguém com quem não temos estreito relacionamento?Na hora extrema da aflição como é bom encontrá-Lo!Como é bom saber que Ele está perto!Mas é bom que saibamos que Ele não quer e não gosta de ser procurado só nessas horas."Quem ama gosta de estar juntinho da pessoa amada",já dizia um velho louvor.

    ResponderExcluir
  3. É verdade, querido pastor.
    Como bem disse, as diversas atividades e a correria de nosso dia-a-dia muitas vezes faz-nos não priorizar o que nos é mais relevante.
    As coisas e tarefas da Igreja não podem nos afastar do contato com o Deus da Igreja.
    "O secreto" como frisou é a oportunidade que Deus nos dá para termos um contato profundo com nosso Senhor.
    Como é bom quando assim o fazemos.
    Quanta alegria, conforto, sabedoria e forças nos proporciona esse momento a sós com nosso Rei e Mestre.
    Com isso, nos tornamos melhores pais, maridos, amigos, irmãos e pastores.
    Sem isso, fraquejamos e nos embaraçamos com as coisas dessa vida.
    Atual aviso e orientação.
    Amigo, continue sendo este canal de Deus para nossas vidas.
    Grande abraço,
    Pr. Magdiel G Anselmo.

    ResponderExcluir
  4. texto muito bom mesmo...
    Deus disse que o pecado de sodoma foi a ociosidade...(ez 16.49)
    E um escritor do passado disse sabiamente sobre elias:"só pode fazer uma oração curta e poderosa em publico, quem mantem uma longa e poderosa comunhão em secreto...'
    Que o abençoe grandemente a cada dia, e que Ele possa ser reconhecido atraves de sua vida.
    a paz
    nanda

    ResponderExcluir

(1) Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. Outra coisa: não publicarei nenhuma crítica dirigida a pessoas; analise a postagem e então emita seu parecer, refutando-a com a apresentação de referências, se assim for o caso (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão nem termos de baixo calão! (3) Responderei as críticas na medida do possível e segundo o meu interesse pessoal (4) Não serão aceitos, em hipótese alguma: mensagens com links que dirigem e façam propaganda a sites católicos, espíritas, ateus, ortodoxos gregos, judaizantes, adeptos de teologia da prosperidade, religiões orientais, liberais, nem nenhum outro que negue Jesus Cristo como Senhor, Deus, único e suficiente Salvador. Estende-se essa proibição a mensagens que propaguem essas idéias/crenças e que queiram debater e provocar discussões.